Amor que data sim

Meanwhile, newer high-end flagship smartphones typically require a nano-sized SIM card. Smartphones using Nano SIM including the iPhone 7, Google Pixel, Huawei P9, Moto Z and Galaxy S7. The three types of SIM card differ in size, as per the image and table below: From left to right: Standard SIM, Micro SIM and Nano SIM. Data do Signo de Câncer: de 21 de Junho e 22 de Julho ... O Signo de Câncer é um dos que mais se entregam no amor – o que, às vezes, podem fazer os nativos de Câncer se machucarem. Costumam “entrar de cabeça” em relações. São carinhosos, zelosos e fiéis à pessoa amada. ... Não dão valor tanto ao material e, sim, ao sentimental. Contigo aprendi o Amor… E com o Amor me descobri, me inventei, me conheci… No Amor cresci e me encontrei para me perder, desnorteada de ti… Em ti desapertei nós, desatei laços, cortei amarras, desfiz cansaços… Por ti quebrei barreiras, abri o peito, sorri, sonhei, cruzei o infinito… Sem ti me perdi da alma do mundo Sim, não quero nada que seja menos do que amor com A maiúsculo. Não quero nada que fique entre uma simples amizade e um forte desejo sexual. Não quero amizade colorida , nem listrada nem xadrez. Não quero nada que seja pela metade. Nada que venha na forma de migalhas. Nada que venha com data marcada para ir embora. Se não restam dúvidas Chegou a nossa hora e esta é a nossa música Que eu vou deixar tocar Pra que não te esqueças de deixar o amor entrar Sem problemas Dizendo que sim a nós, tu deixas viver Dizendo que sim a nós, tu não te vais arrepender Diz-me que sim, sim, sim Ai tu diz-me que sim, sim sim Ai tu diz-me que sim, sim sim Ai, tu não ... Eu sei que não compartilhamos o mesmo sangue, que nossa linhagem é diferente, mas você tem de entender que o amor nem sempre se explica. E eu não consigo entender por que gosto tanto de você! Sinto até que você é mais do que minha enteada. É minha grande amiga, minha cúmplice e confidente. Cantigas de amor duas análises 1. As Cantigas de Amor<br />Lírica Trovadoresca<br /> 2. Proençaissoenmuibentrobar<br />e dizen eles que é con amor, <br />mays os que troban no tempo da flor <br />e nonen outro sey eu ben que non<br />amtamgrancoyta no seu coraçon<br />qual m’eu por mha senhor vejo levar.<br /> <br />Pero que troban e sabenloar<br />sas senhores o mays e o melhor <br ... Perdoa-me amor ..... Se não sei dizer “eu te amo” ..... Com as palavras que você, talvez, queria... Talvez sejam os medos Acumulados nos abandonos pretéritos, Talvez os segredos Urdidos pra te provocar, Ou talvez apenas degredos Inventados por meus erros. Mas, sei dizer “eu te amo”, Quando me perco embevecido Na visão do teu rosto ... Porque o amor nem sempre é fácil. Eis, segundo o portal Blasting News, os quatro signos que mais sofrem no amor e tendem a ficar de coração 'partido': Hoje é dia de festa! Da mais linda festa de todas! Porque hoje é o aniversário da data que escolhemos para dizer “sim” ao nosso amor e começarmos uma vida juntos! Como eu te amo! Como eu amo nosso amor e amo nossa vida. Amo tudo o que você representa para mim e tudo o que já construímos e ainda construiremos como uma família.

A frustração do término de um relacionamento de longos anos (6)

2020.09.21 20:56 jujubadejurubeba A frustração do término de um relacionamento de longos anos (6)

Eu sei que não deveria me sentir assim, até por ter sido um término maduro, acordado entre ambas as partes como sendo o melhor, amigável, mas me frustra sentir como se tivesse desperdiçado 6 anos da minha vida em um relacionamento que não deu certo.
Foram anos de aprendizado, nós nos amávamos muito, confiávamos um no outro, havia diálogo de sobra, éramos companheiros, cúmplices, o sexo era incrível, mas éramos tão, tão diferentes que chegávamos ser incompatíveis. Fora que a vida parecia sempre nos levar em direções opostas e nós mesmos sempre aspiramos ter conquistas diferentes.
Eu queria que tivesse dado certo e fiz do possível ao impossível para que desse e isso me tranquiliza. Mas aprendi também que só o amor não é suficiente para sustentar uma relação. É preciso muito mais que isso. É preciso, sobretudo, compatibilidade.
É lindo ouvir que os opostos se atraem e podem, sim, se atrair. Mas não quer dizer que irão caminhar por uma trilha lisa e desimpedida, sem pedras e demais obstáculos ou sem conflitos.
Foram 6 anos de adaptações, mudanças, mas o quanto mais teríamos de mudar até que deixássemos de ser quem somos pelo outro? Eu não estava disposto a perder quem sou por alguém. Sou a única coisa que tenho, a mim pertenço. Não seria justo deixar de acordar sempre sorridente, cantarolando, esbanjando simpatia, de dançar alegre pelos mínimos acontecimentos porque para ele parecia exagero e incomodava. Ser assim sempre me escreveu histórias felizes, conquistou grandes amizades e fez memórias tão lindas!
Eu mereço alguém que se divirta e ria comigo, que veja e queira viver o melhor da vida comigo. E ele merece alguém que seja como ele e faça feliz como ele merece ser também, mas essa pessoa definitivamente não sou eu.
Estávamos noivos, ele insistindo para que nos mudássemos juntos e marcássemos a data do casamento logo, assim que uma vacina fosse anunciada e essa pandemia erradicada, mas eu não pude. Se namorando já estávamos infelizes, em descompasso, imaginem casados?!
Já tenho amigas me dizendo para tentar conversar e, pós-pandemia, permitir conhecer outros rapazes, mas não sei se estou disposto. Não ainda. Acredito que tenho de passar alguns meses cuidando de mim para mim mesmo, recordando de quem sempre fui e pretendo continuar sendo e definindo tudo aquilo que estou disposto a entregar alguém outra vez e o que sei que mereço receber de volta.
Como disse, não estou triste como pensei que fosse estar me sentindo agora. Estou frustrado. E espero que essa frustração não desenvolva em mim uma aversão a relacionamentos pelo medo de me envolver, entregar demais de mim, para no final ter sido tudo em vão (outra vez).
submitted by jujubadejurubeba to desabafos [link] [comments]


2020.09.11 23:59 Pretty-Gap7378 Doença mental

Sinto que algo não está bem. Sinto um sufoco no peito que não me deixa respirar, um nó na garganta que não se desfaz. Tento, de todas as formas e feitios, encontrar o culpado desta dor que me aflige e sufoca a alma. Após desabafos, fármacos e mais fármacos, concluo que a culpa reside em mim. Durante anos carrego-a como se fosse uma sombra. Persegue-me a cada passo, conseguindo-a ignorar apenas na escuridão. Se há reflexão tenho vindo a fazer ao longo dos meus miseráveis 24 anos de existência é a de que as minhas tentativas de encontrar a culpa do meu sofrimento não me levaram a lugar nenhum, se não antes a piorar a minha própria dor.
Vou-vos contar uma história. Nasci numa pequena aldeia. Apesar de sempre ter vivido nessa pequena e pacata aldeia à beira-mar plantada, nunca senti que aquela fosse a minha casa. Isto porque, em parte, cresci e morei até aos 3 anos de idade numa casa muito pobre, mas cheia de amor, a casa da minha querida avó Maria, numa outra pequena aldeia no campo. Maria do Carmo, de seu nome, é a típica avó que surge nos filmes da Disney, uma senhora idosa e frágil, mas de um coração e bondade enormes. Tal como nos contos de fadas, a minha avó também me ensinou a ser bondosa, respeitar o outro, ter compaixão, a partilhar e sobretudo a amar. Fui muito feliz naquele casebre, onde brincava desde o nascer ao por do sol na natureza, convivia com os animais da quinta e ajudava nas pequenas tarefas que me faziam sorrir.
Com os 3 anos feitos, tinha chegado a altura de entrar no jardim de infância. A adaptação foi fácil, as funcionárias eram carinhosas e faziam-me lembrar de alguma forma a educação e valores transmitidos pela minha avó. Tudo mudou quando chegou a altura de entrar na escola primária. Até aquela data, só conhecia amor, carinho e bondade. Tudo se desmoronou depois, o meu conto de fadas havia terminado. A escola primária localizava-se precisamente na pequena aldeia onde nasci. Aqui as pessoas eram frias e mesquinhas e, tal como os abutres, esperavam sempre a próxima vítima para se poderem alimentar da sua dor. Não possuíam qualquer tipo de cultura e a sua vida insignificante resumia-se a um consumismo desenfreado que lhes trazia, presumo eu, algum tipo de alívio à sua triste existência.
Fui obrigada, por motivos profissionais quer da minha mãe, que trabalhava longe, quer do meu pai, que fazia turnos rotativos, a passar muito mais do que as 8 horas de escola a conviver com aquela gente tóxica. Aos 6 anos de idade, após alguns meses naquela escola e a conviver 12 horas por dia com aquela gente, vim a desenvolver uma depressão infantil. Com muita psicoterapia, consegui ultrapassá-la, mas as sequelas ficaram até hoje.
Ainda hoje culpo a minha mãe por ser ausente e egocêntrica, talvez exagere nas acusações, uma vez que esta nunca me abandonou efetivamente, mas culpo-a por me ter deixado naquele ambiente hostil, que mudou até hoje a minha personalidade e me deixou marcas para sempre.
Este é, possivelmente, o evento mais traumático pelo qual já passei até hoje e sei que provavelmente nunca irei conseguir ultrapassa-lo verdadeiramente. Hoje, em retrospetiva, percebo que a minha depressão se deveu ao facto de sofrer abusos psicológicos por parte das pessoas com quem passava a maior parte do meu tempo e por me sentir indefesa, já que os meus pais estavam demasiado longe para me protegerem. Vou contar-vos um exemplo, durante o intervalo escolar, era hábito as mães dos alunos irem à escola dar os lanches aos seus pequenotes (sim, ouviram bem), elas não tinham trabalho, então dedicavam-se inteiramente a tarefas mundanas para ocupar o seu tempo. Por incrível que vos pareça, eu era a única criança naquele intervalo que não tinha um pai ou avó por perto. Lanchava completamente sozinha, a um canto, como uma pessoa sem amigos. Além destes episódios, nunca tive sorte com as pessoas que me rodeavam que, apesar de crianças, também elas já haviam crescido naquele ambiente tóxico e mesquinho e conseguiam ser realmente más. Uma vez, obrigaram-me a pisar cocó de cão sob a ameaça que iriam dizer aos meus pais que eu me tinha despido em frente a um rapaz da escola (algo que constituía obviamente uma mentira) e eu, indefesa, simplesmente cedi. São feridas que nunca saram, algo que não se explica.
O ambiente familiar também não ajudava, o contraste de uma casa alegre e feliz, a dos meus avós, com a dos meus pais era enorme. Contextualizando, irei descrever-vos brevemente a minha mãe: uma senhora aparentemente simpática e comunicativa, de boa aparência que possui um emprego estável. A realidade: uma pessoa completamente desequilibrada a nível mental que possui algo a que eu classifico como o transtorno dos transtornos, isto porque ela apresenta traços de várias condições psiquiátricas e não há forma de lidar com isso. Primeiro, viciada em compras – o meu pai tem um bom ordenado e ainda assim conseguíamos passar dificuldades todos os meses – depois, acumuladora compulsiva – estão a ver aqueles programas em que as pessoas têm a sua casa amontoada de lixo até ao teto? – sim é isto mesmo, a diferença é que há pessoas aqui para arrumar a casa e que deitam efetivamente as coisas para o lixo. Além disso, é uma pessoa extremamente egoísta e egocêntrica, com características subtis de narcisismo – achar que tem sempre razão, os seus problemas são os piores do mundo, enfim. Isto foi um pequeno resumo, ah e esperem, ela também tem características típicas de síndrome boderline, quando uma pessoa explode por coisíssima nenhuma. Estão a ver o filme aqui em casa não estão?
O meu pai, uma pessoa calma, pacifica, muito perfecionista. O seu maior defeito, ter a minha mãe como sua mulher. É triste dizer isto, mas é verdade.
Depois da depressão infantil, a minha vida não ficou mais fácil, pelo contrário, virou uma catástrofe. A mudança da escola primária para o ciclo poderia ter sido uma experiência positiva, já que iria conhecer pessoas novas, talvez melhores que as anteriores. Isso foi, em parte, verdade, porém o problema é que eu era uma criança muito feia. Quando digo feia não estou a exagerar, cheguei a receber o prémio de rapariga mais feia da escola (a sério), houve um concurso amador feito pelos rapazes da minha turma, que fizeram questão de me fazer chegar o prémio. Desde aí, o clima era terrível, rapazes a gozarem comigo, raparigas a excluírem-me porque não iriam ser amigas de uma pessoa terrivelmente horrorosa, cheia de borbulhas pustulentas na cara e dentes tortos e amarelos.
Quando a puberdade acabou, as coisas começaram a melhorar, e muito. Deixei de usar óculos, deixei de ter borbulhas, o patinho feio tinha deixado de ser assim tão feio. A minha vida deu uma volta de 360º, conheci os amigos que tenho até hoje e estou muito grata por este percurso, apesar de todo o sofrimento que passei durante os meus primeiros 14 anos de existência.
No entanto, de vez em quando, surge esta angústia, esta dor que não desaparece, esta ânsia por culpar alguém, que na realidade não existe. Julgo que não serei capaz de ultrapassar todos os traumas a 100%, mas gostaria de os esquecer, nem que um bocadinho. Há dias que olho para um objeto e subitamente lá surge uma memória ou outra associada a um dos muitos episódios de trauma vividos na infância. É algo que me afeta e afetará para sempre, mas também é algo que me define enquanto ser humano. Sinto-me, apesar de tudo, orgulhosa por ter ultrapassado tudo sozinha e ter conseguido tornar-me na pessoa que sou hoje. Já tive os meus altos e baixos, muito baixos mesmo, dos quais não me orgulho. Mas a vida é mesmo assim, uma aprendizagem. Quem nunca errou?
submitted by Pretty-Gap7378 to desabafos [link] [comments]


2020.08.30 02:32 querocafune parece fanfic mas eu juro que aconteceu

vou contar o filme que minha vida virou...
Pro contexto: eu acabei de voltar de um intercâmbio de 8meses em Wellington, na Nova Zelândia
Então, conheci esse menino na minha escola, numa aula feita pra que pessoas do mesmo ano escolar se relacionem, era uma aula de meia hora que acontecia duas vezes por semana, então não tínhamos muito contato, mas sempre sentava com ele e os amigos dele nesse tempo. Como eu era estudante internacional, não tinha muitas amizades além dos brasileiros que estavam na mesma situação que eu, então eu achava um máximo ter esse grupinho pra conversar. Enfim, entramos em lockdown em março, e as aulas online começaram, e essa aula parou de acontecer. Eu tentava fazer amizade com pessoas de outras aulas por mensagem, mas ninguém continuava a conversa... até que depois de algumas semanas eu e esse menino, começamos a conversar pelo instagram, conversávamos a cada 2 dias, mais ou menos, sobre coisas bem aleatórias, mas era alguém com quem conversar. E eu sempre fui muito devagar pra relacionamentos românticos né, mas resolvi investir nele e ver no que dava. Eu tentava flertar, mas além da falta de experiência tinha o fator idioma, flertar em inglês é uma coisa assim... complicada kkkk
Passamos 2 meses de quarentena e as coisas começaram a reabrir, obrigado Nova Zelândia!! E acabei chamando ele pra sairmos quando pudéssemos. Fomos tomar um café, e como sou do Brasil tive que honrar o estereótipo e chegar 1hora depois do combinado, me culpei muito por isso, mas no final das contas passamos um tempo bem legal juntos, mas não rolou nada. Mais ou menos uma semana depois sugeri que saíssemos de novo, e acabamos indo pro “cable car”, basicamente um carrinho que sobe um morro, mas que é um dos lugares turísticos da cidade, junto com o jardim botânico que fica no topo desse morro. Eu, na inocência, me arrumei pra encontrar ele, quando chego lá ele tinha levado uma garrafinha de água, preparado pra dar uma caminhada kkkk andamos igual notícia ruim, e eu sempre fingindo costume e não mostrando que eu estava a beira do desmaio... Obviamente, não conseguimos conversar muito, mas cada experiência é uma experiência. No final, quando já não tinha mais subidas ou descidas de morro tentei jogar um charme, um elogio, mas ele não captou minhas mensagens, um tempo depois ele disse que tinha dever de casa e foi embora na vespa dele kkkkk
Continuei persistente, porque apesar de tudo eu gostava das nossas conversas e de passar tempo com ele, e mesmo que não desse certo, seria uma amizade de um outro país, eu não tinha o que perder.
Foi aí que fomos nesse museu, “te papa”, que tem exposições interativas e é super interessante, mas eu já tinha ido lá no mínimo umas 3 vezes, então eu estava com bastante foco no objetivo kkkkk eu nunca encontrava a hora certa pra dar o primeiro passo, e ficou nisso durante o dia inteiro. Até que quando estávamos indo embora, dessa vez ele não estava dirigindo a motinha dele então pegamos o mesmo ônibus pra casa, o ponto dele era antes do meu e quando ele desceu eu não aguentei, e senti que deveria fazer alguma coisa. É aí que a produção entra em cena, eu levantei e pedi pro motorista parar o ônibus, falei que eu tinha que fazer uma coisa rapidinha e eu já voltava, aí eu desci do ônibus e corri atrás dele, ele achou que estava sendo assaltado, mas eu fui e falei pra ele que eu senti que perdi muitas oportunidades de fazer isso durante o dia mas que eu tinha que fazer isso, aí perguntei se eu podia beijar ele, ele disse que sim!!! Voltei pro ônibus e a cara do motorista foi muito boa, ele viu tudo pelo retrovisor kkkkk DETALHE, tava chovendo.
Depois conversamos por mensagem, e eu falei que não sei de onde eu tinha arranjado coragem pra fazer aquilo, mas que eu estava muito fez de ter feito.
Na segunda-feira, combinamos de encontrar depois da aula, acabamos indo pra casa dele e conheci a mãe dele kkkk fiquei meio sem reação, não sabia o que fazer, foi super bizarro, mas de novo, cada experiência é uma experiência né? A mãe dele saiu e ele tentou me beijar, mas eu travei tanto que não consegui, ele coitado ficou super confuso, e eu comecei a tagarelar sobre timidez, insegurança, umas coisas nada a ver, tentando me justificar... Ele só ficou mais confuso, resolvemos então dar uma volta e fomos comprar pão, fomos num parquinho e comemos lá... Conversarmos e tava tudo muito bom, mesmo eu tendo tornado tudo muito constrangedor. Cada um foi pra casa e ficou aquele clima estranho, mesmo ambos querendo a mesma coisa.
Mais tarde mandei mensagem pra ele falando sobre minha mania de auto-sabotagem, e que tudo tava sendo tão bom que alguma coisa em mim me dizia que tava errado, então eu estraguei tudo. Ele não entendeu direito, então só falei pra que a gente ignorasse tudo o que eu falei e continuar do jeito que tava antes kkkkk
Dia vai, dia vem e esse amigo dele deu uma festa, um dia antes de uma viagem que eu iria fazer, mas eu fui mesmo assim. Fui com uma galera da minha outra aula, e já tava me sentindo mais confortável, até que eu chego na festa... Uma coisa bem maluca kkkk tinha uma fogueira com sofás em volta, uma garagem com colchões e bebidas, uma caixa de som, e gente usando vape. Até aí tudo bem, encontrei ele e as coisas tavam indo na paz, tirando a parte em que tive que ensinar ele como eu beijava de língua, que foi um pouco constrangedor mas que no final deu tudo certo, a gente se encaixou e ficamos agarradinhos perto da fogueira, porque tava muito frio! Até que um doido resolve tirar o próprio sapato, colocar vodca pura dentro e beber... pois é, como reagir? Ok, algumas horas se passam e esse menino do sapato, surpreendentemente, começa a passar muito mal, então deitam ele em um dos colchões e eu falando pra darem água pra ele... Não sei o que rolou, voltei pra perto da fogueira, não ia dar uma de baba pra alguém que eu nem conheço. Até que um carro entra onde a gente tava, eram os pais do menino do sapato, tiveram que buscar ele porque ele só tava piorando...
Por causa da confusão dos pais, uma das vizinhas chegou lá pra ver o que tava acontecendo, então o menino que eu tava beijando, já um pouco alterado levanta e fala que a gente tem que sair dali pra que não me deportassem kkkk eu fui com ele, entramos num lugar muito escuro e eu comecei a ficar com medo, porque por mais que eu goste dele eu não queria morrer. Fomos parar numa estação de trem e ficamos rondando por lá por um tempo, sem saber o que tava acontecendo na festa, mais tarde a gente voltou pra lá e tinham guardado tudo, os sofás, a música, apagado a fogueira, e estavam falando que tinha baixado polícia lá... Não vi nada. Tava todo mundo indo embora, e achei melhor eu também ir, mas minha carona tinha vazado, fiquei sem saber o que fazer, então tive que ligar pra minha hostmom pra ela vir me buscar, achei que ia levar esporro, mas ela achou até bom eu ter feito isso kkkk
No dia seguinte eu fui pra minha viagem, e foi muito boa, conheci gente nova e fiz coisas que nem acreditava que faria, inclusive pular de avião e de bungee jump! - mas agora, a história é sobre meu romance clichê
Quando eu voltei marcamos de encontrar várias vezes, e tudo tava sendo lindo e cor de rosa... conheci a família dele, até a vó kkk e ele a minha hostfamily. Eu tava nas nuvens.
Porém, com toda essa complicação do covid, minha data de volta tava sempre mudando. Até que confirmaram meu voo pro dia 29 de agosto, ok, me planejei organizei o que eu iria fazer. Só que uma semana antes me ligam avisando que mudaram a data mais uma vez, só que dessa vez pra 4 dias mais cedo! Eu entrei em pânico, por mais que 4 dias parece pouco, mas é muita coisa... Tive que remanejar tudo, remarcar as despedidas e tudo mais. eu tava muito emocional, chorava por tudo.
Até que um dia nessa última semana, eu tinha acabado de jantar e estava brincando com as crianças da minha casa, ele me liga e pede pra que eu fosse lá fora, fiquei super confusa, mas eu fui. DETALHE, tava chovendo também... Eu perguntei o que ele tava fazendo ali e ele disse que tava fazendo uma corrida noturna e que eu não poderia ir embora sem que ele falasse isso, foi aí que ele disse que me ama... Eu fiquei em choque, não tava caindo a ficha de que isso tava acontecendo, eu perguntei se ele queria entrar, tomar uma xícara de chá, sei lá... Ele me disse pra pensar sobre isso e que tinha que ir embora, então ele saiu correndo. Eu voltei pra dentro e não conseguir pegar no sono. depois, mandei mensagem pra ele falando que eu não esperava por isso e perguntei se ele tinha certeza do que ele tinha falado, conversamos bastante mas eu ainda não conseguia engolir, mesmo com ele sendo incrivelmente perfeito em tudo que ele falou pra mim. Na manhã seguinte tive minha sessão de terapia semanal, ouvi umas poucas e boas de como eu negava o amor dos outros, de como eu achava que por eu não me amar ninguém seria capaz de fazer isso... E cada palavra valeu a pena, quando acabou disse pra ele que queria ver ele, e de noite fomos pra cidade, e com toda certeza foi uma das melhores escolhas da minha vida. Jantamos pizza e caminhamos por todo lugar, e quando tava chegando a hora dele ir embora não deu, e comecei a chorar, me abri pra ele e disse que também amava ele, e ficou assim, os dois boiolas chorando num ponto de ônibus, olhando um pra cara do outro. Mas por mais triste que eu tava, me senti muito bem de estar vivendo aquilo. Levantamos e continuamos a andar pela cidade, dando sempre uns intervalos pruns beijinhos...
Então ele teve que ir embora, e quando ele deu partida na motinha dele eu gritei pra todo mundo ouvir que eu amo ele! Comecei a chorar de novo, muito muito mesmo, não só por ele, mas por tudo que eu vivenciei naquele país, vida, morte, conexão, solidão, despedida, saudade, amizade, amor, tudo que faz a vida valer a pena e como muitas vezes já pensei que nada disso valia a pena. Esses 8 meses me ensinaram o que é estar vivo, e sou muito grata por ter aprendido isso!! nessa minha profunda reflexão, meu ônibus chegou, e era um ônibus de dois andares, eu que não vou boba nem nada fui pra frente da parte de cima, chorar ainda mais e fazer esse filme ainda mais clichê...
Até que enfim, chega meu dia de voltar pro Brasil, ele foi no aeroporto se despedir, e eu não passei um segundo sequer sem chorar, desde Wellington até BH, quase 3 dias de viagem e de muitas lágrimas...
A gente tem conversado todos os dias desde que cheguei, e sinto muita falta dele, mas ainda fico com receio de expressar tudo isso e ficar ainda mais triste com a situação, não sei como começar a conversa sobre o que vai acontecer entre a gente, se estamos em um relacionamento a distância ou continuarmos nos amando só que em forma de amizade, se ele toparia um relacionamento aberto, ou sobre o que ele planeja pra nós... Tenho medo de conversar com ele sobre tudo isso e estragar o que a gente tá tendo agora, porque por mais que exista a distância ainda sei que ele está lá pra mim do mesmo jeito que estou aqui pra ele...
E é isso, só queria abrir minha história a debate mesmo. Valeu aí...
submitted by querocafune to desabafos [link] [comments]


2020.08.24 03:06 zephrot Diário de uma queda

Meu primeiro conto senão me engano, 8 anos atrás, resolvi revisar e mudar ele, masss antes disso quis postar a versão antiga antes da nova surgir, acho que é o certo a se fazer, espero que você ache minimamente interessante. :)

"Você é puro? Livre de pecados? Pronto para estar perto do nosso e único Deus? Se sim, zephyr É seu lugar"

Essa frase foi lançada desde o dia 1 de zephyr, uma bela mentira lançada para encobrir uma cidade podre por dentro, o que supostamente seria um templo no céu se tornou o túmulo de muitos, fora da casa em que me encontro ouço os sons de tiros e gritos, resultados da revolta contra o profeta, o cheiro de sangue invade pela janela, a cada poucos segundos ouço gotas de sangue e gemidos vindo de Arthas, o desgraçado demora pra morrer.
Não que isso seja ruim, demorei 10 anos para encontrar e matar o filho da puta, e ainda não me sinto satisfeito, não depois do que fizeram com minha família.
Dizem que acordar com uma visão do céu e sinal de boa sorte… creio que se isso fosse verdade eu teria sorte por toda minha vida.
Crescer nas nuvens teve suas alegrias, momentos perfeitos naquela cidade utópica criada pelos ideais de um fanático, uma cidade livre de pecadores, livre de raças inferiores, ali nos estávamos perto de Deus e ele perto de nos. Zephyr era seu nome, a joia do céu, a cidade livre de pecados, sua historia de origem? Bom, a real historia eu fui descobrir depois de muito tempo, mas a versão que nos era contada por nossos pais era a seguinte:
"Décadas atrás, quando o mundo estava perdido em guerra, uma criança nasceu em meio ao caos, uma criança que viria a ser nosso profeta, aquele que fundou nossa joia, nossa Zephyr. Sua infância perdida em meio a violência, se fez homem cedo e buscou em Deus refugio, e nosso amado Deus não deixaria tal criança sofrer em vão, a essa mesma criança foram dadas visões, visões na quais se via Zephyr. já como jovem iniciou a busca pela terra prometida ate se dar conta de que ele seria aquele que iria construi-la. E assim ele achou a entidade, o espírito do oeste, aquele que nos mantém no ar"
Se você achou vago, não se assuste, ele fez de tudo para deixar a narrativa aceitável, talvez tenha falhado em deixar convincente porem mesmo assim todos aqueles em Zephyr eram fiéis ao seu profeta... Pelo menos ele assim pensava. A historia não esta totalmente errada, na época como criança eu mesmo acreditava e orava pelo profeta, mas me perdoem, eu era tolo, e como tolo eu errei.
Com amor: Donnie
O cotidiano da minha infância seguia uma rotina bem simples, durante a semana aulas do começo da manha ate o fim da tarde, sábado passeios ocasionais com colegas de classe, aos domingos sempre tínhamos a santa missa, a qual todos os moradores de Zephyr eram obrigados a ir, isso resume minha vida desde os 8 aos 15 anos, mas uma hora ou outra a realidade bate em nossa porta.
Dia 30 de julho sempre foi uma data especial em minha casa já que marcava tanto o casamento de meus pais quanto o aniversario de minha irmã, Angie, ela era a nossa luz de cada dia, não importava o que acontecesse ela sempre sorria, sempre nos alegrava. Meu nome é Donnie, junto com Angie e meus pais Magnus e Cristine nos éramos a família Carter, uma família até que bem respeitada em nossa cidade, meu pai sendo um conhecido arquiteto e minha mãe uma dona de casa muito conhecida por seus doces, éramos em geral uma família feliz que ate esse ponto não tinha sido tocada por aquilo que Zephyr escondia.
Nossa cidade tinha uma ligação com o mundo terrestre graças aos dirigíveis, e logo abaixo de Zephyr havia uma pequena ilha onde ficava um terminal de abastecimento para nossos meios de locomoção além de uma pequena praia onde famílias podiam ir visitar e passar uma tarde agradável na areia ou no mar, contudo esse era o limite que o Profeta nos deu, qualquer contado maior com o povo da superfície podia nos influenciar no caminho do pecado, entretanto não era incomum nossa pequena ilha no meio do mar ser visitada por pessoas de grandes países, que são em sua maioria cheios de cidades, as que mais ouvíamos falar quando crianças eram Nova Iorque, Londres, Paris, e de um pequeno pais chamado Cuba, também não era incomum pessoas de cor aparecem por lá, mas logo eram detidas, pois de acordo com o Profeta, Deus marcou os pecadores com cores e características diferentes das nossas para que assim não nos envolvêssemos com o tipo errado de amizade.
Agora que expliquei o que e como funcionava a ilha, voltemos ao ponto em que parei, naquele dia para comemorar seu aniversario Angie quis descer ate a praia, ela amava a agua, desde pequena não gostava quando nossa mãe a tirava da banheira, ela era uma criança tão pura, fazendo seus 12 anos naquele mesmo dia. Como era seu aniversario meus pais não tinham como dizer não, escolhemos o primeiro dirigível das 9 da manha e descemos ate a praia, um detalhe muito importante era a maneira como minha relação com Angie funcionava, não era a típica relação de irmãos onde sempre há brigas, nos sempre apoiamos um ao outro, não importasse o que fosse, era tudo tão lindo ao lado de minha irmã, nosso percurso no ar levou cerca de 10 minutos, a excitação dela era palpável no momento em que ela viu o mar, meus pais como sempre abraçados e sorrindo ao ver o sorriso em seu rosto, pode parecer que meus pais não me davam bola, mas aquele dia era deles e dela, e eu me contentava por vê-los felizes, isso era mais que suficiente para mim, ao desembarcar no hangar de pouso a primeira coisa em nosso campo de visão foram as lojas da ilhas, um verdadeiro parque de diversão para Angie, só não era o mesmo para o bolso do meu pai.
Nossa primeira parada foi o carrinho de sorvete, uma tradição de nossa família toda vez que íamos ate lá. Angie avistou um vestido florido cheio de cores numa loja próxima, creio que ao ver isso a carteira de meu pai já começou a se preparar, devo mencionar que nos não éramos pobres, mas também não ricos como os Lannis ou os Bariens, mas vivíamos bem só que meu pai era mão de vaca mesmo. Creio que não seja necessária uma descrição detalhada de nosso dia na praia, comemos um belo café da manha, meus pai ficaram na areia abraçados enquanto eu e minha irmã estávamos no mar, pouco depois almoçamos ali mesmo na areia, a única parte realmente relevante dessa tarde foi que o capitão da guarda de Zephyr estava por perto e veio nos cumprimentar, seu nome? Arthas Lannis, um membro de uma das famílias mais ricas de zephyr, aquele filha da puta, pode ter demorado mas ele teve o que mereceu. Quando começou a escurecer meus pais decidiram que já era hora de irmos, e assim pegamos o próximo dirigível de volta para nossa cidade nos céus.
Lembram do amor de minha irmã por rosas? Eu não podia deixar isso passar em branco, assim que chegamos em nossa casa, pedi ao meus pais se poderíamos dar uma volta enquanto eles descansavam (eu sabia que eles queriam um tempo a sós) então foi fácil convencer eles, assim que eles liberaram saímos de casa, queria leva-la aos jardim da ilha do cardeal, esse era o bairro onde os membros do culto do Profeta moravam, então tínhamos que entrar as escondidas, mas valia a pena, eu sabia qual seria a reação dela ao ver o mar de rosas vermelhas daquele jardim, atravessamos a ilha onde nosso bairro se encontrava e fomos pela ilha comercial chamada de Lazaro, caso esteja confuso entender nossa cidade era dividida em ilhas flutuantes interligadas por bondinhos ou pontes, existiam dezenas de ilhas com vários tamanhos e utilidades diferentes, mas a mais imponente de todas era a ilha do Iluminado, chamada assim já que seu único habitante era ninguém mais ninguém menos do que o Profeta, entretanto não era permitido perambular perto daquela ilha, e isso nem mesmo eu ousava desobedecer, ao chegar na ponto que ligava Lazaro com Cardeal, tomamos cuidado para que ninguém nos visse e assim adentramos a ilha, ao passar pelo portao rodeado de madressilvas, logo ali na nossa frente, estava o que prometi a Angie, o mar de rosas mais lindo que jamais fora visto, lhe avisei que podia pegar apenas uma rosa para levar de lembrança, ela escolheu uma linda rosa vermelha bem gorda e sem nenhuma mancha. Ali estava ela, em pleno êxtase de animação ao segurar rosa em suas mãos, contudo, a realidade sempre bate em nossa porta não e mesmo? E foi assim que ela bateu na nossa. Um grito não muito longe de onde estávamos no alertou de que algo estava errado, puxei minha irmã pela manga e fui o mais rápido e silencioso possível em direção, esse foi meu primeiro erro, e paguei caro por ele, sem perceber acabei nos levando em direção do grito, ao chegar na intersecção das ilhas, bem em frente da ponte havias uma figura escura mesmo sendo iluminada por um poste, atrás dele um pouco retorcida havia uma criança chorando baixo, três homens carregando armas surgiram na frente do homem escuro, que mais tarde soube que na verdade ele era um afro descendente, o mais chamativo dos três homens que surgiram ira o conhecido Arthas Lannis.
Arrastei Angie comigo para trás de um banco perto da ponte, pensei que fosse ser possível esperar ali ate o que quer que fosse acontecer ali acabasse, esse foi meu segundo erro, mesmo de não muito perto pude ouvir a conversa entre eles:
– Por favor, minha filha e inocente, deixa-a ir – o tom de suplica em sua voz pegou de surpresa.
– A deixar ir? Ela carrega sua cor, a cor de um pecador, pelo bem de Zephyr não posso permitir esse tipo de gente em nossa cidade – quem falou isso? O capitão Arthas em pessoa, cuja frieza soava cortante.
– Meu Deus, protegei seu servo.. – antes dele prosseguir Arthas o acertou com uma coronhada.
– Quem você pensa que e para pronunciar o nome de Deus em vão? Raça imunda – uma segunda coronhada, dessa vez a menina começou a chorar de verdade. – Vão para o inferno, lugar onde o resto da sua raça te encontrara em breve. Guardas..
– Porque? – tanto eu e os guardas não sabiam em que reparar, na pergunta, ou na pessoa que a fez – Porque fazer isso com eles? Ele só esta protegendo ela – lá estava Angie, segurando sua rosa com ambas as mãos na espera de uma resposta;
Arthas foi quem se recuperou antes e disse:
– Vá para casa pequena, você não tem nada a ver isso – não havia cortesia em sua voz, aquilo tinha sido uma ameaça velada, infelizmente Angie não recuou, pelo contrario, enfrentou novamente o capitão se pondo na frente do homem escuro. – bom você não me deixa escolha criança – não havia hesitação em sua voz, ele nem sequer sentiu qualquer remorso – Guardas – lá estava eu paralisado, tanto por medo quanto pela própria cena em si – Apontar – minha voz não saia, nada que eu falasse ou tentasse pelo menos fazia, eu fiquei lá, parado, sem a mínima reação, esse foi meu terceiro erro, nesse meio termo, minha irmã com suas mãozinhas delicadas encaixou sua linda rosa no cano da arma do capitão, e mesmo assim, mesmo diante dessa cena não houve um brilho sequer de piedade em seus olhos, naquela horas eles estavam mais escuros do que nunca – Fogo.
Eu gritei, ao som do comando de Arthas eu gritei, mas voz nenhuma saiu, tudo o que consegui ver, foram pétalas queimadas daquela linda rosa boiando em um pequeno mar de sangue.
submitted by zephrot to u/zephrot [link] [comments]


2020.07.08 14:56 xDark0x Levei um fora da minha ex que ainda amo

Olá! Então, é minha primeira vez aqui escrevendo, e estou um pouco nervosa pois nunca fiz isso antes, tenho dificuldades em falar sobre o que sinto e tal, mas chegou à um ponto em que realmente preciso desabafar. Vou explicar tudo com datas pra ficar mais fácil. Ultimamente venho passado por uma série de eventos os quais me deixaram muito mal. Tenho uma ex namorada, a primeira e única com quem me comprometi até hoje (tenho 18 anos), em março de 2018 conheci ela através de uma amiga e desde então nos demos muito bem. Desde que a conheci já despertou um interesse e sentimento em mim. Tínhamos várias coisas em comum, gostos musicais, forma de ver o mundo e afins. Logo nos tornamos muito próximas, confiavamos tudo uma na outra e após uma jogada de charme aqui, umas coisinhas românticas ali (kkk) Consegui conquista-la. Isso em junho. Namoramos por 6 meses, muito felizes, mas devido uma interferência da família dela, que ficou sabendo de nós duas por intermédio de uma professora do colégio que conhece a mãe dela, (fdp fofoqueira) tivemos que nos separar. A mãe dela me contatou e com base em ameaças de contar à minha família, me fez confessar nosso relacionamento. Depois que o sangue esfriou e fiquei "mais calma", me senti muito mal, pois senti que à traí, me senti mal por acreditar na mãe dela (que considerando a pessoa que é não merece confiança) que disse não fazer nada com ela se eu falasse tudo. Paramos de nos falar, e como já era dezembro, estavamos de férias e não nos víamos (só tínhamos oportunidade de nos ver na escola). Só no ano seguinte, no primeiro dia de aula consegui contata-la e descobri da forma mais dolorosa possível que não sentia mais nada por mim e me odiava pelo que fiz. Me senti péssima, por ainda à amar e pela situação em si, que não saía da minha cabeça. Tivemos só essa conversa e depois nos distanciamos novamente (por escolha dela). Lá pra junho do ano passado, ela começou a dar sinais de querer voltar a falar comigo, depois de longas conversas sobre esse assunto, finalmente nos entendemos, mas não totalmente da forma como gostaria. Ela disse novamente não me amar mais. Foi doloroso, mesmo já tendo ouvido-a dizer antes. Ela estava passando por momentos terríveis com a família. Não é uma pessoa tão fácil de lidar (a criação ajudou um pouco nisso), então falar com ela naquela época foi bem complicado. Queria ajudá-la mas ela não permitia que eu o fizesse. Arduamente fui conquistando a confiança dela, até que desabafava comigo e eu tentava ajudar da forma como podia. Aos poucos ela foi melhorando e fomos resgatando a amizade e por ainda nutrir sentimentos românticos por ela, as vezes dava umas cantadinhas bobas, mas as vezes sérias também (Claro que não no momento que ela estava fragilizada, mas sim nos de descontração, para deixar bem claro). Em setembro nos aproximamos mais e finalmente consegui com que ela demonstrasse gostar de mim da mesma forma que eu dela. Pouco tempo depois a família novamente descobriu a gente, da mesma forma que da outra vez, mas dessa, eu estava de certa forma mais forte. Bom, consegui conversar com a mãe dela sem demonstrar medo pelo menos. Chegamos à conclusão de que realmente não dava pra ficarmos próximas na escola. e em meio à isso tudo, pedi ela em namoro pela segunda vez. Dessa, não mantinhamos o contato de antes, muito raramente ficávamos juntas, já que ela era de outra turma. mas passando o tempo começamos à relaxar um pouquinho e passar ainda mais tempo juntas, sempre que podíamos, porém com mais cautela. Dessa vez, durou 2 meses e meio, de outubro à metade de janeiro. Ela terminou comigo de novo, não por deixar de sentir, mas eu estava passando por questões pessoais (que até hoje estou lidando, e que me incomoda bastante falar). Como ela além de namorada era minha melhor amiga, falei com ela por mensagem sobre o assunto, e depois de conversar, de um dia inteiro completamente estranho e nós indiferentes, eu por me sentir mal por estar daquele jeito, ela acredito que por não estar acreditando e por lamentar a situação, no fim do dia ela terminou tudo. Foi terrível pra mim, confesso que fiquei com raiva de certa forma, pois queria ela do meu lado para enfrentar aquilo, eu estava apavorada sem saber o que se passava direito na minha cabeça. Mas no fundo, por trás de tanto sentimento ruim, entendia que era direito dela. Era total direito dela decidir onde ficar e até onde pode aguentar também, nunca foi uma relação fácil, e não posso exigir de alguém o que eu faria dentro da relação sendo que somos pessoas diferentes. Ainda mantinhamos contato, mas de forma meio estranha, até que ela começou a demorar muito para responder e por fim, sumir por dois meses. No aniversário dela em maio, fiz um pdf com várias mensagens e desenhos (felizmente sou boa com desenhos) e mandei para o email dela, isso sem muita pretenção, apenas como forma de carinho. Depois de 7 dias me respondeu pedindo desculpas por não ter visto já que não olhava o email (algo totalmente válido pois também não olho hehe) e dizendo que se eu quisesse voltar a manter contato que gostaria. Voltamos a nos falar por outra rede, diferente da que nos falávamos antes, e foi tudo muito bem, ainda demorava para responder, mas não posso cobrar já que deve ter as ocupações dela, assim como tenho as minhas. Embora sempre dê aquele desapontamento e dúvida sobre ser "importante" ou não kkk. E à partir de agora voltamos ao que está acontecendo atualmente. (Estou resumindo o máximo que posso pra não ficar maior do que já está.) Há umas três semanas, em uma conversa casual ela perguntou brincando se eu ainda sentia o mesmo por ela, e eu muito envergonhada disse que sim. No outro dia, acordo com um texto dela (ela gosta muito de escrever) falando sobre amor, sobre estar apaixonada por alguém que sempre atrai ela de volta e por isso quer manter em segredo. Automaticamente me animei e fiquei profundamente feliz, "ela ainda me ama!" Pensei. E dessa vez sem eu mesma ter que correr atrás. Escrevi algo respondendo à ela e mandei uma letra de música que gostava muito pra que ela ouvisse. Ela disse que escreveu aquilo aleatoriamente, mas sabe quando você vê que a verdade não é aquilo que a pessoa diz? Enfim. Foram assim as últimas três semanas, com textos românticos que se encaixam perfeitamente na nossa história, respostas minhas, e mais textos que também mandava pra ela. Ela sempre respondia dizendo que ficaram muito bonitas as coisas que escrevi, e era o mesmo que eu dizia para os dela, obviamente direcionados para uma pessoa, mas que por conta da primeira fala dela de querer "manter em segredo" eu não entrava em detalhes, embora estivesse crente de que eram para mim. Textinho vai textinho vem, perguntei se o que ela escrevia era para alguém (Isso já confiante de mim, mas queria que "confessasse") depois de enrolar um pouco para falar, acabou dizendo e era o nome de outra garota :) Fiquei sem entender nada, não sabia como reagir. Me senti uma idiota por ter imaginado que era pra mim e ao mesmo não entendia como aquilo encaixava tanto em nós e em outra situação. Não conheço a menina, mas aparentemente não à corresponde, enfim. Me senti tão mal, principalmente por ter pensado que as coisas eram pra mim e ter descoberto de uma forma tão brusca. Fui conversar com ela para tentar esclarecer tudo e foi até bem rude ao responder. Disse que não via mais futuro em nós e não queria mais a confusão que era "estar comigo". Isso aconteceu ontem, e até agora não sai da minha cabeça. Dormi pensando nisso da mesma forma que acordei hoje e foi a primeira coisa que veio à cabeça. Não é a primeira vez que acontece situações que me deixam assim, em relação à ela. As vezes parece que estamos em um looping infinito sabe? Pois sempre passamos pelos mesmos momentos, desde os complicados, aos de investidas minhas e a "volta do amor" dela, que é algo que me deixa com muitas dúvidas por dentro, pois poxa, que amor é esse que eu preciso ir atrás? E sinceramente, isso me deixa com tantos questionamentos e angústias, eu realmente à amo, e me sinto uma idiota por isso. Eu odeio me sentir dessa forma sabe? As vezes odeio ser dessa forma. Me sinto idiota por ser tão intensa em ralação aos sentimentos, principalmente numa época em que isso é pouco levado em conta por muita gente. Ocorre um misto de emoções, angústia, tristeza... Por tudo que já aconteceu e pelo que estou sentindo agora. Tenho dúvidas reais sobre nosso fututo, não sei o que pode acontecer conosco, se podemos ficar juntas, ou se realmente estamos fadadas à seguir caminhos diferentes; e isso é uma das coisas que mais me apavora, não saber o que irá acontecer, se esse sentimento por ela vale realmente a pena ou estou apenas perdendo tempo em minha vida, numa coisa que não terá fundamento. Me sinto afogada nesse misto de sensações, sentimentos de amor e tristeza que não sei como fazer passar.
Não sei se alguém vai ler até o final porque realmente ficou enorme kkk, mas de qualquer forma já vale o desabafo. Não tenho ninguém para falar sobre isso
submitted by xDark0x to desabafos [link] [comments]


2020.06.07 07:30 Al_AkemiAndMary Eles me amam mas eu só amo um

Ola Luba, papelões vivos e mortos, animais, editores e turma que está a ver. Bem isso começou ano passado, eu tenho dois amigos homens (eu não tenho muitos amigos nesse gênero), o primeiro vamos chamar de Varls e o outro de Carls, o Varls é o meu amigo de longa data aonde eu possuo um enorme amor e apego por ele, sim sou apaixonada por Varls, já Carls eu só conheço a 1 ano e tive uma pequena queda por ele pois eu não via Varls a uns 2 anos.
Agora que vem a parte mais interessante, eu admiti minha queda por Carls, e Carls ficou meio impressionado pq toda menina que ja namorou ou iludiu ele ou era lésbica, e depois de um tempo, ele queria algo a mais comigo mas meus pais são os famosos "protetores até de mais", é o que falam, mas nesse meio tempo eu recontrei Varls, e aqueles sentimentos antes enterrados voltaram.
Contei para Carls que aquela queda por ele passou, e o mesmo começou a me xingar achando que o iludi, porém não eu sou fiel a mim mesma e aos meus sentimentos, e ele me extressou a ponto de eu xingar ele e sair como a errada da história, e assim ia eu e Carls e uma briga ali e aqui porem eu não queria nenhum tipo de intriga por odiar brigas, ai ele queria ficar comigo sendo que eu estou com Carls, e recusei e o mesmo me xingou novamente e fez eu sair como a errada de novo, sendo que eu fui educada e disse que já tinha outro alguém e mesmo assim Carls não ligou.
Mas então eu sou a Babaca da história?
submitted by Al_AkemiAndMary to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.03 22:40 Reciju Sobre aquele que pedi a ajuda de vocês

Sobre aquele que pedi a ajuda de vocês
Sei que diversos de vocês viram meu último post pedindo ajuda para Anko, como vários de vocês se interessaram e desejaram sorte me senti na obrigação de informar o desfecho de tudo, então segue a história com uma cartinha que fizemos para ela ontem :/ Espero que gostem, muito obrigado por tudo turma, vocês nos ajudaram demais <3
Data: 02/06/2020
Para nossa princesinha Anko:

Moça, hoje você partiu e como se não bastasse, levou embora parte dos nossos corações.

Tudo começou tão de repente, até agora é difícil acreditar. Você, a nossa gatinha, aquela cheia de vida e toda louquinha, um dia parou de correr, parou de brincar...

Não esperamos, sabíamos que não estava bem, então corremos marcar uma consulta com a veterinária, que de início suspeitou ser uma inflamaçãozinha no útero, porém sem exames, não dava pra ter certeza.

Não hesitamos, fizemos todos os exames indicados e infelizmente, o resultado foi inesperado. O que de início parecia ser apenas uma condição “simples” na verdade, tratava-se de um caso complexo e incomum para uma gatinha de apenas 1 ano e 9 meses, filha, você tinha 2 pedrinhas que estavam obstruindo a passagem da sua urina do rim para a bexiga. Urina acumulada no rim é perigoso, estava afetando seu órgão, correndo risco de parar de funcionar... Então, começamos a lutar por você.

Corremos atrás de tantos veterinários, todos eles ficavam surpresos; Primeiro, pelo fato de que gatinhas da sua idade não costumavam desenvolver pedrinhas; Segundo, pelo fato de que, no seu caso não era apenas em um, mas sim, nos seus dois ureteres. O famoso um em um milhão.

Nós ficamos tão desesperados, todos os veterinários diziam que o prognóstico não era bom, e que não faziam esse tipo de cirurgia... Até que então, finalmente encontramos um cirurgião com experiência nesse tipo de caso. Conversamos com ele, e não havia mais tempo, seu rim começaria a deteriorar cada vez mais sem a cirurgia, então, mesmos cientes dos riscos e sabendo que era arriscado, difícil e, por conta disso, caro todo o procedimento, autorizamos. Nós sabíamos que você era forte. Logo voltaria ao normal e estaria conosco na nossa casa!

Para conseguir o dinheiro da cirurgia fizemos uma vaquinha on-line, você nem imagina filha, muitos abraçaram a causa e de imediato nos ajudaram e doaram! Recebíamos tantas mensagens de carinho e apoio à você.... Mas, apesar disso, não tínhamos tempo, então, antes mesmo de conseguirmos arrecadar o valor necessário, tivemos fé e decidimos realizar a cirurgia. Durante todo o período Deus fez nossa fé valer e muita gente continuou nos ajudando!

O dia da sua cirurgia foi extremamente tenso, não conseguíamos pensar em mais nada, só em você, tudo que fazíamos voltava para você, nós choramos tanto e enchemos tanto, mais tanto, o saco dos veterinários, até que finalmente recebemos a tão incrível e esperada notícia: Nossa menina havia passado pela cirurgia, as duas pedras foram removidas e ela parecia estar ótima! Acordou comendo e tudo mais. Nossa, ficamos tão felizes! foi a primeira noite que conseguimos dormir desde que tudo começou.

O Pós-operatório só nos deixou mais animados, no primeiro dia você já demonstrava uma avanço incrível, estava comendo, tomando água, URINANDO! No seu segundo dia puderam remover suas sondas, e novamente, uma notícia incrível de que continuava urinando normalmente e todos os exames estavam ótimos! E ainda nos informaram que no dia seguinte já poderíamos te levar de volta pra casa, filha!!!

Nós ficamos tão felizes, estavamos com tanta saudade e finalmente teríamos você de volta! Naquele dia acordamos cedo e arrumamos a casa toda para te receber. Pra evitar qualquer risco de você fazer uma loucura e abrir os pontos, tiramos todos os móveis da sala que você pudesse subir, colocamos o colchão no chão pra continuar dormindo na nossa cama, colocamos as mantinhas que você mais gostava, compramos todos os medicamentos e equipamentos indicados que precisaria.... Estava tudo tão perfeito pra você, princesa. A nossa sala virou um quartinho todo adaptado à você.

Quando chegou em casa, meu Deus, foi uma festa! Assim que pisou no chão, correu para o nosso colchão, e se jogou de barriga pra cima para que nós pudessemos acariciar sua barriguinha, do jeitinho que você sempre amou... Aquele sábado passou voando, a tarde toda cuidamos de você, dando comida, água, levando pra usar a areia... mas você parecia querer só uma coisa, ficar deitadinha com a gente. Achamos que pudesse ser pelo fato de ter recém saído de todo aquele estresse. Então, cochilamos nós três, com você no nosso meio o tempo todo, o mais próximo possível. Você estava com saudade, né? Nós também!

Mas, infelizmente, a noite chegou. Apesar de estar tomando água normalmente, não foi urinar, nenhuma gota... e ainda se recusava a comer. Ligamos desesperados para a veterinária e fomos orientados para o que deveríamos fazer. Aquela noite foi longa, ficamos acordados o tempo todo, te levávamos para a areia, para a comida, e infelizmente, nada! Sofremos tanto, ficamos tão desesperados... logo na manhã seguinte ligamos novamente para a veterinária, que foi te visitar em casa. Ficamos horas te analisando após as aplicações das medicações.... E aí, nada! nenhuma alteração... Tudo parecia desabar novamente, você, nossa filha, ainda estava doente.

Fomos indicados a te levar novamente para a clínica, você não gostou nada da ideia de deixar nossa casa, não queria entrar na caixinha de transporte, lá na clínica começou a miar alto, como quem não queria passar por aquilo novamente, mas não tínhamos escolha, era sua saúde que estava em risco, princesa! Chegando lá, nos informaram que fariam um Raio X imediatamente e que você ficaria mais um dia internada.

Saímos da clínica, e ao chegar em casa sentimos tanto, MAS TANTO! a sua falta que, sem nem pensar duas vezes, decidimos voltar na clínica pra te ver, fomos no mesmo segundo. Chegando lá nos falaram que você estava extremamente brava e não deixava nem que tocassem em você. Engraçado que bastou só entrarmos na sala de internação e chamarmos seu nome pra você mudar completamente.

Só de lembrar de você correndo para baixo dos nossos braços deitando a cabeça pra descansar, nos da muita vontade de chorar... sabíamos que você queria ficar com a gente, a gente também não queria desgrudar de você, mas o horário de visitas estava encerrando, e tivemos que ir embora com muita dor no coração.

Apesar de tudo, acreditávamos que logo daria tudo certo e você retornaria... Alguns minutos após saírmos, a veterinária nos informou que o exame seria analisado e laudado logo pela manhã, e que se tudo estivesse em ordem, poderia voltar já no dia seguinte pra casa. Nesse dia dormimos tão esperançosos...

Logo quando amanheceu, recebemos uma ligação da clínica. Eles disseram que você estava bem, estável, e que o Veterinário responsável pela cirurgia inicial queria falar conosco. Fomos prontos para te trazer de volta, tínhamos certeza que você receberia alta! Mas, ao chegarmos lá, percebemos a cara do cirurgião e nossos corações dispararam. O Dr. nos explicou o resultado do seu novo exame, tinha um acúmulo grande de líquido em seu abdome e seu estado clínico havia regredido muito rapidamente... Nos falaram sobre um a necessidade de fazer um novo procedimento, que permitiria que eles analisassem melhor as complicações e suas causas, para saber os próximos passos. Mas, não foi uma escolha nada fácil aprovar esse procedimento... Como teria que passar novamente por um procedimento cirúrgico, nós que tivemos que decidir entre fazer ou não fazer. Se não aprovássemos, suas chances de vida seriam muito baixas caso fosse uma complicação decorrente da primeira cirurgia. Porém, se aceitássemos o procedimento, você passaria novamente por uma anestesia, e como estava fraquinha seu corpo poderia não responder bem... Era arriscado! Mas, todos lá orientaram que o mais indicado seria optar por fazer. Resolvemos passar te ver antes de decidirmos, lá na salinha de internação você estava tão diferente, não conseguia nem levantar, só respondia com miados quando falávamos com você... fomos obrigados a aceitar o procedimento, não podíamos deixar nada de mal acontecer com você naquele ponto! Aguardamos a tarde inteira, o procedimento atrasou, foi outro dia longo e tenso! até que recebemos uma ligação dizendo que tudo tinha dado certo, e que você acordaria dentro de algumas horas da anestesia. Nós te visitamos enquanto dormia, conversamos baixinho com você, fizemos carinho, e uma hora ouvimos seus miados bem baixinhos e sem força de volta... até vimos você tentando mexer uma patinha pra tentar nos receber... Fomos para casa com esperança, torcendo pra que saísse logo de lá. Até que... 2h da manhã, do dia 02/06, recebemos a pior notícia de nossas vidas.

Uma parada cardíaca... não conseguiram salvar sua vida. Desmoronamos. Ficamos (e ainda estamos) sem chão. Só podia ser mentira... Saímos correndo para te ver. Quando chegamos não acreditávamos no que víamos, nossa filha, infelizmente havia mesmo nos deixado.

A ficha até agora não caiu, colocar sua mantinha e seus brinquedinhos favoritos ao lado do seu corpinho sem vida foi a maior dor que já sentimos. Nunca nos esqueceremos da nossa despedida. Anko, moça... nossa menina, nossa princesa!

Hoje o céu recebe a mais incrível estrelinha do mundo. Por favor, nunca se esqueça de nós. Nunca se esqueça que te amamos muito! Seu pai, sua mãe e sua irmãzinha sentem muito sua falta e te amarão por TODA a eternidade! Pra sempre lembraremos de você com um sorriso no rosto e um grande aperto no coração. Você nos escolheu, foi amor a primeira vista, correu direto para sua mãe e logo se acomodou. Mal sabíamos que nossa vida mudaria a partir daquele momento... alí ganhamos uma companheira para todas as horas, você cuidava tanto de nós... até mais que nós de você. Jamais saberíamos que uma gatinha pudesse ensinar tanto sobre o amor, com toda sua inocência e sinceridade!

Nossa louquinha e medrosa, sempre que olharmos para as paredes lembraremos com carinho do seu parkour, se todas as brincadeiras... do pega-pega...

Saiba que te ver doentinha, sem brincar foi a pior coisa que poderíamos ver no mundo?

Hoje só queremos agradecer por tudo que vivemos, por todos as lambidas, por todas as vezes que você estava do nosso lado, por todas as noites de sono deitada coladinha, por todas as vezes que você nos recebia na porta de casa, por todas as inspeções durante a madrugada pra ver se seus humanos estavam bem, por todas as esfregadas em busca de mais carinho... todas as brincadeiras, todas as conversas, tudo! Foi mais que especial. Chegar em casa jamais será a mesma coisa, não importe quanto tempo passe, nosso amor sempre será seu.

Obrigado Anko, amamos você. <3
https://preview.redd.it/epyywn13br251.jpg?width=960&format=pjpg&auto=webp&s=6ae103e9469725aa8c67d14fb7da79c9030de63d
submitted by Reciju to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.03 05:22 gialmeidas sou babaca por não ter feito o namorado da minha “melhor amiga” dar uma aliança pra ela?

Oiiii Luba menor que 3, editores e turma que está a ver! Eu tenho uma amiga, vamos chamá-la de Laurs, que conheço praticamente desde que nasci, então sempre fomos muito amigas e por volta de 2015 eu e minha amiga Laurs estávamos numa super conexão, oh my god, tanto que pra mim era Maria no céu e Laurs na terra. E Laurs tinha um namorado, o Carls, que por ventura ficou muito meu amigo também. Eles começaram a namorar ela tinha 12 anos e todos os anos eu sempre ajudava os dois com ideias de surpresas e presentes, na maior boa vontade. Inclusive em um aniversário de namoro Carls me pediu ajuda pra ver o que Laurs queria ganhar e bolamos (eu) de fazer uma caixinha com doces, fotos e uma cartinha em forma de pergaminho. Beleza, Carls super adorou e disse “nossa eu to tão ocupado, se você puder ir comprar a caixa, os doces e revelar as fotos pra mim seria ótimo! Eu faço o texto” Num primeiro momento eu fiquei tipo “nossa, simmm super vou sem problemas” (pq eu era idiota) Mas hoje penso “????? Gente tudo bom? A namorada é sua você q tem q ir comprar” Enfim, comprei. No outro dia ele foi lá em casa entregar a carta, daí eu fui dar a caixa pra ele.. Carls disse “então.. não tem como você deixar amanhã na casa dela? É q estou muito corrido” E então no outro dia eu deixei lá, a caixa montada por mim e paga por mim também, pois ele não me pagou até hoje (56 reais). Enfim, a partir daí que entramos na real história.
Seguindo ali por 2015, acho que era aniversário de 5 anos de namoro e Laurs já havia comentado que achava uma data super importante e marcante que deveria dar um passo a mais na relação.. decidiu então que queria ganhar uma aliança e para isso eu teria que falar isso para Carls.
“Então amiga eu quero uma aliança, já tá na hora sabe e como você sempre ajuda o Carls também então nada mais justo do que você fazer ele me dar uma” E eu fiquei tipo “ahh tudo bem..” e fui falar com ele. “Oi Carls, tudo bem? Então o que tá pensando em dar de 5 anos de namoro hein? Data importante né rsrs” Carls disse “ah eu nem tive tempo pra pensar, algo simples mesmo” Daí eu falei que a Laurs tava querendo uma aliança e que ele poderia pensar nessa possibilidade, então ele falou beleza e ficou por isso mesmo. Alguns dias se passaram e Laurs veio me cobrar “e aí? O Carls vai me dar uma aliança né? Pq se ele não me der uma aliança eu vou terminar esse namoro. 5 anos já é tempo suficiente pra me dar uma aliança, você pode falar pra ele me dar uma aliança você tá entendendo né???” E eu fiquei tipo, tá né espero que ele dê isso. Fui falar com ele pela segunda vez. “Oi Carls, pensou no que eu te falei? Sobre o presente..” e então Carls disse “é pensei, acho que aliança não, muito caro e nem to com tempo pra comprar” Quando ele falou eu só pensei, então é isso gente um bom dia pra vocês pq eu tomei no **. Daí eu disse “sério Carls?? Assim, como sua amiga e como amiga dela eu queria te pedir pra pensar mais um pouco nisso e tal, acho um momento importante.. mas vai me falando no que tá pensando” ele disse beleza e de novo ficou nisso. Mais alguns dias se passaram e ela me cobrou mais uma vez “EU ACHO BOM ELE ME DAR UMA ALIANÇA, pq ele tá achando q eu sou alguma vagabunda??? Eu to falando sério, se ele não me dar eu vou terminar!” Gente o que era pra eu fazer? Comprar a aliança pra assegurar que ela ia ter uma? Pq pelo namorado parece que ela não ia ter né, tudo bom. (Desculpa minha mania de falar tudo bom e bom dia, é costume kkkkkkk) Enfim. Mais uma vez fui falar com o Carls “Oi!! E aí, alguma novidade? Pensou melhor?” Ele respondeu “oi!! Pensei sim, não vou dar a aliança mesmo não, vamos ver outra coisa” Ai eu desesperei, falei “Carls tem certeza? Eu não sei nem como te falar isso.. pelo amor de Deus nem fala pra Laurs, mas ela quer muito essa aliança e até me disse que.. eu não podia nem te falar isso, mas eu não sei mais o que fazer.. ela até me disse que terminaria se não ganhasse uma aliança. Eu gosto e torço muito por vocês, será mesmo que não tem como dar a aliança?” Foi aí que eu recebi apenas um “visualizado” e não respondido. Fiquei sem entender, mas continuei a viver o meu dia.
Horas depois Laurs me liga “COMO ASSIM VC foi falar com o Carls que eu queria uma aliança??? Você não podia ter feito isso!! O que você foi falar pra ele?? Agora ele tá te xingando toda! Falando que você acha que sabe o que é melhor para o nosso relacionamento!! Como você pode?!” Eu fiquei sem reação, sem entender. Pq ela desde o começo que pediu pra eu falar com ele e me cobrou quase todo dia que ela ganhasse essa aliança. Eu ainda escrevi um super texto pra ele pedindo desculpas por me intrometer no relacionamento deles e tudo mais, mas ele nunca me respondeu e desde então não fala ou olha na minha cara. No aniversário dela quando ele me viu lá fez questão de ir embora e causou o maior climão, foi péssimo. Desde então me afastei bastante da Laurs e foi a melhor coisa que eu fiz, pois percebi o quanto essa amizade era tóxica.
Ainda assim, fui babaca? Afinal ela não conseguiu a aliança..
submitted by gialmeidas to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.27 08:01 jotaporque primeiro amor verdadeiro, namorada, e relação sexual...

Meus caros, venho aqui na tentativa de não chorar contar brevemente o que estou passando.
Eu namorei uma garota por 1 ano e 3 meses, sendo que somente 7 meses depois de nos conhecermos ela falou para os pais, ela sempre quis manter isso discreto durante esse tempo, nao podíamos segurar muito a mão na rua, ficar em lugares muito abertos, eu só via ela uma vez por semana e as vezes nem isso, pois sempre que os país saiam ou ela tinha um compromisso ela ia e eu ficava só, a nao ser em uma festinha, quermesse, etc. Porém detalhe, ela só contou para os pais dela após ela terminar comigo dizendo que nao era uma pessoa pra namorar, mas mesmo assim me amava, e 1 semana depois veio atras de mim pedindo pra voltar alegando que nao via a sua vida sem mim, etc, obviamente eu apaixonado, voltei e namoramos "normalmente" após isso; ao mesmo tempo quero ressaltar que eu fui bastante insistente neste tempo pedindo para ela contar para os pais, eu coloquei um pouco de pressao, estava doido pra namorar de verdade com ela, não fiz por mal.
Sempre fui romântico clichê, fofo, um toque de melosidade, e eloquente no modo de tratá-la, havia um brilho nos meus olhos quando olhava, porém eu nunca vi o mesmo brilho em seus olhos, tenho a impressao de que ela nao conseguia nem olhar por 1 mimuto em mim sem desviar o olhar. Ela desde o começo falava para eu não fazer dela o meu mundo, porém eu fiz, pois ela sofria com baixa autoestima, inseguranças, medo, e eu sempre apoiei (durante aqueles 7 meses) e dei 100% de mim à ela.
Enfim, depois do primeiro término eu percebi que ela era uma pessoa extremamente orgulhosa ao ponto de as vezes só pedir desculpas quando eu pedia também, nao somente isso como eu tinha que pedir pra ela dar desculpas também. Percebi que ela não me priorizava quanto eu priorizava ela, eu nunca deixei de ficar uma semana por compromisso ou rolê meu, até com meus pais eu chegava a desmarcar, que numa discussão ela quando ficava estressada simplesmente sumia e me deixava de mãos abanando querendo resolver o problema, até eu pedir desculpas, e no maximo se eu desse gelo ela falava "vai ficar por isso mesmo?". Percebi que ela menozpresava meus sonhos, e que em quase todas as situações acima ela falava uma das 3 coisas como justificativa, que eu estava impondo e ela nao gostava disso, que eu estava jogando na cara erros do passado, e erros em geral, e que eu estava querendo mandar ou mudar ela, e falava "esse é o meu jeito".
E é ai que começei a pedir para ela mudar (na verdade até antes pedia mas nao era tanto motivo de briga assim, enfim, daí o motivo das brigas), e ela mudou do começo para este ponto, pois começou a fazer o mínimo, que seria demonstrar, mas ainda sim pedia pra ela ser mais recíproca, pra ela me escutar mais, me respeitar mais (houve uma vez que ela falou na minha cara que nao se sentia protegida por mim), pra ela me priorizar mais, pra ela parar de ser orgulhosa, enfim eu forcei a barra nesses quesitos, mas era por que eu me sentia infeliz com as atitudes dela em relação à mim, e como eu amava muito ela e estava apaixonado sentindo uma coisa indescritível, uma paz, não queria perder ela. Quero ressaltar que depois de todas as brigas, conversávamos pessoalmente, e ela chorava e dizia que iria mudar e que nao queria me perder, que me amava e me abraçava, isso quando estavamos a ponto de terminar, dizia que ia mudar, mas não mudava, eu acho que sou muito exigente tambem, não sei ao certo em o quê acreditar.
Eu fiz erros sim, fui realmente mandão, abusivo, chantageador e joguei na cara algumas vezes, fiz mal algumas vezes, mas eu sempre fui bom, toda vez que ia na casa dela eu levava uma florzinha, talvez um chocolate, fazia uma declaração, demonstrava querer ver ela toda semana, todo dia, perguntava do dia, dos planos, eu literalmente caçava ela. Portanto acho que meus erros foram, idealizar, amar e querer ser amado e cobrar demais, assim me demonstrei frágil, desgastei, cansei.
Bom para finalizar a ópera, eu não sei como terminar, só sei dizer que têm 2 meses que terminamos, ela fazia coisas por mim também, mas só em datas comemorativas como mês-versario de namoro, meu aniversário, ou quando fomos a praia juntos. Eu não sei em o que acreditar, se ela me amou, ou nao amou tanto que eu pensei, ou não me amou de verdade.
O termino ocorreu de forma muito ruim, 2 semanas antes do término tinhamos ficados 2 semanas sem se ver, por que ela ia em uma festa com a familia e uma formatura, e eu na minha rotina, numa terça tive que dar um puta corre para podermos se ver, comprei vinho barato, foi um super dia legal. Porém depois eu iniciei a discussão, sobre ficar 2 semanas sem se ver, que a minha rotina é apertada, propus nos vermos de semana, e o fim de semana ela tava livre pra ir com os pais (o que custava me chamar para ir junto? ou não ir uma vez ou outra? formaturau até entendo, pois era do melhor amigo dela), ela resistiu como sempre, falou e falei coisas que não lembro, só lembro que ficamos 2 dias discutindo e inclusive fizemos 1 ano e 3 meses discutindo, e ela falou "olha essa discussao tá apontando pra uma coisa e você sabe qual é", e eu lembro que prometi pra mim mesmo que a próxima vez que ela me ameaçasse de término ou que chegasse num ponto de quase, que eu iria terminar, dito e feito, terminei alegando nossas diferenças como principal ponto.
3 dias depois ela tentou voltar comigo falando para mudar por definitivo, eu falei que deveriamos esperar para o "dia da conversa" para decidir nosso futuro, porém numa terça ela me chama e fala que quer decidir já, eu falei que achava melhor continuar assim, entre outras coisas, ela nem relutou, não falou nada, só falou "concordo contigo". O ponto é que uns 3 dias depois eu mudei minha opinião e tentei voltar, ela falou que não, que não quer mudar, que nao queria passar por tudo aquilo de novo, tentamos manter contato depois disso mas só lembro que falamos coisas muito ruins uns para os outros, inclusive ela falou que eu destrui o pscioclogico dela com proibições (sendo que eu nunca proibi de nada), cobranças (okay, isso talvez mas eram coisas tão simples, eu acho), e comentários (eu nunca falei mal dela, nem de qualquer modo no relacionamento), e eventualmente paramos de nos falar em questão de 1 semana e meia. Foi quando eu descobri que 2 semanas após o término ela já estava falando de namoro com uma pessoa numa rede social (eu tinha bloqueado ela), e que inclusive postou seu número de celular no meio da rede social, fiquei insano e descarreguei muito ódio e energia ruim nela, mas não xinguei, e também pedi todos os presentes que dei pra ela de volta, até de aniversário, a aliança, o potinho com coisas fofas, uma meia, tudo, peguei todas as roupas que ela me deu e devolvi também. Enfim ela me bloqueou, peguei as coisas de volta, coloquei em um saco as coisas que eu dei pra ela e as coisas que ela me deu (potinho, desenho meu, etc) e martelei tudo e postei em um status. Após isso me senti muito mal, pedi desculpas à ela, e até agora nao nos falamos mais, inclusive estou até namorando uma menina nova, pois já que ela estava com papo torto, eu também decidi estar, e o meu deu certo aparentemente, mas não 2 semanas depois.
Desculpem o texto longo, mas eu não sei o que sentir, ao mesmo tempo me sinto culpado por ter desgastado ela pedindo, manipulado (por sexo, o qual nos dávamos muito bem, e mentalmente), não amado, que vivi uma mentira, remorso, ódio, amor, perdão, hipócrita, sujo, que coloquei muita expectativa, que na verdade estava tudo bem e eu estava problematizando e reclamando de tudo, eu só queria a mesma intensidade que eu estava tratando ela.
Eu não sou uma pessoa ruim, sempre tentei ser a melhor versão de mim, me deixa muito mal ver que tive determinada reaçao, atitude, não quero ser odiado pela pessoa que mais amei, só queria ser feliz. Mas ao mesmo tempo fico mal de ver que fui tratado mal e não recebi o que eu merecia.
Eu estava tão apaixonado, e eu simplesmente nunca consegui saber ao certo se ela também estava da mesma forma com o fogo dentro de si, levando a sério o namoro e pensando junto comigo, talvez por puro orgulho, mas nem isso eu tenho como saber direito pois aparentemente ela não se conhece tão bem quanto eu a conheço.
Quero poder um dia chamar ela na praça, e simplesmente dar, e receber o perdão, deixar as coisas bem resolvidas, talvez, tentar de novo com uma cabeça mais madura, um abraço reconfortante, um beijo longo, um olhar fixo, sem ódio ou amargura, nunca fui de fazer mal à alguém.
De uma coisa eu tenho certeza, eu senti, todos os sentimentos possíveis com alguém, um caminhão de sensações passou por mim, não sei se foi a mesma coisa com ela.
Quem leu até aqui muito obrigado, eu sou novo no reddit e ao escrever esse texto eu estou melhor, coloquei um pouco meus pensamentos e indagações em ordem.
submitted by jotaporque to desabafos [link] [comments]


2020.04.18 14:01 Feeling-Industry Ela me enganou?

Um pouco longo---

A namorada de um amigo de infancia me apresentou a prima dela em junho de 2019.
Se mostrou uma mulher maravilhosa, desprendida do mundo e quase independente de tudo e todos>>> me apaixonei no primeiro dia que saímos.
Até hoje sou 200% apaixonado por ela, romantico e faço tudo dentro do meu alcance.
Ela me pediu em namoro em outubro (o que me surpreendeu pq não achei que ela tava no mesmo ritmo que eu) e até então eu tava no país das maravilhas.
Ou seja, ficamos 2/3 meses antes de começar a namorar.

Acontece que um dia ela pegou meu celular e viu minha barra de notificações e perguntou se eu tinha mais de um instagram e eu disse que sim. Abri pra ela ver, pq era um fake meu que usava antigamente, ai ela foi fuçar e abriu as conversas.
Tinha conversa nesse meu fake com uma menina que conheço na vida real (a menina não sabia que era eu) no qual eu perguntava sobre como era o relacionamento dela que é polyamorous, pois não consigo entender como funciona um negócio desses, já que sempre namorei a 2.
Quando a minha mina viu isso, ela ficou puta. Achou que eu tava de caso ou querendo comer outra pessoa, que homem é tudo igual, dizia que achava um absurdo eu ser todo romantico de amores com ela e falar com outras meninas sobre sexo. Me expulsou da casa dela com todo ódio de hades.
Só que quando cheguei em casa, mandei um print pra ela dessa conversa, mostrando a data. Era de 2018. Beeeem antes dela surgir na minha vida. E ela ficou sem graça pra caralho... e depois ficou tudo bem.

Acontece que 2 semanas depois ela começou a reclamar de muita ardência pra fazer xixie a gente não conseguia transar por causa disso tb, ficava desconfortável pra ela, e ela foi até a ginecologista pedir exames e deu que ela estava com CLAMÍDIA.

Fui pesquisar sobre e o período de incubação da clamídia é de menos de um mês.
Eu sempre faço exame depois de ficar com uma garota e nunca tive NADA e fiquei preocupado de ter contraído de alguma forma e passado pra ela. Tanto que mandei mensagem pra menina que fiquei antes dela (começo de 2019) falando pra ela fazer exames (assim poderia saber se ela tb tinha).
Os meus exames deram negativo, mas tomei o remedio e o da menina também deram negativo...

Nisso fiquei extremamente pensativo: Será que a minha namorada ficou com outro cara nessa nossa fase de "ficada de 2/3 meses"? Eu perguntei pra ela se ela ficava com alguém enquanto saíamos e conversávamos e ela dizia que não, que não lembrava da ultima vez q saiu com um cara e até ficava brava por eu ter que perguntar isso... Mas cara... se a incubação da clamidia é tão curta e ela teve isso logo após começarmos a namorar ficou claro que ela ficou com alguém, certo?

O que me deixa mais chateado é ela ter ficado puta da vida com uma conversa que tive antes dela e ela achar que eu a traía enquanto ficávamos, mas omitiu/mentiu pra mim dizendo que não ficou com ng enquanto ficava comigo.

É isso... Fico em dúvidas se agora que namoramos a 6 meses vale a pena voltar nesse assunto.
submitted by Feeling-Industry to desabafos [link] [comments]


2020.02.15 02:28 carretinha O padre e A Baronesa

Em uma aldeia havia um padre conhecido pela sua piedade com os monstros. Possuídos de todos os lugares viajavam até a pequena aldeia para serem curados de seus demônios. O padre atendia em uma pequena igreja, sem bancos, feita de madeira, pintada de branco, que era quente demais no verão e fria demais no inverno. A simplicidade das instalações não incomodava aquele sujeito humilde, porém a Baronesa se contorcia de ver um servo de Deus trabalhar num lugar tão mal cuidado. Claro, isso não seria um problema se Ela não tivesse que ‘visitá-lo’ toda dia de missa.
A Baronesa, dona daquelas terras e outras na região, tentava emplacar seus novos produtos no mercado. Máquinas como o mundo nunca tinha visto, criaturas metálicas espertas, programadas para todo tipo de tarefas: limpeza, construção, cuidado com as crianças, vigilância dos escravos, mordomos e tudo mais que o cliente pudesse imaginar. Mas o povo, pobre de conhecimento e ainda mais pobre de dinheiro, olhava para as máquinas com desconfiança, viam em seus olhos amarelos e iluminados motivações ocultas e sombrias. A Baronesa, sabia o que o povo pensava de suas construções e se surpreenderia se fosse diferente.
“Esses ignorantes e imbecis, não compreendem os avanços da tecnologia! Mas de que adianta? Ainda que entendessem, nada poderiam fazer! Essa gentalha não consegue manter uma moeda no bolso. Oh, imagine! Nem que juntassem todos os pobretões de todas as aldeias da região, não conseguiram comprar um peça das minhas maravilhosas máquinas.”
O que a surpreendia era a reação dos seus pares, os sofisticados baroneses, duques e nobres, que rejeitavam com igual força suas ideias sobre a modernidade.
“Minha querida Baronesa, a senhora possui tantas terras boas, devia focar em cultivá-las ao invés de construir essas criaturas de metal.”
Para impressionar a nobreza, encontrar possíveis compradores ou pelo menos alguém que a apoiasse, a Baronesa gastava partes enormes da sua interminável fortuna com festas e mais festas. Onde as máquinas serviam, cozinhavam, faziam segurança e entretinham os convidados, sem parar, sem reclamar e sem se cansar.
No entanto os barões, duques e nobres não pareciam impressionados e tratavam com profunda indiferença as maravilhas da tecnologia. Num mundo iluminado por velas, onde moinhos de água tinham acabado de ser inventados, tais criaturas metálicas pareciam apenas uma alegoria festiva, um enfeite, algo que está ali por estar e ao mesmo tempo não existe, uma mistura estranha entre personagens bizarros de circo e mendigos de rua.
Foi durante uma missa, num dia extraordinariamente quente, agravado pelas instalações da igreja; no meio da aglomeração do povo, que se agregava mais próximo do altar para acompanhar mais um exorcismo e cura de um monstro; onde a nossa querida Baronesa se sentia absolutamente desconfortável; que Ela teve a ideia de que
“Se meus pares fecham os olhos para as modernidades, a igreja há de abri-los.”
Foi assim que irrompeu um grito pedindo atenção. O povo, até então atento a cura, voltou-se para Ela. Até o monstro sobre o altar se virou. O único que não se mexeu foi o padre, pois aquele era o momento mais crucial do exorcismo, se ele saísse do transe a alma daquela pessoa poderia se perder para sempre.
“Senhoras e senhores, desculpe-me interromper o espetáculo que é a cura divina! Todavia preciso anunciar para todos vocês, que depois de tantos anos que passamos neste lugar caindo aos pedaços, finalmente teremos uma nova igreja! A doação, claro, será feita do meu próprio bolso e construída com minhas próprias máquinas, de modo que todos só tem a ganhar.”
O povo que desconfiava no começo da fala, sorriu ao ouvir ‘do meu próprio bolso’. Mas logo fechou a cara novamente, ao ouvir ‘com minhas próprias máquinas’. Afinal, se não fossem por essas malditas criaturas de metal, os pedreiros teriam algum trabalho e receberiam o suficiente pra gastar no bar, no verdureiro e na peixaria; que faria com que a dona do bar, a moça das verduras e os pescadores tivessem mais dinheiro pra gastar no padeiro, no alfaiate e no ferreiro; e assim, sucessivamente. De modo que o pouco dinheiro pago aos pedreiros passasse pela mão de todos na aldeia, em seguida na mão de todos das aldeias vizinhas, até enfim ser pego por cobradores de impostos e finalmente se perder dentro do cofre de algum nobre.
Apesar da decepção, o ânimo geral foi positivo. Afinal uma igreja nova ainda era melhor que nada. E embora duvidassem das intenções da Baronesa e de suas criações, jamais duvidariam de sua Fé, que alegavam ser a maior entre todo povo comum. Boatos passados de boca em boca diziam até que Ela era capaz de realizar milagres, mas claro que não passavam de boatos.
Entretanto por mais fervorosa que fosse a Baronesa, a ponto de sair da sua confortável mansão no topo do Monte; descer a pé todo o morro; atravessar o rio; subir a colina onde estava a igreja; e fazer o caminho de volta todas as vezes que ia à missa, Ela ainda questionava certas ações do padre. A Baronesa, assim como todos ‘cidadãos de bem’, defendia que os monstros não deveriam ser curados, muito pelo contrário, deveriam ser caçados e mortos pelos crimes que cometeram contra Deus, pois ‘os crimes contra Deus’ eram a única explicação para tem se transformado. Isso se não tiverem matado gado, ou estripado alguém depois que assumiram a sua forma monstruosa.
Após o anúncio ninguém mais assistia o exorcismo e para o padre isso não fazia diferença, na verdade era até melhor. Não gostava de fazer os exorcismos em cima do altar ou em público, se o fazia daquela forma era por dois motivos: O primeiro, era literalmente por pressão popular, porque uma vez o povo quase quebrou a porta dos fundos da igreja enquanto tentavam espiar um ritual. E o segundo, porque aquela era uma boa forma de divulgar seu trabalho e atrair aqueles que precisam de cura. Portanto apenas um exorcismo era feito em público e só no final da missa, se ainda houvesse outros possuídos a serem curados eles seriam atendidos na parte de trás da igreja, quase em segredo.
Só depois que o demônio foi expurgado e finalmente o monstro pode olhar no espelho e ver a pessoa que era, que o padre abandonou o transe e a concentração no trabalho. E não demorou muito a saber da novidade através dos cochichos e conversas que corriam por toda assembléia:
“Onde ficará a nova igreja?”
“Será que vão derrubar essa daqui?”
“Tomara que tenha uma torre do sino!”
“Espero que não seja em cima do morro.”
“Ia ser lindo se fosse em cima do rio!”
Assim que pescou informação o suficiente sobre a construção da nova igreja, foi imediatamente contra. Jamais um único fiel deveria ser responsável pelo dinheiro e construção do templo, porque
“Um templo, assim como a Fé, deve ser uma construção conjunta. Feita pela dedicação e amor das pessoas e não por ganhos materiais ou glória pessoal. O marceneiro deveria trabalhar a madeira que o lenhador cortou e doou, para que os ajudantes usem os pregos que sobraram da construção de suas casas, para pregar juntas as tábuas. Todos trabalhando juntos, sem ninguém cobrar a ninguém, cada um fazendo e doando de acordo com o que pode e tem!”
“É assim que deveria ser construído um templo! E foi assim que foi feita essa capela.”
Esperou a multidão se dispersar e foi conversar com a Baronesa, que por sua vez estava ansiosa para contar os detalhes da obra.
“Eu agradeço sua oferta minha querida, mas um templo assim como a Fé deve ser uma constr...”
“Desculpe senhor padre, porém acredito que alguém mais competente deveria tomar a decisão. Passados mais alguns anos ou uma praga de cupins e esse lugar vem abaixo! Além disso o povo clama por um lugar mais confortável! Já lhe aviso: se o senhor insistir em recusar minha proposta, enviarei a oferta ao bispo.”
“QUE ENVIE ENTÃO! Mas saiba que nunca estarei de acordo com um templo feito tão mundanamente!”
Foi uma discussão acalorada, contudo não foi nem a primeira, nem a mais tensa delas. O padre e a Baronesa tiveram várias discussões em torno da Fé, da organização da aldeia, das leis e de outros vários assuntos. Mantinham ao mesmo tempo um profundo respeito e um certo desafeto um pelo outro, mas nunca rancor.
O padre achava que as ideias da Baronesa eram afastadas demais da comunidade e pouco preocupadas com a benevolência, apesar de estarem de acordo com as palavras de Deus. Para a Baronesa, as ideias do padre eram sempre ideológicas demais e pouco práticas, apesar de estarem de acordo com as palavras de Deus. E como era a concordância com as palavras de Deus que decidia quais eram as melhores ideias, eles não tinham critério de desempate. Costumeiramente, o padre ganhava as discussões, por ter uma posição mais próxima de Deus, mas as coisas costumavam ser feitas ao modo da Baronesa, por ter uma posição mais próxima do Governador.
No fim, o projeto foi enviado ao bispo que o aceitou imediatamente, formando uma comissão de bispos para abençoar o local da nova igreja e os objetos santos.
A planta da igreja, também incluía uma área no subsolo que seria a nova casa do padre. Ele, até então, morava num pequeno quartinho de teto baixo, na parte de trás da capela, dormia num colchão fino colocado sobre o chão, que fora presente do pescador. O cômodo também possuía ainda um fogão a lenha, montado pelo ferreiro. O banco e a mesinha onde o padre realizava seus estudos, ambos bambos, eram peças defeituosas doadas pelo marceneiro e um pouco mais afastado havia uma fossa com cabine, feitas pelo próprio padre, onde ele fazia suas necessidades.
A Baronesa foi rápida para mostrar serviço, e assim que abençoaram o local as máquinas deram início a construção. Os bispos ficaram encantados com a forma que aquelas criaturinhas de metal trabalhavam, tão encantados que se sentaram num ‘acampamento de obras’, montado pela Baronesa, para assistir a construção. Quando anoiteceu, a casa do padre já tinha o piso e todas as paredes. Logo antes de se retirarem para dormir os bispos perguntaram a Baronesa:
“Suas construções não vão descansar?”
“Ah, senhor bispo, não se preocupe, elas não precisam disso, podem trabalhar por dias seguidos. Inclusive, garanto aos senhores que a igreja estará de pé e decorada antes do dia de missa.”
Os bispos se surpreenderam com a promessa. Uma igreja como aquela demoraria ao menos três meses para ser construída por mãos humanas, se essas fossem mãos de pedreiros experientes talvez dois e meio. Porque a Baronesa falou muito bem delas, os bispos esperavam que as máquinas fizessem em um mês, tanto que a maioria deles tinha planejado ir embora no dia seguinte, menos o bispo responsável pela região que faria a primeira missa e o batismo da igreja. Contudo já que a Baronesa prometeu uma entrega tão rápida, todos resolveram esperar para realizar uma grande missa de batismo.
***
As máquinas trabalharam durante toda a noite. Elas têm a forma que melhor condiz com o seu trabalho. Sim, porque diferente das obras feitas por pedreiros, onde cada um faz um pouco de tudo, as máquinas possuem uma função específica, então necessitam de um corpo específico. Enquanto uma passa o cimento, a outra coloca os tijolos; uma ajuda a secar o cimento e, ao mesmo tempo, outra passa a massa onde o cimento já secou; uma é responsável por ajudar a secar a massa e a outra por pintar onde a massa já secou; algumas ajudam a levantar aquelas que trabalham em andares mais altos; sem falar na batedora de pregos, nas carregadoras, nas colocadoras de móveis e decoração, etc. Tudo isso é perfeitamente sincronizado, para que não se pinte onde a massa está molhada; não se pise onde o piso ainda não assentou; ou para não secar o cimento antes de colocar os tijolos.
Todavia diferente de um relógio, que para funcionar depende de todas suas engrenagens perfeitamente encaixadas, nos lugares e tempos específicos, tais criaturas trabalham de modo tão sincronizado porque se comunicam. Sim, e se comunicam de uma forma parecida, mas ao mesmo tempo muito diferente daquela dos humanos. Sua precisa e avançada ‘fala’ é composta por vários sons de *beep*, e cada máquina tem um *beep* de tom e altura diferentes. Durante a execução de uma tarefa elas ‘falam’ de forma incessante, para alertar umas às outras de suas ações, logo todas precisam conhecer a ‘voz’ uma das outras, a fim de ter uma noção sobre ‘o que ocorre onde’ na execução da tarefa.
Contudo não só na linguagem elas lembram os humanos, elas pensam, tem sentimentos, personalidades, gostam de certas máquinas e desgostam de outras. Apesar de serem fisicamente iguais e pintadas do mesmo jeito, o colocador de tijolos 36579 é alegre e festivo, enquanto o 85479 é introspectivo e silencioso, isso fica evidente em seus movimentos e também no tom e frequência de seus *beeps*. Um humano até poderia perceber isso, se pudesse observá-los atentamente durante dias, no entanto para as máquinas a diferença de personalidade entre eles é gritante. Claro, a personalidade deles pode até fazer com que ajam de forma diferente, mas de modo algum isso afeta seu trabalho, pois apesar de mover o braço um pouco mais e se agitar de vez em quando, o 36579 precisou colocar os tijolos da mesma forma e ao mesmo tempo que o 85479, para que as paredes ficassem prontas juntas.
Um humano provavelmente se sentiria desconfortável de ter que trabalhar de forma tão mecânica, sem poder imprimir sua personalidade, sua ‘marca’ no trabalho. Só que essa é a beleza para as máquinas, elas adoram ser todas diferentes e ainda assim trabalhar de jeito igual. O sincronismo as deixam felizes. Trabalhar para elas não é muito diferente de uma dança, uma dança num mundo onde todos são exímios dançarinos.
E naquele dia participaram de seu grande baile, que se estendeu por toda noite, quando tiveram de cochichar, mantendo seus *beeps* baixinhos para não acordar as pessoas humanas. Com a chegada da manhã seguinte, dançaram novamente sob o dia, cantando *beeps* mais altos, porque os humanos faziam muito barulho. E dançaram, trabalham, cantaram e cochicharam durante os dias que vieram, até que…
***
Na manhã do ‘dia “antes do dia de missa”’ a igreja estava pronta. Era grande, definitivamente maior que a velha capela. Ainda não chegava aos pés de uma catedral, porém tinha os tijolos mais bem colocados, as paredes mais bem niveladas, os únicos bancos posicionados com precisão milimétrica e um altar perfeitamente arrumado, com os todos utensílios alinhados, prontos para o início da missa.
As máquinas, orgulhosas do seu trabalho, se retiraram e aguardaram, ao lado da igreja, o despertar da Baronesa. Dispuseram-se em fileiras organizadas por função e aproveitaram o tempo de espera para conversar. Demoraram apenas 12 segundos para discutir profundamente sobre os mais variados assuntos, a comunicação delas era realmente muito eficaz. Nesse pequeno intervalo de tempo conversaram sobre: como os humanos eram estranhos, como gostaram de finalmente fazer um trabalho fora da mansão, teorizaram sobre os pássaros que cantavam na manhã, flertaram, fizeram novas amizades, planos para os próximos trabalhos, etc. Depois ficaram paradas. As mais afobadas tremiam de levinho, ansiosas para que sua Mestra dessem-lhes mais ordens, afinal gostavam muito de trabalhar.
A aldeia inteira, e boa parte das vizinhas, estava presente para a missa, que foi coordenada sobretudo pelo bispo regional, contando com as participações pontuais e diversas bênçãos dos bispos das outras regiões. Finalmente, depois de anos à frente do altar, o padre podia assistir uma missa como simples fiel e isso trazia-o boas lembranças.
Ao final da missa, e antes de conhecer sua nova casa, o padre perguntou a Baronesa se Ela havia construído um lugar para realizar a cura dos possuídos. Ela disse que não, que havia esquecido, mas os dois sabiam que o ‘esquecimento’ era proposital. Era mais provável que ela tivesse construído um abatedouro do que um lugar de cura.
“Se não construiu não há problema, eu os receberei na minha casa então.”
Em sinal de respeito, a Baronesa presenteou o padre com uma máquina ajudante, que ele só aceitou depois de muita relutância.
“Senhor padre, faça o favor de aceitá-lo, o senhor bem sabe é um tremendo desrespeito cometer a desfeita de rejeitar um presente.”
O ajudante foi instruído por sua Mestra a apresentar a casa ao padre, que levou alguns amigos e o bispo da região consigo. Desceram a escada atrás do altar, que levava à casa. Tudo tinha sido construído e organizado nos padrões mais modernos, o padre, que era um sujeito simples, não gostou da casa de primeira, desconfiava do estranho vaso de porcelana com água dentro, que ficava onde o ajudante disse ser o banheiro. Julgava que aquilo tinha intenções malignas.
Na verdade várias coisas na casa pareciam ‘erradas’, as velas nos candelabros nunca apagavam, a casa estava fresca demais para uma casa no subsolo e havia sempre uma brisa vinda de algum lugar. No final da visita, encontraram várias escotilhas bem discretas, por onde entravam ar e luz. A Baronesa podia não gostar do padre, mas queria que a casa fosse o mais funcional possível. Porém foi só depois de abençoar a casa mais de 15 vezes e finalmente descobrir como funcionava o vaso de porcelana que o padre se livrou de um certo ‘sentimento ruim’.
O ajudante era muito útil. Ele ajudava a preparar a missa, limpava a casa e a igreja, preparava comida e fazia companhia pro padre nas madrugadas. E apesar de achar estranho no começo, o padre foi, aos poucos, se acostumando com a natureza daquele ser flutuante com uma grande lâmpada amarela no meio do rosto. A máquina se auto denominava ‘Ajudante 2047’, tinha uma personalidade extrovertida e adorava falar. Isso incomodava a Baronesa que estava prestes a tirar-lhe o modulador de voz, quando teve a ideia de dá-lo ao padre. Nada poderia tê-lo deixado mais feliz! O padre era quieto e gostava de ouvir as pessoas, então tratava o ajudante com paciência, até quando ele falava demais, o que na opinião do padre não acontecia com tanta frequência, afinal a comunicação dele era estranhamente… eficaz. A maior parte das conversas eram sobre as pessoas. Apesar de nunca falar diretamente com elas, o Ajudante 2047 adorava ver seu comportamento estranho e ficava sempre ansioso para interagir, contudo toda vez que se aproximava de alguém a pessoa se afastava, às vezes com um olhar de repúdio, às vezes com um olhar de medo, mas na maior parte das vezes com uma mistura dos dois. No dia seguinte, o padre teria que encontrar e explicar para a pessoa que o ajudante não faria-lhe nenhum mal. Todavia mesmo com tantas explicações as pessoas ainda evitavam-no, então contentava-se em observá-las.
Agora que não precisava fazer todo trabalho da casa e igreja sozinho, o padre era mais visto do lado de fora, onde ajudava qualquer um que precisasse e não cobrava nada em troca, pedia apenas que comparecessem à missa. Vivendo assim, o padre e o Ajudante ajudaram-se mutuamente e logo isso virou a vida ‘normal’.
Com a reforma a igreja ficou mais famosa e a fila de possuídos cresceu, indo muitas vezes da sala da casa do padre até a entrada da igreja. Ao atender um enfermo, primeiro ele tinha de escutar suas confissões, em seguida concedia-lhes perdão e só depois fazia a oração de expurgo, para livrar-lhes. Alguns viam os sintomas da possessão desaparecem imediatamente, deixando cair qualquer escama, pêlo ou pedaço de pedra que, porventura, vieram a crescer; outros só melhoravam com o passar dos dias, mas seus sintomas iam embora sem deixar qualquer evidência. Os primeiros a serem atendidos eram aqueles que estavam em situação mais grave, ou seja, aqueles prestes a completar a transformação e perder o controle. Destes, alguns eram atendidos antes do final da missa, outros no lugar que estavam assim que fila se formava. Licantropia, glutanismo, petrificação, harpeismo e duplicismo eram os casos mais comuns, mas havia uma infinidade de outras possessões.
Um dia houve uma discussão sobre quem construiria a nova ponte sobre o rio, a Baronesa logo ofereceu suas máquinas, em troca, claro, de uma pequena contribuição da população. Já o povo queria que o marceneiro e o pedreiro fizessem a ponte. O padre, como sempre, tomou o lado do povo, pois sabia que se deixasse a construção nas mãos da Baronesa e suas máquinas o dinheiro jamais sairia dos cofres dela. Quando mandaram o impasse para o Governador, todos temiam que a Baronesa fosse ganhar, então o padre arquitetou um plano: avisou todos na aldeia, de modo que a Baronesa não ficasse sabendo, que seria feita uma missa importante no ‘dia depois do próximo dia de missa’. Durante essa missa ‘escondida’ eles arrecadariam os fundos para a ponte, que deveria ser construída antes que chegasse a ordem do governador. Assim, quando a Baronesa descesse de sua mansão no ‘dia de missa’ a ponte estaria pronta e o dinheiro continuaria entre o povo.
“Sei, senhor bispo, que este não é o plano mais honesto, mas o povo não aguenta mais entregar suas moedas à quem nunca às retorna.”
Confessou o padre, em lágrimas. O bispo apiedou-se do homem e respondeu-lhe que aquela devia ser a vontade de Deus, portanto não haveria castigo.
A Baronesa trabalhava em suas máquinas na varanda da mansão quando viu uma aglomeração na frente da igreja. Era normal que houvesse ‘missas depois do dia de missa’, Ela própria ia às vezes, o estranho era estar tão cheia. Pensou um tempo sobre o assunto, perguntou-se se havia esquecido alguma data especial, até que se lembrou da discussão e conjecturou que aquilo só poderia ser um plano do padre. Com pressa, desceu pela primeira vez o morro com suas roupas de trabalho, tomaria-a muito tempo colocar as roupas chiques, que costumava usar quando descia ao povoado. Andava rápido, porém o caminho era longo e ela só chegaria ao final da missa, mas talvez, a tempo de frustrar os planos do padre.
O padre que havia organizado a missa do lado de fora, exatamente para que pudesse ver o abrir e fechar do portão da mansão, acelerou a missa e conseguiu recolher o dinheiro antes que ela atravessasse o rio. Aflito, disse que não haveriam exorcismos públicos e que aqueles que necessitassem de ajuda deveriam procurá-lo em sua residência.
Neste dia havia um homem, que estava acompanhado de uma enorme criatura envolta num manto negro. O povo sabia que aquilo só podia ser um monstro em estágio final de transformação. A criatura era a esposa do homem e tinha sido possuída por um demônio glutão. Ao ouvir que deveria esperar ainda mais para ser curada, ela perdeu o controle, deixando-se levar pelos pensamentos sombrios que a atormentavam. Ficou furiosa, arrancou a capa que cobria o corpo e o rosto, e respondendo respondendo aos protestos do marido, que implorava para ela colocar o pano de volta , vociferou:
“Estou cansada! Estou com fome!”
O monstro era terrível, gordo, sem pelos ou cabelo, tinha horríveis bolas de pus amarelado, que se espalhavam como furúnculos por todo o corpo. Seu rosto era completamente deformado, a ausência de lábios fazia com que seus dentes e gengiva ficassem totalmente expostos. Porém a pior parte era a carne e pele que faltavam na lateral direita do torço, fazendo com que as costelas ficassem de fora e que fosse possível ver alguns dos órgão internos da criatura, mas o pedaço não parecia ter sido arrancado, não, pelo contrário, estava em formação. A carne borbulhava e parecia crescer muito lentamente, desejando cobrir as vísceras e formar o braço que faltava.
A criatura começou a andar em direção ao altar. As pessoas assistiam a cena paralisadas, em choque, horrorizadas. Ao dar o segundo passo, ela esbarrou no homem do casal à frente. O resultado fez com que o pânico tomasse conta do público, que finalmente disparou a correr em todas as direções. Primeiro, o homem ficou preso, depois seu corpo foi sendo pouco a pouco absorvido pela carne do monstro, e na medida que ia sendo ‘incorporado’ o lado direito do monstro enchia-se de carne, pele e bolhas de pus. A esposa do homem até fez um esforço para salvá-lo, mas ao ver a carne sendo derretida e sugada, vomitou e caiu para trás, para, em seguida, sair se arrastando de costas pro chão, incapaz de desgrudar o olhar do horror que acontecia em sua frente. Por sorte, o monstro a ignorou, seu olhar, faminto e furioso, dirigia-se para o padre, que preparava uma oração desde que este havia tirado o manto. Precisava do exorcismo pronto quando tocasse no monstro, do contrário seria absorvido.
Nesse momento a Baronesa já estava chegando e pode ver tudo com seus próprios olhos, furiosa, ela cerrou os punhos e começou a rezar. A criatura encarou o padre até que o corpo do homem fosse totalmente absorvido, aquela ‘refeição’ tinha sido o suficiente para formar um braço grotesco, mas não para preenchê-lo de carne, sobrara então por todo lado direito do monstro buracos, por onde se via os ossos e partes internas. Isso deu ao padre tempo para terminar o exorcismo. Semi-acabada, a criatura avançou correndo aos tropeções, como as criaturas infernais normalmente fazem, o padre só precisava tocar na criatura e fazer a segunda oração para a salvação das duas almas. O homem absorvido já estava morto, porém sua alma precisaria ser libertada e a possuída, exorcizada. Fazer isso em tão pouco tempo não seria tarefa fácil, mas tinha de tentar.
O monstro já estava perto. O padre sentia o cheiro podre, ouvia as passadas pesadas, os grunhidos inumanos, mas manteve os olhos fechados e o coração sem medo. Calculou a posição do monstro e no momento certo esticou o braço. Ouviu um grito, mas não sentiu o toque. Abriu os olhos. Sua mão estava a centímetros da criatura.
Algo estranho havia acontecido. A Baronesa tocava o monstro pelo lado, que congelado como uma estátua, tinha uma expressão de terror e tristeza nos olhos, um terror que só um possuído poderia sentir. O terror de ter seu corpo mudando a composição de carne, ossos e órgãos para cinzas, o que causava uma dor alucinante, o terror de ter sua alma sendo desmembrada, estraçalhada e destruída, o terror de saber que não vai nem para o céu ou para o inferno e sim para o vazio da inexistência, o terror de sentir tudo isso e não poder gritar.
Do lugar onde a Baronesa tocou, espalhou-se uma cor cinza por todo corpo do monstro, com uma textura que não lembrava pedra, mas, sim, pó acumulado. O padre teve tempo de ver o efeito tomando o corpo da criatura, que apesar dos pecados e da morte, possuía ainda um resquício de humanidade e tinha salvação. Também teve tempo de reparar em uma lágrima, que escorria do olho ainda não transformado em cinza da possuída. Quando foi finalmente inteira afetada pelo toque, ela se desfez e suas cinzas levadas pelo vento. A alma das duas pessoas, assim como a do demônio haviam sido completamente destruídas. O padre sabia que aquilo não era um exorcismo, era uma outra coisa, mais antiga, mais cruel, mais perigosa…
“Ela... ela lançou um sortilégio?”
Foi o que pensou, enquanto encarava a Baronesa, que estava pingando suor, cansada, ofegante, suja de terra e graxa. Ela olhou em seus olhos, mas não disse nada, apenas se virou voltando para a mansão.
Durante a noite, máquinas de limpeza desceram, para limpar o que sobrou das cinzas.
submitted by carretinha to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.11.18 19:40 marciofsrj Vanessa Vailatti

Vanessa Vailatti

Bella da semana

Vanessa Vailatti

Vanessa Vailatti 2017 - O grande dia finalmente chegou! É hora de ver o ensaio mais esperado dos últimos tempos aqui no Bella da Semana. Ela, que já fotografou para o site há dois anos e foi sucesso absoluto no mundo inteiro, agora está de volta em fotos muito especiais. Depois que fotografou pela primeira vez, após ter sido coroada a musa do concurso promovido pelo Bella da Semana no carnaval de Floripa em 2015, Vanessa Vailatti curtiu a vida, beijou mulheres, virou celebridade e chegou a ser confundida com a esposa do atual presidente brasileiro Michel Temer, Marcela, em uma história que pipocou nos maiores veículos de comunicação nacionais. Vanessinha, nossa eterna musa, deixou todos nós implorando por mais. É com muito prazer que atendemos a esses pedidos e agora vocês podem ver o resultado deste novo trabalho aqui.
Nome: Vanessa Vailatti (Vanessinha). Data e local de nascimento: 21 de abril de 1992, em Guaramirim (SC). Cidade onde mora: Penha (SC). Signo: touro.
Medidas Altura: 1,64 m. Quadril: 99 cm. Cintura: 69 cm. Busto: 87 cm. Pés: 35.
Vanessa, desde que você fotografou para o Bella da Semana a primeira vez, seus fãs não param de pedir por um novo ensaio. Qual a diferença entre esse ensaio de agora e o ensaio de dois anos atrás? Os dois ensaios foram especiais, cada qual no seu momento. O primeiro é mais especial para mim porque foi quando tudo começou, mas que esse segundo não foi menos importância do que o primeiro. Questão de experiência, claro, que neste segundo eu me senti mais segura. Já tinha mais intimidade com as câmeras.
Você continua linda, mas parece que está ainda mais bonita do que da outra vez. Alguma coisa mudou na sua rotina de treinos ou alimentação desde então? Na verdade, meu corpo mudou muito durante estes dois anos e só nós, mulheres, sabemos das oscilações que sofremos. Hoje aumentei atividades aeróbicas e vario a minha dieta. A dica é não desistir jamais!
Você terminou a faculdade de Educação Física? Ainda não terminei, não, mas está nos meus planos.
Por falar em carreira, um tempo atrás você foi confundida com a esposa do atual presidente Michel Temer. Pode nos contar um pouquinho sobre essa experiência? Foi uma loucuraaaa! Mas adorei, não é sempre que se é confundida por uma pessoa tão influente.
Qual o lado complicado da fama? Como a maioria dos meus trabalhos são sensuais e me exponho muito, o lado negativo são as criticas. São críticas não construtivas, sabe? Os famosos "haters", pessoas que não têm um pingo de bom senso, que nunca me viram na vida e se acham no direito de comentar asneira, sendo que boa parte desses críticos são mulheres. Fora o uso indevido da minha imagem, usam meu nome, usam minhas fotos para promoverem alguns sites dos quais não faço ideia da existência.
Existe muito preconceito nesse meio? Sim! Ainda existe muito preconceito. Em pleno século XXI, a sociedade é muito machista. Mesmo a humanidade se encaminhando para uma vida mais liberal, a prática é outra. Se fala muito e se faz pouco. As pessoas julgam o livro pela capa e nem sempre o que parece, é. Além do mais, não cabe a ninguém julgar. Como sempre digo, a maldade está nos olhos de quem vê. O preconceito existe de ambas as partes, homens e mulheres. Elas, por não aceitarem esse mundo sensual (as modelos sensuais) e taxando apenas as modelos de passarela como as "verdadeiras representantes da moda e sensualidade”, o que é um erro; eles por não saberem diferenciar o trabalho da vida real, achando que somos um objeto sexual, prontas para servi-los. Um eterno desrespeito!
Nas redes sociais tem muita gente te pedindo em casamento... Pensa em casar? MEU SONHO É ME CASAR! Porém, não sou uma mulher tão fácil assim para ser conquistada (risos).
Já se surpreendeu positivamente com o comentário de algum seguidor? Sim, eu recebo várias mensagens de motivação e de carinho. Uma que me chamou muita atenção foi um direct de um seguidor me falando que tinha uma doença X e que gostava da energia que eu passava. Fora as mulheres falando que se espelham em mim. Isso é surreal, gratificante.
Você é um mulherão e está solteira, apesar de ter muitos pretendentes a seus pés. O que está faltando? Está faltando vontade. O amor eu já encontrei, mas falta vontade suficiente para querer estar junto e fazer por merecer a minha companhia.
No carnaval deste ano você foi à Bahia e um portal nacional publicou que você beijou dois homens e uma mulher. Qual a diferença entre o beijo masculino e o feminino? Alguns homens se sentem muito inseguros na hora da conquista e, consequentemente, essa insegurança é perceptível durante o beijo. Acreditem, é algo interessante e ao mesmo tempo assustador. Já com relação às mulheres, somos mais envolventes e, com esse jeito mais carinhoso, o beijo se torna diferente, pois a forma de beijar é completamente outra, é macio e único. A experiência foi única, mas de forma alguma põe em duvida minha sexualidade.
Quais os seus planos para o futuro breve? Tenho uns projetos, mas nada concreto ainda a ponto de ser compartilhado. Assim que se encaminhar, eu compartilho.
Tem algum arrependimento? Nem todas as escolhas que eu fiz na minha vida me fizeram bem, porém acredito que foram necessárias para o meu crescimento pessoal e profissional. Às vezes, precisamos abdicar de algumas coisas para podermos ganhar outras. Até porque nada acontece por acaso. Acredito muito naquele ditado que diz "eu prefiro me arrepender das coisas que eu fiz do que me arrepender das coisas que não fiz".
Conte-nos a ideia de um fim de semana perfeito: um final de semana na praia (sol, calor), com amigos ou uma boa companhia, dando risada, ouvindo música boa... isso é tudo o que eu preciso para o meu dia ser perfeito!
Para fechar, deixe um recado aos apaixonados por você no Bella da Semana: meus amores, eu só quero agradecer a todos vocês meus seguidores, pelas mensagens positivas e por todo carinho. É gratificante e me motiva a continuar. Muito obrigada!
Veja Também
submitted by marciofsrj to u/marciofsrj [link] [comments]


2019.11.18 16:42 marciofsrj Bruna Jaeger

Bruna Jaeger

Bella da semana
Super ousada, Bruna Jaeger sabe exatamente o que quer! Confiante, autêntica e dona de um estilo próprio - a musa fitness luta Muay Thay e faz sucesso na internet com seu corpo todo tatuado, olhos verdes e curvas voluptuosas. Para ela, entre quatro paredes vale tudo: já ficou com mulheres, participou de ménage com amiga (e ainda falta realizar algumas fantasias). Prepare-se para perder a cabeça com o seu ensaio de estréia!
Nome: Bruna Jaeger
Data e local de nascimento: 18/08/96 - Porto Alegre / RS
Cidade onde mora atualmente: São Paulo / SP
Signo: Leão
Medidas
Altura: 1,75m
Quadril: 109 cm
Cintura: 67cm
Busto: 98 cm
Pés: 37
O que você faz para manter a forma?
Faço musculação 5x na semana, e quando consigo tempo, luto Muay Thai.
Cite alguns trabalhos que você realizou como modelo.
Fazia alguns trabalhos como modelo no sul, mas com ênfase no mundo Fitness. Sempre modelo fotográfico para academias, lojas de suplementos, já trabalhei com a Integralmédica, Nutrata, Optimum Nutrition. Fotos mais sexy é a primeira vez, demorei um pouco para comprar a ideia.
Além de modelo, tem outra profissão? Qual?
Trabalho com eventos, foi o que me sustentou até hoje (risos).
Você faz academia?
Faço sim!
Estuda? O quê?
Estudo nutrição, no momento está trancada, mas vou retomar ano que vem.
Você pratica algum esporte?
Não pratico, até tenho que encontrar algum que goste, vou ir testando pra ver.
O que você gosta de fazer no dia de folga?
Amo cinema, gosto muito de ir em parques, praças, algum lugar ao ar livre, tomar meu bom chimarrão, andar de bicicleta, aproveito ao máximo o dia, o sol, me energizo de coisas boas.
Qual seu apelido?
Nunca tive. No colégio ninguém conseguiu colocar apelidos em mim, e depois, sempre me chamaram pelo sobrenome: Jaeger.
Torce para algum time?
Sim, Internacional.
O que você te leva a loucura na hora H?
Eu gosto das preliminares, o beijo, toque... pra mim o principal é o beijo, se não for bom, já vou embora (risos)
Em qual parte do seu corpo você sente mais arrepio?
Nuca! Não consigo evitar, fico arrepiada mesmo
Qual seu estilo de música favorito?
Rock! gosto de heavy metal... acho que as tatuagens já falam por si, né? Mas sou bem eclética, escuto um pouco de tudo.
O que é preciso para te conquistar?
De primeira: estilo. Me chama muito atenção a forma na qual a pessoa se veste, depois, personalidade. Gosto de gente diferente, que tenha algo diferente dos demais, e que seja meio louquinho, que nem eu. Além do que, tem que tratar como uma princesa, gosto de mimos, carinhos, sou bem romântica.
Qual é primeira coisa que você observa em um homem?
Estilo! Gosto de um estilo bem específico, se tem tatuagem então... já ganha pontos.
Defina sua personalidade em três palavras...
- Otimismo
- Confiança
- Autenticidade
O que é preciso para tirar você do sério?
Que duvidem da minha capacidade para fazer algo. Quer me dar motivação? Diz que eu não vou conseguir fazer. Não costumo desistir, não.
Qual a parte do seu corpo que você mais gosta?
Olhos! Gosto muito do meu olhar.
Você já ficou com alguma mulher?
Já fiquei sim...
Qual o lugar mais diferente que você já fez amor?
Meio clichê, mas foi na praia. Não fiz muitas loucuras ou fiz em muitos lugares diferentes...
Toparia um ménage? Ou já topou? Conta pra gente!
Já topei. Era com uma amiga, então foi algo bacana, e se me der vontade de novo, porque não?
Quais são as suas armas na hora da sedução?
O olhar, acho que consigo dizer mais com ele do que com palavras, além do que, sou muito segura de mim, isso por si só já seduz muita gente (risos)
Entre quatro paredes vale tudo?
Lógico que sim!
Você tem alguma fantasia erótica? Já realizou?
Tenho sim, e ainda não realizei... vamos ver se acontece, né?
Como foi posar para o Bella da Semana?
Foi ótimo! A equipe é maravilhosa, me senti muito à vontade, e acabou se tornando um momento bem descontraído. Me diverti muito fazendo, espero que isso se mostre nas fotos! Realmente, fiquei muito feliz com o resultado!
Veja Também!
submitted by marciofsrj to u/marciofsrj [link] [comments]


2019.09.16 15:40 exsoldierakechi [Sério]Minha noiva enfermeira do UPA pediu pra sair.

Vim compartilhar com vocês por muitos não conhecerem a realidade da saúde do Brasil, vendo de dentro. Ela finalmente pediu pra sair após 4 anos e muita insistência minha e da família dela. Que não aguentavamos mais ver sofrer.
O país tem muito dinheiro, mas muito é desperdiçado... e de formas que a maioria nem imagina, vim aqui listar algumas das coisas que ela me contou ao longo dos anos que trabalhou lá, e entre os motivos da saída dela. Ela trabalha em uma cidade grande do Sudeste, perto de um grande centro.
Sobre os Pacientes:
-Maioria dos "pacientes que vem do SAMU" são bebados caídos nas ruas. As pessoas veem eles caídos de manhã, chamam o SAMU, levam eles pro upa. Esses bebados vomitam nas enfermeiras, as vezes falam merda e causam baderna. É normal você receber o mesmo cara 4~5x. As vezes a esposa/parente vem buscar, as vezes eles só aparecem pra xingar mesmo. -Tem mãe que tem 5~7 filhos, e quando um ta doente, leva os 7 pro UPA. e as vezes o que ta doente nem tá mesmo, mas ela quer um atestado pra não ir pro trabalho.
-Os dias mais cheios são sexta e domingo, pelos motivos acima. Alguns ficam até 4 horas pra ser atendidos e ela já me disse que aproximadamente metade nem devia estar ali. -MUITO dinheiro é desperdiçado com pessoas que "agendam exame na fila de 3 meses pra ser atendido do SUS" e simplesmente não vão, ela não deu números mas acha que mais de 2/3 dos casos. Isso só piora as filas do sistema. -muitos pacientes xingam as enfermeiras pela demora, ou por elas passarem pacientes em mais urgência na frente. Muitas delas vão embora chorando por serem ameaçadas de morte quase todo dia. Um dia atenderam um traficante e a gangue dele disse que se o cara morresse. eles iam "derrubar" o lugar.
-Existem pacientes que vão, ficam esperando pra ser atendido, o médico passa medicação e quando eles veem que vão tomar injeção, vão embora com medo da agulha. -Crianças chutam enfermeiras quase sempre, e as mães brigam com as enfermeiras por gritar com os pestinhas. e não segura o filho quando vai ser furado. Logicamente essas mães depois surtam quando o filho tira o acesso bagunçando e tem que ser furado novamente porque "TADINHO". -Um morador de rua já cospiu na cara dela porque a sopa não tava quente o suficiente. -Ela atende em um UPA perto da rodovia local, e a QUANTIDADE de acidentes com pessoas que tavam zig-zagueando no transito é grande. A maioria deles quando chegam vivos, chegam pistolados porque "os lerdões não sairam do meio". -Maioria dos idosos não são fofinhos ou educados. Maioria deles exigem as coisas, e cobram demais o tempo todo. -já teve paciente fingindo que estava piorando e se jogando no chão pra ser atendido. Não funcionou. -Já teve paciente que chegou "morrendo" e foi buscado no carro de cadeira de rodas de tão mal que estava. a pessoa tinha quebrado 1 dedo da mão.
-Pacientes já chegaram depois de serem espancados por populares após cometer um crime. A maioria é muito educado mas não sente nenhum remorço do que fizeram pra apanhar. -Quase toda semana, ao menos uma mãe adolescente grávida chega alcoolizada/drogada, e a mãe que a traz está desesperada. -Tem gente boa que vem da roça de burro mesmo andando a mais de 2 horas pra ser atendido toda semana(tratar ferimentos e necrose), e ainda leva frutas pras enfermeiras. Elas adoram. -Eu já disse de outra forma, mas deve ser confirmado: Maioria das pessoas atrasam quem precisa porque fica mentindo sobre o que tem, ou querem atestado, ou vergonha do que fizeram pra estar ali. -Um homem já fez cocô de proposito no leito da observação porque "você tem que me limpar. É sua obrigação." Ele foi limpado, caso a enfermeira negue atendimento, ela pode ser demitida.
Sobre as enfermeiras/auxiliares/Socorristas e afins
-A quantidade de infidelidade é gritante. principalmente com os médicos. Muitos desses casos devido ao stress. -A maioria das enfermeiras amam a profissão e entraram nela pra ajudar, não ganhar dinheiro. Muitas saem em menos de um ano. Em depressão e revoltadas, nunca se recuperam totalmente a abandonam a área.
-A jornada de trabalho é de 12 horas por 36 de descanso, ou seja, dia sim dia não de 12 horas, com 3 folgas semanais. -Existem enfermeiras ruins, péssimas até. Que não ligam mesmo e que gostam de abusar de quem não pode reagir, causando dor de propósito. -Diariamente ao menos uma delas está chorando em algum lugar do UPA por algo que aconteceu no dia. Com minha noiva já foram 2 vezes só esse mês.
-Faltam medicamentos as vezes, mas não é tão frequente assim. -Todo mês, o setor onde a enfermeira fica muda. Se sua chefe não gosta de você, ela pode te mandar pro que você menos gosta sempre, pra te forçar a sair.
-As enfermeiras concursadas são as piores de longe. Tem regalias, faltam frequentemente e fazem corpo mole pra tudo. além de quase sempre escolherem onde vão ficar no proximo. mês. As terceirizadas são as que mais sofrem,pois tem medo de serem despedidas e constantemente tem que baixar a cabeça pra evitar "confusão". -Cada setor do upa devia ter ao menos 2 enfermeiras. Minha noiva Já chegou a ficar em sutura, eletro, remoção(Ambulância) e coleta em um só mês devido a falta de funcionários. -Uma gosta de se achar mais esperta que a outra, mesmo que as vezes custe a vida de um paciente. Apenas por não admitir que errou em algo, e faz errado assim mesmo. -Se você for mal educado, elas usam a agulha mais grossa pra doer mais :). -Se você for educado, elas guardam seu nome e te tratam com amor e carinho. E sim, elas até falam bem de você quando chegam em casa. -Mais de uma vez por mês, uma delas é assaltada ou tem que correr de alguém. Pelo horário previsivel e a região ser mais carente.
-O tempo médio que uma enfermeira trabalha lá antes de desistir é 6 meses. Quem já está a muitos anos são exceções.
-A maioria trabalha lá por necessidade ou por experiência, o salário não chega a 2500 por mês. muitas trabalham em dois empregos.
-As enfermeiras chefes nem sempre ficam presente, escolhem favoritos e costumam cobrar coisas sem sentido.
-Colegas ensinam errado pra te ferrar mesmo se não for com sua cara. -Quando gostam de você, são pra vida toda. -Algumas choram quando acordam pra ir trabalhar de madrugada. Não pelo esforço, mas por saber o que vão passar durante o dia. Eu já vi isso ao vivo multiplas vezes, e vi diferentes colegas de trabalho dela.
-Socorristas e etc do SAMU costumam ser legais de trabalhar junto, mas um ou outro é MUITO chato. -As vezes eles levam alguém quase morrendo e jogam no upa o mais rapido possível pra não ter que lidar com a burocracia do falecimento. -Dirigem de forma espetacular no geral. Um ou outro é estressado no trânsito.
-Faltam equipamentos e pessoal constantemente, a unidade do UPA dela está com menos de 50% do pessoal recomendado. -O salário atrasa TODO MÊS de 10 a 20 dias pros terceirizados. A empresa que terceiriza recebe o pagamento na data certa da prefeitura
-Enfermeiras as vezes apanham de pacientes que não gostaram de uma notícia ruim, ou por demorar pra ser atendidos. Minha noiva finalmente vai sair do trabalho após uma mãe reclamar que não ia receber atestado pelo filho fingir que estava doente, e a mãe dar um tapa na cara dela por negar.
-

Sobre os médicos: -A maioria realmente não olha na cara dos pacientes.
-Boa parte não dá a minima e está ali por dinheiro
-Os bons médicos são FACILMENTE identificados, e você vai perceber na hora. -O "mito" de tudo ser virose é real. E muitos dizem isso porque o paciente não tem nada mas não para de enxer o saco pra pegar atestado.
-Não se acham deuses, tem certeza. -Não fazem nem 10% do trabalho, mas devido a regras da secretaria de saúde. Quase nada por ser feito sem eles. seja entubar uma pessoa que esteja em situação crítica, seja usar um medicamento especifico mais forte, ou mesmo dar pontos em algum corte. Mesmo que você tenha 10 enfermeiras capacitadas até MAIS que o médico, só ele pode fazer isso. -Quando você leva pontos, você ficar ou não com cicatriz vai depender da pressa do médico em dar ponto.
- Maioria adora dar em cima de enfermeiras. Só minha noiva foi assediada 3 vezes. Uma até apalpada. -Nada acontece com relação ao item anterior, a administração não investiga ou faz nada, pois médicos "estão em falta".
-Você pode morrer porque um deles tava no horário de almoço, no refeitório dentro do UPA, e ele não quis "voltar antes" pra uma emergência. -Os cubanos costumam ser os mais atenciosos, mas os de pior habilidade prática e conhecimento, de longe. -Muitos dos mais velhos usam nomes de remédios que não existem a 20 anos pra se referir a outro medicamento. Eles brigam com as enfermeiras quando elas não sabem. -A letra horrível é pura falta de vergonha na cara. maioria sabe escrever muito bem.
Bom, acho que isso resume boa parte do que eu ouvi esse tempo todo. Caso tenha interesse talvez até peça pra ela fazer um AMA.
O objetivo é só vocês que as vezes precisam de um atendimento refletir um pouco. É dificil manter a calma com dor, ou precisando de ajuda, mas você está ali um dia só. Elas estão ali todos os dias e muitas já nem são mais as mesmas de quando entraram.
E tem outras que são FDP mesmo.
submitted by exsoldierakechi to brasil [link] [comments]


2019.09.16 15:38 exsoldierakechi [Sério]Minha noiva enfermeira de um UPA pediu pra sair.

Vim compartilhar com vocês por muitos não conhecerem a realidade da saúde do Brasil, vendo de dentro. Ela finalmente pediu pra sair após 4 anos e muita insistência minha e da família dela. Que não aguentavamos mais ver sofrer.
O país tem muito dinheiro, mas muito é desperdiçado... e de formas que a maioria nem imagina, vim aqui listar algumas das coisas que ela me contou ao longo dos anos que trabalhou lá, e entre os motivos da saída dela. Ela trabalha em uma cidade grande do Sudeste, perto de um grande centro.
Sobre os Pacientes:
-Maioria dos "pacientes que vem do SAMU" são bebados caídos nas ruas. As pessoas veem eles caídos de manhã, chamam o SAMU, levam eles pro upa. Esses bebados vomitam nas enfermeiras, as vezes falam merda e causam baderna. É normal você receber o mesmo cara 4~5x. As vezes a esposa/parente vem buscar, as vezes eles só aparecem pra xingar mesmo. -Tem mãe que tem 5~7 filhos, e quando um ta doente, leva os 7 pro UPA. e as vezes o que ta doente nem tá mesmo, mas ela quer um atestado pra não ir pro trabalho.
-Os dias mais cheios são sexta e domingo, pelos motivos acima. Alguns ficam até 4 horas pra ser atendidos e ela já me disse que aproximadamente metade nem devia estar ali. -MUITO dinheiro é desperdiçado com pessoas que "agendam exame na fila de 3 meses pra ser atendido do SUS" e simplesmente não vão, ela não deu números mas acha que mais de 2/3 dos casos. Isso só piora as filas do sistema. -muitos pacientes xingam as enfermeiras pela demora, ou por elas passarem pacientes em mais urgência na frente. Muitas delas vão embora chorando por serem ameaçadas de morte quase todo dia. Um dia atenderam um traficante e a gangue dele disse que se o cara morresse. eles iam "derrubar" o lugar.
-Existem pacientes que vão, ficam esperando pra ser atendido, o médico passa medicação e quando eles veem que vão tomar injeção, vão embora com medo da agulha. -Crianças chutam enfermeiras quase sempre, e as mães brigam com as enfermeiras por gritar com os pestinhas. e não segura o filho quando vai ser furado. Logicamente essas mães depois surtam quando o filho tira o acesso bagunçando e tem que ser furado novamente porque "TADINHO". -Um morador de rua já cospiu na cara dela porque a sopa não tava quente o suficiente. -Ela atende em um UPA perto da rodovia local, e a QUANTIDADE de acidentes com pessoas que tavam zig-zagueando no transito é grande. A maioria deles quando chegam vivos, chegam pistolados porque "os lerdões não sairam do meio". -Maioria dos idosos não são fofinhos ou educados. Maioria deles exigem as coisas, e cobram demais o tempo todo. -já teve paciente fingindo que estava piorando e se jogando no chão pra ser atendido. Não funcionou. -Já teve paciente que chegou "morrendo" e foi buscado no carro de cadeira de rodas de tão mal que estava. a pessoa tinha quebrado 1 dedo da mão.
-Pacientes já chegaram depois de serem espancados por populares após cometer um crime. A maioria é muito educado mas não sente nenhum remorço do que fizeram pra apanhar. -Quase toda semana, ao menos uma mãe adolescente grávida chega alcoolizada/drogada, e a mãe que a traz está desesperada. -Tem gente boa que vem da roça de burro mesmo andando a mais de 2 horas pra ser atendido toda semana(tratar ferimentos e necrose), e ainda leva frutas pras enfermeiras. Elas adoram. -Eu já disse de outra forma, mas deve ser confirmado: Maioria das pessoas atrasam quem precisa porque fica mentindo sobre o que tem, ou querem atestado, ou vergonha do que fizeram pra estar ali. -Um homem já fez cocô de proposito no leito da observação porque "você tem que me limpar. É sua obrigação." Ele foi limpado, caso a enfermeira negue atendimento, ela pode ser demitida.
Sobre as enfermeiras/auxiliares/Socorristas e afins
-A quantidade de infidelidade é gritante. principalmente com os médicos. Muitos desses casos devido ao stress. -A maioria das enfermeiras amam a profissão e entraram nela pra ajudar, não ganhar dinheiro. Muitas saem em menos de um ano. Em depressão e revoltadas, nunca se recuperam totalmente a abandonam a área.
-A jornada de trabalho é de 12 horas por 36 de descanso, ou seja, dia sim dia não de 12 horas, com 3 folgas semanais. -Existem enfermeiras ruins, péssimas até. Que não ligam mesmo e que gostam de abusar de quem não pode reagir, causando dor de propósito. -Diariamente ao menos uma delas está chorando em algum lugar do UPA por algo que aconteceu no dia. Com minha noiva já foram 2 vezes só esse mês.
-Faltam medicamentos as vezes, mas não é tão frequente assim. -Todo mês, o setor onde a enfermeira fica muda. Se sua chefe não gosta de você, ela pode te mandar pro que você menos gosta sempre, pra te forçar a sair.
-As enfermeiras concursadas são as piores de longe. Tem regalias, faltam frequentemente e fazem corpo mole pra tudo. além de quase sempre escolherem onde vão ficar no proximo. mês. As terceirizadas são as que mais sofrem,pois tem medo de serem despedidas e constantemente tem que baixar a cabeça pra evitar "confusão". -Cada setor do upa devia ter ao menos 2 enfermeiras. Minha noiva Já chegou a ficar em sutura, eletro, remoção(Ambulância) e coleta em um só mês devido a falta de funcionários. -Uma gosta de se achar mais esperta que a outra, mesmo que as vezes custe a vida de um paciente. Apenas por não admitir que errou em algo, e faz errado assim mesmo. -Se você for mal educado, elas usam a agulha mais grossa pra doer mais :). -Se você for educado, elas guardam seu nome e te tratam com amor e carinho. E sim, elas até falam bem de você quando chegam em casa. -Mais de uma vez por mês, uma delas é assaltada ou tem que correr de alguém. Pelo horário previsivel e a região ser mais carente.
-O tempo médio que uma enfermeira trabalha lá antes de desistir é 6 meses. Quem já está a muitos anos são exceções.
-A maioria trabalha lá por necessidade ou por experiência, o salário não chega a 2500 por mês. muitas trabalham em dois empregos.
-As enfermeiras chefes nem sempre ficam presente, escolhem favoritos e costumam cobrar coisas sem sentido.
-Colegas ensinam errado pra te ferrar mesmo se não for com sua cara. -Quando gostam de você, são pra vida toda. -Algumas choram quando acordam pra ir trabalhar de madrugada. Não pelo esforço, mas por saber o que vão passar durante o dia. Eu já vi isso ao vivo multiplas vezes, e vi diferentes colegas de trabalho dela.
-Socorristas e etc do SAMU costumam ser legais de trabalhar junto, mas um ou outro é MUITO chato. -As vezes eles levam alguém quase morrendo e jogam no upa o mais rapido possível pra não ter que lidar com a burocracia do falecimento. -Dirigem de forma espetacular no geral. Um ou outro é estressado no trânsito.
-Faltam equipamentos e pessoal constantemente, a unidade do UPA dela está com menos de 50% do pessoal recomendado. -O salário atrasa TODO MÊS de 10 a 20 dias pros terceirizados. A empresa que terceiriza recebe o pagamento na data certa da prefeitura
-Enfermeiras as vezes apanham de pacientes que não gostaram de uma notícia ruim, ou por demorar pra ser atendidos. Minha noiva finalmente vai sair do trabalho após uma mãe reclamar que não ia receber atestado pelo filho fingir que estava doente, e a mãe dar um tapa na cara dela por negar.
-

Sobre os médicos: -A maioria realmente não olha na cara dos pacientes.
-Boa parte não dá a minima e está ali por dinheiro
-Os bons médicos são FACILMENTE identificados, e você vai perceber na hora. -O "mito" de tudo ser virose é real. E muitos dizem isso porque o paciente não tem nada mas não para de enxer o saco pra pegar atestado.
-Não se acham deuses, tem certeza. -Não fazem nem 10% do trabalho, mas devido a regras da secretaria de saúde. Quase nada por ser feito sem eles. seja entubar uma pessoa que esteja em situação crítica, seja usar um medicamento especifico mais forte, ou mesmo dar pontos em algum corte. Mesmo que você tenha 10 enfermeiras capacitadas até MAIS que o médico, só ele pode fazer isso. -Quando você leva pontos, você ficar ou não com cicatriz vai depender da pressa do médico em dar ponto.
- Maioria adora dar em cima de enfermeiras. Só minha noiva foi assediada 3 vezes. Uma até apalpada. -Nada acontece com relação ao item anterior, a administração não investiga ou faz nada, pois médicos "estão em falta".
-Você pode morrer porque um deles tava no horário de almoço, no refeitório dentro do UPA, e ele não quis "voltar antes" pra uma emergência. -Os cubanos costumam ser os mais atenciosos, mas os de pior habilidade prática e conhecimento, de longe. -Muitos dos mais velhos usam nomes de remédios que não existem a 20 anos pra se referir a outro medicamento. Eles brigam com as enfermeiras quando elas não sabem. -A letra horrível é pura falta de vergonha na cara. maioria sabe escrever muito bem.
Bom, acho que isso resume boa parte do que eu ouvi esse tempo todo. Caso tenha interesse talvez até peça pra ela fazer um AMA.
O objetivo é só vocês que as vezes precisam de um atendimento refletir um pouco. É dificil manter a calma com dor, ou precisando de ajuda, mas você está ali um dia só. Elas estão ali todos os dias e muitas já nem são mais as mesmas de quando entraram.
E tem outras que são FDP mesmo.
submitted by exsoldierakechi to brasilivre [link] [comments]


2019.05.15 00:29 nakaevad Suicídio Parcial

Olho para o céu, as vezes azul, as vezes negro, as vezes esbanjando de uma paleta de cores que só ao pôr do Sol pertence. O céu nada mais é do que a atmosfera terrestre, sendo ela composta por gases e outras partículas que unidos formam um prisma natural, a qual juntamente dos raios solares formam o show de cores que nossos olhos limitados conseguem ver...deixando a ciência de lado, o céu é uma das únicas coisas que nos aproximam. O que meus olhos fotofóbicos veem nele é o mesmo que os teus olhos ricos em melanina veem.
Por obra de pessoas sem noção, fomos noticiados da existência um do outro. Diziam eles que nos parecíamos muito...e eles estavam certos. Assustador era como nossos gostos convergiam e como nossas palavras se entendiam. Tu agiste tal qual uma sereia ao me atrair com tuas palavras que me encantavam, com tua inteligência que me excitava e tua determinação que tanto me admirava. Eu acabei me deixando levar para o fundo de algo que já sabia como iria acabar.
Uma pessoa humana de exatas e uma pessoa ambiciosa de humanas, mesmo sendo de “castas” diferentes a conversa foi fluindo, a liberdade emergindo e a paixão implodindo. A distância homérica entre nós estagnou o que poderia ter evoluído rapidamente. Todavia, assim como em “Romeu e Julieta”, eu ainda tinha esperanças de lutar para te conceber como minha amada. Entretanto, é de conhecimento geral que essa história não acaba bem, por isso venho aqui me despedir.
É inútil querer ir contra os fatos. Nossos caminhos são diferentes e nosso convívio tem data de validade. Mesmo acreditando que daríamos certo caso morássemos perto um do outro, não há por que continuar insistindo em manter meu sentimento vivo.
Enquanto organizo minha mente, eu separo o amargo veneno que já tomei tantas vezes. Esse licor dará um fim ao meu eu que tanto te preza. Um suicídio parcial, um processo doloroso que já se fez necessário mais vezes do que gostaria de admitir. Perante o cadáver que eu hei de abandonar para trás, talvez tu o procures para roubar de seus lábios uma última gota remanescente desse veneno. Não para que nossas partes apaixonadas morram juntas em nome do amor, mas sim para o que resta de nós siga em frente em nome de nós mesmos. Pois assim seguirá a vida, tu que já amei não serás ninguém em meu futuro. Assim como tão pouco eu serei digno de lembrança com o teu passar de anos.
submitted by nakaevad to desabafos [link] [comments]


2019.04.07 05:08 Eilish1 Morto.

Essa é uma carta que eu acho um pouco incomum. Estou escrevendo essa carta 7 anos depois de ter morrido. Não morri fisicamente, mas sim internamente.
Eu costumava ver a vida como uma grande brincadeira. Onde meus pais viveriam para sempre e eu sempre teria meus amigos e todos os dias seriam apenas acordar, ir pra escola, jogar ping pong, e voltar pra casa pra dormir e esperar o próximo dia. No meio dessas atividades estava o amor da minha vida. Assim como esqueci de mencionar ela no parágrafo acima, eu esqueci também de perceber ela nessa rotina quando tínhamos 14. Mas ela tinha me percebido. Hoje em dia ainda somos amigos. Pra mim ela ainda gosta de mim, era literalmente a menina que roubava livros, sim ela realmente fazia isso antigamente hahahaha ela é a melhor pessoa. Era. Eu digo era porque ela não existe. Ela foi isso enquanto tínhamos 14. Eu ainda sou apaixonado por ela. Eu estou apaixonado por uma garota que não existe. Eu tinha a Vitória nas mãos, e ainda sim eu perdi. Culpa da adolescência, de ser novo e não ver o futuro. Tô nem aí. Mentira, eu muito aí.
Eu contei tudo a ela há dois anos atrás. Contei que nunca fiquei com outra garota porque eu estava esperando ela terminar pra que eu pudesse me abrir pra ela. 6 anos de namoro e ela não terminava. Então eu contei. Por coincidência ou não, ela terminou com ele no dia 9 de setembro do ano passado. Lembro dessa data pois achei que seria o começo de nós. Eu deixei passar um tempo, pois não sabia se ela iria querer cair em outro relacionamento logo após terminar um longo como esse. Somos jovens, vai ver ela queria curtir. Passaram-se algumas semanas e achei que estava suficiente pra tocar no assunto novamente. Ela disse que sentia muito por ter sido um peso pra mim por tantos anos. Ela não era um peso, ela só não era minha namorada. Ela foi super carinhosa, disse que não sabia do mau que tinha me feito. Ela nunca me fez mau algum. Disse que não sabia que eu ainda tinha esse sentimento guardado e forte. Ela disse que pensava em mim até durante o namoro. E que sentia atração por mim também. Disse que poderíamos sair, se beijar, passar a noite junto, mas não passaria disso. Eu fiquei confuso. De repente a garota dos meus sonhos tinha mudado. Eu nunca fui do tipo "só um pente, rala e vai embora", como dizem aqui no Rio. Eu queria ela pra mim. Eu queria ela pra mim. Queria que ela viesse aqui em casa, passar a tarde todo dia. Queria falar "Mãe vou sair" e minha mãe já saber com quem tô indo. O clima ficou meio estranho, eu me senti descartável. Alguns dias depois eu achei que ela não tinha entendido. Falei com ela novamente e de novo ela foi educada. Conversando pessoalmente ela deixou escapar algumas vezes uns relatos de alguns garotos que ela estava ficando. Eu pensava com o coração pesado: "então, porque não eu?" Insisti nisso até umas duas semanas atrás. Uma amiga me disse que não é que ela não quer namorar, ela só não quer namorar comigo. É a maior verdade que eu ouvi nisso tudo.
Todos os dias eu levanto às cinco pra trabalhar. Sem hora pra dormir, porque eu não consigo. Estou desde as nove rolando de um lado pro outro da cama vendo essa garota postar stories no Instagram em todo tipo de festa. FDP.
Eu não consigo ignorar ela. Dizer que quero cortar a amizade com ela porque eu amo ela é uma frase que passa na minha cabeça de 5 em 5 minutos.
Eu amo uma garota, e essa garota mudou. Ela não existe mais. Sou apaixonado por alguém que só continua existindo na minha cabeça. E depois que eu percebi isso eu só tenho piorado.
Todo tipo de problema psicológico eu tenho.
Quero que ela se dane.
submitted by Eilish1 to desabafos [link] [comments]


2019.02.19 15:24 Luizbep Os Próximos 3 Meses

Os Próximos 3 Meses
Ei pessoal!

Estamos à espreita em toda a Internet para ver o que vocês têm a dizer. Lembre-se, isso não é uma novidade para nós - fazemos isso o tempo todo. Nós vemos tudo. Uma das coisas sobre as quais você mais tem perguntado é algum tipo de roteiro. O da nossa página da Steam Store é atualizado regularmente, mas não tem datas reais. Nós entendemos, você quer saber o que você pode esperar e quando você pode esperar, mas nós hesitamos em compartilhar qualquer tipo de cronograma porque nunca deu certo para ninguém, então nosso raciocínio foi por que aprender com nossos próprios erros, se podemos aprender com os erros dos outros.

No entanto, desde o início deste nosso projeto de amor, orgulhamo-nos da total transparência com a nossa comunidade, bem como sempre fazendo parte dela e sendo facilmente alcançável por qualquer um que queira dizer oi, fazer uma pergunta ou até mesmo dizer que nós somos um saco. Isso sempre foi muito importante para nós e não vai mudar. Então, com isso em mente, decidi experimentar algo. Conversei com todas as pessoas da empresa e perguntei o que elas farão nos próximos três meses. Ok, nem todo mundo, eu não falei com o Darian porque ele estava fora do escritório na hora de escrever isso, mas eu falei com a gangue de arte dele e eles me deram a sujeira.

https://preview.redd.it/52trk2e9ajh21.jpg?width=1200&format=pjpg&auto=webp&s=38e1838d333a5ca907b14599c4ae618295b6680c
Nós redecoramos seu espaço de trabalho um pouco enquanto ele estava fora. Ele desperta alegria agora.

Mais um aviso antes de começarmos: todas estas coisas devem estar no jogo nos próximos 3 meses. Calculamos a quantidade de trabalho que podemos fazer e vamos nos esforçar ao máximo para cumpri-lo. Isso é algo em que geralmente somos bons. No entanto, qualquer desenvolvedor em qualquer lugar pode confirmar que você nunca sabe. A vida acontece. As pessoas ficam doentes. Pode haver uma invasão alienígena e todos nós podemos morrer. Espero que isso não aconteça, mas se acontecer, não diga que não avisamos.

Vamos começar com algumas notícias do escritório! Recentemente, recebemos nossa primeira equipe de controle de qualidade! Nós temos uma liderança de QA na vida real e 3 novos testadores, então agora não somos mais apenas os testes! Nós temos pessoas para isso! Yay!

Sobre esses veículos! Você pode ter visto o novo modelo de carro em nosso último post de WiP*. O que você não sabia é que não se trata apenas do modelo. Nosso principal programador, Dini, está trabalhando na nova e melhorada física do carro. Neste momento, a mecânica do veículo no jogo ainda é muito básica, mas vamos tentar empurrar mais para o realismo. Por exemplo, o centro de gravidade do carro mudará de acordo com o número de pessoas no carro. Ele também está reformulando o sistema de danos, o que significa que o carro vai reagir de maneira diferente, dependendo se você atirou no pneu ou no motor. Não se preocupe ainda, porque você também poderá repará-lo. Você também terá a habilidade de dirigir e os níveis de habilidade, que obviamente se encaixarão em todo o realismo e na maneira como você dirigirá o carro. Você poderá reivindicar um carro, tranca-lo, destranca-lo e fazer ligação direta. Você também poderá reabastecer. Dini diz que você também poderá atirar no carro, mas não nos próximos 3 meses. A razão para isso é que é um processo longo e excruciante que levará muito tempo para ser implementado, ele tem o suficiente em seu prato e nada disso é relacionado à salada.

https://preview.redd.it/46ylsk0eajh21.jpg?width=1916&format=pjpg&auto=webp&s=8a6cf3bcce99773c2b3a294fb8b9d862ae33ed3d
Laranja de sangue, tão pretensioso.

Em seguida é o inventário. Sim, é meio desajeitado e não intuitivo - nós sabemos, temos olhos. O plano sempre foi mudá-lo eventualmente e chegou a hora. Nosso programador Jesus e a artista Ivona estão trabalhando duro em uma revisão completa do inventário e da interface do usuário. Eu não tenho certeza de como será a versão final porque eles têm sido bem secretos sobre isso até agora, mas eu consegui descobrir que você será capaz de empilhar itens e rotacioná-los. Jesus disse que pode ser importante mencionar que ele está reformulando a função de vizinhança e que carros e baús estão finalmente obtendo um espaço de inventário adequado. Ele também disse que eu preciso explicar que não são apenas as atualizações visuais e que muito da revisão será do lado da programação, mas então foi apenas um monte de conversa nerd, então eu apenas fingi ouvir e entender. Peço desculpas a qualquer nerd que ofendi com isso e prometo escrever um post sobre isso assim que eles tiverem mais coisas para mostrar.

https://preview.redd.it/ihfnoqlkajh21.jpg?width=1920&format=pjpg&auto=webp&s=fcd882a2253ba7be3ed12b32cc28dbf7ca939998
O inventário pode ou não acabar ficando assim. Nós também não sabemos. Ivona diz que é uma surpresa.

Graças a Patrik, em breve você poderá criar uma base também. A primeira versão será compreensivelmente muito básica - você poderá construir uma casa usando uma planta, da mesma forma que constrói um abrigo. Nossa equipe de arte já está trabalhando nos modelos, mas essa não é a única coisa em que eles estão trabalhando. Você viu algumas das novidades em nossa última postagem no WiP: estamos adicionando uma pedreira, uma mina, um hospital para doentes mentais, um antigo castelo, uma mina de sal, um observatório e uma cidade totalmente nova. Ativos urbanos, baby!

https://preview.redd.it/cpriha0oajh21.png?width=1600&format=png&auto=webp&s=5fd6a5eab846cca31c3a4e24f7d8bec0b38c22a5
Malha quente.

Além da habilidade de dirigir, estamos reformulando a habilidade culinária a partir do zero, o que também exige um bom retrabalho do metabolismo. Esse é o trabalho de Bruno e ele já está nisso. Ele também é responsável pela habilidade de demolição, que não inclui apenas bombas - você também terá todos os tipos de armadilhas. John está trabalhando na habilidade de arco e flecha. Ele está indo all-in, então você também terá diferentes tipos de arcos com diferentes tipos de flechas - algumas delas você não poderá usar se sua habilidade for muito baixa ou se você for fraco demais. Você até conseguirá um silenciador de proa - achei que ele estava mexendo comigo também, mas aparentemente eles são reais. Quem sabia. Com a ajuda de nossos animadores, John também está reformulando as animações de primeira pessoa, então, se tudo correr conforme o planejado, a coisa toda parecerá muito mais realista. Também estamos adicionando suporte para RPGs e nosso primeiro revólver!

Nosso novo programador Goran está preparando as primeiras missões e objetivos da missão! Eu não posso te dizer nenhum detalhe ainda, mas você não terá que esperar muito para conferir. Você também receberá um tutorial real, caso não consiga descobrir o jogo sozinho. Fraco.

https://preview.redd.it/uvsewgdrajh21.png?width=884&format=png&auto=webp&s=10b9c2f47b6ab1c8f2488d94d2c9db5962d2d5d0
Logo você poderá fazer seus inimigos tremerem de medo.

Os próximos 3 meses também verão a introdução de conquistas! Estes estão sendo preparados por Dobrila no lado da programação e Ivona no lado da arte. A cópia está sendo preparada pela equipe meme, então espere algumas coisas engraçadas. Ou cringey, ainda não decidimos.

Por favor, não grite sobre este próximo, mas estamos adiando as personagens femininas. Ok, nós não estamos literalmente adiando-as porque nós nunca as anunciamos oficialmente, mas o plano original era liberá-las para o dia ddos namorados, o que obviamente não aconteceu. A razão para isso é que as mulheres são muito difíceis de animar. SÓ BRINCANDO! A razão é que começamos a trabalhar nelas com toda a intenção de terminá-las no prazo, mas ao longo do caminho percebemos que há muito mais na coisa toda e não podemos simplesmente colocar uma modelo feminina na mecânica masculina e pronto. Lembre-se de como temos esse elaborado sistema de metabolismo e como eu já mencionei que Bruno está retrabalhando a habilidade de cozinhar que também está ligada ao metabolismo? Sim isso. Cada peça de roupa também precisa ser ajustada para o corpo feminino. Esse vai ser o trabalho de Danijel, que Deus o ajude. Isso não significa que paramos de trabalhar nas personagens femininas - ainda estamos, mas realmente não queremos isso, então vamos adiá-las um pouco. Eu disse um pouco, então pare de gritar, o tempo é uma construção social.

https://preview.redd.it/qs7pef7vajh21.png?width=1224&format=png&auto=webp&s=a51997bef849e8fdb2e6579d70bb7aea98d16e7c

Agora que a pior parte está fora do caminho, vamos voltar ao que mais estamos adicionando nos próximos 3 meses. Nós vamos adicionar algumas novas animações e insultos também. Eu perguntei ao nosso animador Iggy se ele sabe o que ele quer fazer e ele ainda não disse, então se você tiver alguma sugestão para ele, por favor, escreva-o nos comentários e sua ideia de provocação pode acabar no jogo!

Estamos trabalhando no cabelo, bem como cabelo masculino, cabelo feminino, barba, cabelo na cabeça, pêlos no corpo, todos os tipos de cabelo. Você será capaz de crescer, cortar ou raspar, então estamos com as mãos ocupadas.

E por último mas não menos importante - estações! Nós testamos a neve com a nossa atualização de Natal e a maioria de vocês disseram que gostaram, então deixamos alguns no norte, para o caso de você querer andar de trenó mais tarde também. Bem, em breve você terá temporadas reais e tudo o que acontece com elas.

Eu posso ter perdido alguma coisa acidentalmente ou de propósito, mas espero que agora você tenha uma melhor imagem da nossa agenda. Você ainda estará recebendo seus posts regulares de WiP por Josip, assim como algumas outras surpresas da equipe de marketing, então não se preocupe! Apenas lembre-se - estamos assistindo. Estamos sempre assistindo.

Te amo, tchau!
___________________ * Work in Progress.
submitted by Luizbep to scumbrasil [link] [comments]


2018.06.09 05:05 sagurgel A Quinta Vala - A divina tragédia da traição premiada.

A QUINTA VALA.
A divina tragédia da traição premiada.
A traição jamais obteve tanto espaço nos noticiários quanto nos últimos anos. Contudo, esse ato humano execrável, que pela história da humanidade foi responsável por desencadear crimes passionais, guerras e outras reações extremas, já não desperta mais tantas paixões, e às vezes chega a ser motivadora de reivindicação de prêmios.
Por todo o planeta encontramos infindáveis termos para fazer menção aos que possuem o desvio de caráter que conduz à infidelidade. Na riquíssima língua portuguesa, as variantes superam aquelas vistas em qualquer outra, seja pelas tradicionais expressões contidas no vernáculo, como traidor, traiçoeiro, delator, alcaguete, informante, seja pela linguagem coloquial, a exemplo de traíra, dedo-duro, linguarudo, X-9 etc. Nos países estrangeiros também encontramos termos com o mesmo teor pejorativo, como rat (Estados Unidos da América), sneak (Inglaterra), un homme commère (França), Zinker e 31er (Alemanha). Creio ser arriscado demais tentar fazer uma tradução precisa, sabendo o que dizem os italianos:* “traduttore, traditor*e.".
A origem da traição coincide com o mito da criação do homem. De acordo com os textos bíblicos, Caim, impelido por ciúmes, realiza uma emboscada para ceifar a vida de seu irmão Abel. Todavia, está no Novo Testamento a sua máxima expressão, quando Judas Iscariotes procura as autoridades para delatar Jesus de Nazaré, acarretando a crucificação de um acusado considerado inocente, à luz do Direito Romano. Na concepção cristã, pode-se assegurar que, diante de tantos pecados, nenhum outro veio a ser considerado tão repulsivo quanto esse.
Dante Alighieri, por exemplo, nos versos que compõem A Divina Comédia, representa o mapa do inferno, escalonando-o em diversos pavimentos (círculos) rumo ao núcleo da Terra. Dependendo da iniquidade, os condenados são colocados em um ambiente mais profundo. No nono e último círculo, intitulado Lago Cócite, encontram-se os que se entregaram à traição. Essa instância sombria, por sua vez, é subdividida em quatro valas: a primeira, chamada Caína (alusão à Caim) para aqueles que se voltaram contra os próprios parentes; a segunda, batizada de Antenora, reservada aos traidores da pátria; a terceira, Ptolomeia, para abranger os que insurgiram contra os seus hóspedes e, por fim, a quarta e mais terrível, cujo nome é Judeca (nítida referência ao apóstolo), onde os traidores dos benfeitores expiam por seus pecados na companhia de Lúcifer. Das tre facce do Anticristo, uma separa Judas de Brutus e Cassius. Não seria mera especulação afirmar que, pelos escritos do poeta florentino, consolidava-se a antítese dos ideais de Santo Agostinho sobre o que seria a Cidade de Deus.
Saindo da órbita do cristianismo, a temática se repete em todas as outras religiões. No judaísmo, assim como ocorre no islamismo, a deslealdade repercute severamente no espírito humano. E não haveria como se admitir uma doutrina de fé construída em desacordo com os preceitos éticos das civilizações aos quais aderiram. Até mesmo quando nos aventuramos ao estudo da Mitologia Grega, constatamos que a ira dos deuses normalmente é provocada por uma questão central: a traição.
No estudo da História, mesmo quando orientado pela dialética marxista, percebe-se um enorme destaque às personagens que sucumbiram à vilania da falta de palavra para com os seus confidentes. Talvez o assunto gere certo desconforto aos pesquisadores em geral, por representar tudo aquilo que repudiam no semelhante e em si mesmo.
Durante a segunda etapa de Revolução Francesa, os jacobinos acusaram vários dos seus correligionários de estarem conspirando contra os comitês em troca de privilégios ofertados pela alta burguesia. A insegurança política que conduzia os parisienses à construção de um verdadeiro Estado policial acarretou a execução do corrupto Danton, entre outros ícones do processo revolucionário, como Camile Desmoulins. Pouco tempo depois, a histeria das delações fez os próprios algozes subirem ao cadafalso para terem suas cabeças decepadas. Foi nesse contexto que Charlotte Corday protagonizou o episódio mais emblemático do período, retribuindo ao líder Jean-Paul Marat o terror que havia sido colocado na ordem do dia em reunião extraordinária da Convenção.
Outros fatos históricos da mesma grandeza, que gravitam em torno do tema em tela, marcaram ou mancharam, significativamente, a linha do tempo. Impossível deixar de citar o costumeiro pacto de não agressão, articulado por Joachim von Ribbentrop (Ministro do III Reich condenado à morte pelo Tribunal de Nuremberg), que antecedia a invasão da Wehrmacht ao indefeso país signatário, bem como o escândalo de Watergate, em que um Deep Throat colocava Richard Nixon no dilema entre a renúncia e o Impeachment.
O estudo da evolução política brasileira também esbarra em uma série de inconfidências, ganhando maior notoriedade a que ocorrera em Minas Gerais sob a liderança de Tiradentes. Punido com a estranha e cruel pena capital da “morte para sempre”, contemplada pelas Ordenações Filipinas, o mártir da independência após ser enforcado, teve a sua cabeça arrancada e exposta, espalhando-se os fragmentos do seu corpo esquartejado pelos logradouros públicos. Em contrapartida, o delator Joaquim Silvério dos Reis recebia honrarias de Dom João, sem imaginar que seu nome seria amaldiçoado pela eternidade por seus conterrâneos (desonra para sempre), não obstante tivesse revelado os planos de um homem visto como criminoso pela legislação em vigor naquele período.
Apesar da ideia do óbito em caráter permanente ter sido extirpada do Direito Pátrio com o advento do Código Criminal de 1831, a traição nele permaneceu e perdura até a presente data. Além de configurar uma circunstância agravante genérica, prevista no art. 61 do Código Penal, o vil comportamento se faz presente na Parte Especial entre as qualificadoras do crime de homicídio (art. 121, § 2.º, III) e também como núcleo do tipo penal que leva a rubrica marginal de Patrocínio Infiel (art. 355). Porém, quando interpretada em sentido amplo, a odiosa prática que atinge tanto o particular quanto o Estado, pode ser identificada em trinta e oito delitos inseridos no mesmo diploma legal, como no caso do induzimento, instigação ou auxílio ao suicídio praticado por motivo egoístico (art. 122, p.ú., I), em que o agente, por exemplo, inculca na vítima o desejo de autodestruição para se beneficiar da herança. Na mesma esteira cabe mencionar diferentes preceitos que indicam mau-caratismo similar, como o Perigo de Contágio Venéreo (art. 130); Violação de Segredo Profissional (art. 154); Bigamia (art. 235); Peculato Mediante Erro de Outrem (art. 313); Fraude Processual (art. 347), entre tantos outros da lei maior em matéria penal e da legislação extravagante. Aliás, por falar em lei especial, é importante assinalar que no Código Penal Militar, no livro que trata Dos Crimes Militares Em Tempo de Guerra, há um capítulo que leva o título Da Traição, no qual para todos os delitos o legislador comina a pena de morte, que no caso brasileiro, de acordo com o art. 56, se cumpre mediante fuzilamento.
Apenas em relação à infidelidade conjugal, a legislação não reage com tanto rigor. No ano de 2005, o adultério foi objeto de abolitio criminis, deixando o mundo do Direito Penal para receber o tratamento do Direito Civil, que, por sua vez, se mostra bastante flexível nesse aspecto. Não há mais o que falar em divórcio por culpa do cônjuge adúltero e, como se não bastasse, as indenizações por danos morais fixadas em valores quase insignificantes vêm perdendo o caráter retributivo e preventivo. Não havendo bens, nem filhos, a dissolução da sociedade conjugal se efetivará em questão de minutos, na frieza dos polos que congela o recinto cartorial. O preço também não representará qualquer empecilho e, certamente, sairá muito mais barato do que trinta moedas de prata. Não seria exagero dizer que estará consumada mais uma traição promovida com um beijo. Aliás, diga-se de passagem, em um mundo onde todos os valores são relativizados, e o dinheiro é reverenciado como deus único, o que dizer da cumplicidade entre marido e mulher, fruto do amor verdadeiro?
O instituto da delação premiada, que vem sendo utilizado como ferramenta estatal no enfrentamento do crime organizado desde o advento da Lei 8.072/90 (Crimes Hediondos) - estendendo-se mais tarde para outras leis específicas, como a Lei 7.492/1986 (Crimes Contra o Sistema Financeiro Nacional), Lei 8.137/1990 (Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica e Relações de Consumo), Lei 9.613/1998 (Lavagem de Dinheiro), Lei 9.807/1999 (Proteção às Testemunhas); Lei 11.343/2006 (Drogas), Lei 12.850/2013 (Organização Criminosa) - entra em uma fase de frequentes ataques na mesma proporção das defesas apaixonadas. Há de se convir que não é tarefa das mais fáceis compreender que, em nosso ordenamento jurídico, a traição pode matar, passar desapercebida ou até ser homenageada.
Para uma corrente doutrinária, o que decidiram chamar de colaboração premiada na última lei acima referida, não passa de um incentivo por parte da administração pública ao nefasto gesto de trair, o que se mostra totalmente incompatível com os Princípios Gerais do Direito. A lei deve possuir conteúdo didático e apresentar princípios cívicos decentes, e não ensinar que o cafajestismo pode ser vantajoso. Se o crime não compensa, a delação não pode recompensar. Além do mais, de todos os integrantes que compõem o grupo de delinquentes, o pior deles é, sem dúvida alguma, aquele que entrega os comparsas à justiça para aliviar a sua própria pele. Trata-se de torpeza repudiada até para quem se aventura às ações delituosas, não havendo espaço para traidores nem mesmo nas penitenciárias onde estão agregados os piores malfeitores. É o estranho, porém notório, código moral do mundo do crime. Vale lembrar o que ocorreu com o mafioso Tommaso Buscetta, que teve dez de seus familiares assassinados em represália ao auxílio prestado à justiça italiana.
Em contrapartida, há quem procure justificar a atitude do traidor com base no finalismo aristotélico, pois se o fim é bom, ou seja, viabilizar o desmantelamento de uma organização criminosa e a cessação de suas atividades com a aplicação de pena aos seus membros, então o meio da delação também o será. Se para o Direito nem a vida tem caráter absoluto, por que o sigilo o teria? Ainda mais quando o evento envolve criminosos... Para esses juristas, o sacrifício da organização, mesmo por intermédio de uma prática execrável, estaria a serviço do bem comum. Advertem que determinados grupos dedicados às atividades ilícitas, que se desenvolvem com requinte empresarial, se não ruírem por dentro, jamais poderão ser detidos por intermédio de práticas repressivas ordinárias. Usam como ilustração a tradição norte-americana de, inclusive, pagar somas em dinheiro ao colaborador por suas preciosas informações. É o modelo de justiça criminal que vem dos remotos tempos da Marcha para o Oeste, quando o governo do Estado Unidos se viu obrigado a delegar aos condados a tarefa de instituírem a sua própria estrutura punitiva para os crimes locais. Daí veio o Wanted Dead Or Live que, de forma mais civilizada, perdura até hoje.
Difícil se chegar a alguma conclusão quando dois argumentos contrapostos estão repletos de razão. Ocorre que para efeito de valoração do ato de dedurar, nenhum deles mostra-se útil. Isso se deve ao fato de não atentarem para o ponto central, ou seja, o que motivou o indivíduo a revelar toda a trama delituosa e a identidade dos concorrentes. Se decide fazer mea culpa pela consciência de ter agido em desacordo com os interesses da coletividade à qual pertence, imbuído da intenção de reparar o dano e amenizar a dor moral que o afeta, a sua responsabilidade não desaparece, mas a mudança de postura justifica a atenuação das reprimendas. Se a lei chamará as benesses aplicáveis de prêmio, a opção semântica não escapa da lógica em nosso ordenamento jurídico de flexibilizar a resposta penal em decorrência do arrependimento posterior. Tal medida há muito tempo é disciplinada nos arts. 16 e 65 do Código Penal, entre outros de caráter excepcional, como ocorre, por exemplo, nos casos de estelionato mediante cheque sem fundo, quando o agente efetua o pagamento da dívida antes do recebimento da denúncia (Súmula 554 do STF).
Entretanto, há casos em que o agente utiliza o instituto da colaboração premiada para se vingar de seus inimigos, imputando-lhes algumas verdades embrulhadas a um punhado de mentiras, que, muitas vezes, nenhuma relação tem com o objeto da investigação. E assim, atingem não apenas a honra objetiva e subjetiva da vítima da infâmia, mas também a própria administração pública, em especial, administração da justiça, fazendo-o incidir no crime de denunciação caluniosa (art. 339 do CP).
Outrosssim, considerando que estamos discorrendo sobre um grave problema enfrentado no Brasil, o que não falta é exemplo pitoresco sobre qualquer tema de natureza jurídica. Já houve, diga-se de passagem, quem se valesse da delação para ganhar muito dinheiro, não como contrapartida do Estado pelas informações prestadas, mas sim de forma indireta, pela qual o indivíduo se beneficia da previsível instabilidade gerada ao mercado financeiro, capaz de favorecer práticas especulativas de toda ordem. Casos como esse, em que o traidor da organização criminosa engana a nação inteira com a sua delação é que provoca a reflexão sobre o lugar onde Dante o colocaria em seu imaginário, ou se nele não haveria espaço para aqueles que traem a própria natureza humana no que diz respeito à capacidade de ser justo e dotado de um mínimo de vergonha.
Sergio Ricardo do Amaral Gurgel é sócio em AMARAL GURGEL Advogados; autor da Editora Impetus; professor de Direito Penal e Direito Processual Penal; e-mail: [email protected]
submitted by sagurgel to u/sagurgel [link] [comments]


2018.05.05 07:59 koyaanisqatsi_guy Me apaixonei por uma colega de trabalho... e mudou minha vida.

O título já diz tudo. Vou contar brevemente essa experiência, pois é algo que eu vou precisar de muita força de vontade para superar.
Isso aconteceu um ano atrás...
Eu trabalho no mercado de comunicação, a rotatividade de pessoas entre empresas é muito grande, em um ano que consegui diversas entrevistas acabei passando por 3 empresas grandes, e na última delas eu conheci essa garota.
Foi por indicação de um amigo que eu fiz entrevista nesse lugar. E ele trabalhava com ela, não diretamente, mas no mesmo setor. Eu demorei um tempo pra notar que ela era diferente, a primeira vista foi só mais uma garota de 28 anos, linda e meio nerd. Porém, eu estava em uma fase de focar apenas no trabalho, pois sempre tive muita dificuldade com o lado social. Desde que me mudei para essa cidade decidi me envolver com qualquer garota que fosse fisicamente atraente, devido as frustrações de amar alguém profundamente, acabei me forçando a ser superficial. Isso foi me afetando aos poucos, até chegar em um ponto que eu simplesmente não via mais razão para isso, foi quando eu me afastei socialmente de tudo e comecei a trabalhar demais, o meu desempenho profissional aumentou, então decidi procurar lugar melhor, melhor salário, que no caso, foi a indicação do meu amigo.
Alguns anos atrás eu estava em uma faze em que projetava sinais e razões em tudo. Algo como me convencer a fazer algo por que música x que lembra pessoa y está tocando no momento em que eu estou no lugar z, então eu devo seguir meu "instinto" de investir naquela pessoa, mesmo se não tiver nenhuma chance.
Voltamos para o mês em que eu entrei na empresa nova, dezembro/16. Em janeiro eu estava almoçando com ela e com o grupo do setor dela, que incluía meu amigo, praticamente todos os dias. No terceiro dia meu amigo confirmou o que já se passava pela minha cabeça.
No almoço acontecia do grupo todo ter um assunto, mas eu e ela outro, não importa aonde estávamos sentados,longe, perto, a conversa era muito interessante pra ficar quieto.
Isso me deixou em completo estado de choque. Ela era simplesmente muito parecida comigo, eu ficava bugado, não sabia o que fazer.
Devido ao stress do trabalho, minha ansiedade tinha aumentado e como medida eu comecei a fazer terapia alguns anos atrás, meu terapeuta foi enfático em me dizer que eu deveria me permitir a amar e a me arriscar. Eu abracei a ideia.
Como um cara timído, nerd, com alto-estima baixa conquista uma garota? Eu não tenho a mínima ideia. Na minha humilde opinião e experiência própria isso é extremamente difícil. Mas não impossível.
Durante o processo da 'conquista' eu estava em um estado de negação a vida, pois eu achava ela atraente e interessante demais para minha pessoa. Passava horas questionando o por que do universo colocar essa pessoa em minha vida, pensando em todas coincidências que aconteceram para eu conhecer ela e de fato me interessar, era algo surreal. Mesmo gosto por música, filmes, nosso assunto preferido era realidade simulada, sério!
Eu decidi que iria ser sincero, deixar claro meu interesse e ver no que dava. Enquanto isso meu amigo e meus novos amigos da empresa comentavam que ela realmente dava sinais de interesse. Nesse ponto eu já estava imaginando coisas. Mas foi frustrante. Ela tinha acabado de sair de um namoro de 7 anos, engatado em uma relação breve de 3 anos e alguns meses antes ela tinha se envolvido com uma pessoa da empresa. Quando eu descobri isso, abri mão. Entrei em um estado de pré-depressão. Eu uso muito metro, ficava parado, esperando o vagão passar pensando em como seria mais facil me jogar ali do que esperar eu conseguir o amor dela.
Isso foi me dominando, essa vontade de querer fazer ela feliz e ver ela ao meu lado me implodia de angustia por não conseguir ver isso se concretizando. Há essa altura eu já sábia que ela não tava fazendo nem um pouco bem para mim, mas eu não estava pensando nisso, estava pensando em fazer ela feliz.
A primeira tentativa foi demonstrar interesse, coisa que fiz até demais. Chamava ela pra sair pro bar toda quinta e sexta feira, não conseguia me conter em ficar feliz com um sorriso de orelha a orelha quando ela aceitava. Era algo maior que o meu auto controle e que a minha força de vontade. Em janeiro foi o mês de colocar as cartas na mesa, eu deixei claro que me interessava por ela e queria sair apenas com ela, então, ela finalmente colocou um ponto final em tudo. Me disse que não queria se envolver com pessoas do trabalho, então contou os relacionamentos dela. Ai tudo fez sentido, finalmente, o medo de falhar que eu tinha, se tornou realidade.
É engraçado, pois foi muito aliviante. Eu finalmente tinha o não dela e com isso podia me conformar com mais um não da vida, me lembrar o por que eu focava no trabalho o por que disso. A frustração me fazia esquecer tudo e me deixava muito produtivo. Eu sempre usei tristeza, raiva e sofrimento ao meu favor.
Começou fevereiro
Nos dias seguintes, o mais absurdo acontece: ela me chama para ir na casa dela. Após o fora, eu imaginava que iria existir um silêncio e que o nosso começo de amizade iria morrer rápido, mas foi o oposto. Amizade era o objetivo dela, talvez uma amizade colorida. Mas definitivamente nada sério. Eu aceitei o convite de ir para casa dela, mas com uma consciência de que eu era apenas amigo. Conhecendo amigos que forçam beijo na balada e fazem esse tipo de coisa escrota, eu nunca iria tentar beijar ela após o fora. Ia ser muito constrangedor se ela não gostasse e isso era o fim do mundo em loop para mim.
Ela deu diversos sinais, mas ao mesmo tempo me contou como sempre teve mais amigos homens do que mulheres, eu achei que tinha lido a situação de uma maneira correta. Nesse dia eu fui o mais tapado possível, fui um amigo mesmo, não tentei nada. Depois disso, quarta feira, na sexta ela estava no bar comigo e com o pessoal do trabalho e convidou para irmos até a casa dela. Eu falei para o meu amigo que tinha interesse nela (não era o amigo do trabalho). Isso foi surreal. Um amigo de um outro ciclo de amigos tinha conhecido ela naquele dia, e ela convidou nós dois para irmos até lá. Eu não entendi nada. Fui sincero com ele, falei que estava muito interessado e que gostaria de tentar algo naquele dia. Ele foi super gente boa e foi embora uma meia hora depois.
Era isso, eu estava sozinho com ela no apartamento dela. Mas na verdade eu estava aprisionado dentro da minha cabeça não me permitindo tentar nada. Então eu não tentei. Nem cheguei perto. Falei tanto que a coitada caiu de sono. Nesse dia eu estava conformado que tinha zerado quaisquer ruídos e chances de relacionamento amoroso com ela.
Eu descobri que ela estava com receio de ficar comigo pelo nível de atenção e interesse que eu demonstrava por ela. Ela estava corretíssima, nós estávamos em sintonias diferentes ainda sim nosso radinho de pilha captava a frequência do outro sem querer. O fatídico dia foi durante um happy hour da empresa, no próprio local onde nós trabalhávamos. O fato de pensar em ver ela me dava ansiedade, então comecei a evitar. Não queria ir até o happy hour por nada, então fiquei na minha mesa trabalhando, naturalmente, quando todos já estavam se alcoolizando e socializando. Eu estaria bem ali a noite inteira, talvez angustiado mas transformando tudo em produtividade, é o que eu sei fazer afinal. Mas meu amigo tramou um plano, chamou a melhor amiga dela no trabalho e quando eu percebi estava sozinho com ela. A reação dela quando eu me aproximei? Foi virar para o outro lado.
Imediatamente voltei para minha mesa, coloquei meu fone e voltei a trabalhar como se nada houvesse acontecido. Ela me liga 3 vezes e comeca a mandar mensagens, pedindo para eu responder, perguntando se eu estava bravo. Eu falei a verdade, que não deveria mais ver ou falar com ela pois estava me atrapalhando e me fazendo mal. Era a hora perfeita para tudo acabar e eu voltar para a minha vida medíocre.
Ela então, as 2 horas da manhã me chama para ir no apartamento dela. Nunca, nem em 100 vidas eu diria não. Eu fui, sentindo que tinha atingido um objetivo superficial, quando na verdade, no meu interior, eu me preocupava com as consequências. Eu não queria encontrar ela bêbada, queria que fosse algo verdadeiro mesmo que fosse uma simples conversa.
Eis que eu fiz a maior besteira da minha vida. Eu preferi ela do que eu mesmo. Eu escolhi por fazer alguém feliz e me fazer infeliz, sem pensar ou medir as consequências. Então eu convenci ela, e a mim mesmo que eu tinha entendido a situação e que nós poderíamos ficar aquele dia e sermos amigos. Acabamos dormindo juntos, foi de fato um dos melhores dias da minha vida, não apenas pelo sexo, mas pela satisfação em fazer alguém que você ama feliz. Comecei a me alimentar daquela sensação. A relação foi cada vez mais tomando uma forma e quando eu percebi, estava ali, moldado, desenhado e exposto: Eu estava vivendo para ela.
Ela me ligava de noite, pedia para eu ir até a casa dela, eu pegava o táxi e ia na hora, não importa o dinheiro, distância, sono, nada, o que importa é fazer essa garota feliz. O problema é que durante o dia, eu sabia que ela não queria nada, então no trabalho eramos apenas colegas na perspectiva dos outros. Eu fui ficando cada vez mais interessado, fui me cedendo cada vez mais, ao chegar no ponto em que eu via que apenas ela definia quando iriamos nos ver. Eu não conseguia chamar ela pra sair e receber um sim, tinha que ser algo quando ela queria. Nessa altura do campeonato eu já estava muito perdido, a consequência da solidão batia na porta mas eu simplesmente ignorava e achava que era uma viagem minha, que tudo iria dar certo e eu iria conquistar ela.
Isso foi criando um vazio dentro de mim, pois eu sabia que ela não tinha terminado o último relacionamento dela de forma amigável, isso começou a afetar ela e consequentemente a mim, que ficava imaginando o que teria acontecido, pois ambos estavam quase morando juntos.
Então, março
O fim veio rápido como o final do feriado de carnaval. Passamos todos os dias juntos transando, conversando, mas aquela bola de neve gigante estava vindo e nós dois sabíamos, o problema é que eu tinha convencido ela que não tinha bola de neve e tava tudo bem. Um dia, ela me chamou para ir na casa dela jantar. Era meio que um big deal, pois nunca havia existido um convite antecipado como esse. Ela tinha arrumado a varanda com luzes e uma mesinha, foi simplesmente uma das coisas mais legais e agradáveis que eu já vivenciei com alguém. Infelizmente a bola de neve engoliu tudo esse dia. Claramente incomodada com a situação, com o que nós estávamos fazendo, ela ficou em um mood estranho e distante de mim. Era a primeira vez que ela fazia aquilo. Eu não entendi e tentei contornar, em um certo ponto eu soube que aquele era o último dia.
Depois disso ela se distanciou de mim, parou de falar comigo frequentemente. Eu achei que era algum tipo de mind game feminino, para eu correr atrás ou algo do tipo. Eu corri atrás e dei de cara em uma parede quilométrica. Não existia mais aquela ponte entre a gente, não existia mais nada a não ser uma tensão de quando vai ser a proxima vez que ela vai me chamar. Os pensamentos suicidas voltaram, eu já não conseguia trabalhar no mesmo local com medo de olhar no olho dela e saborear aquela sensação de que ela não me quer na vida dela, além dos meus pensamentos auto depreciativos de que eu era um bosta e que eu tinha me colocado em uma situação de merda.
A minha ansiedade piorou, tive que me ausentar um mês do trabalho por causa de crises constantes de ansiedade, comecei tratamento psiquiátrico junto com a terapia para segurar a ansiedade, não conseguia sair de casa, não conseguia fazer nada a não ser pensar nesse fracasso. Engordei 17 kg em um período de 9 meses. Eu fazia academia para emagrecer para ela me notar. Tenho 1,78 e estava com 80kg, depois disso, cheguei aos 98kg.
What a ride.
Depis de maio-abril de 2017 eu expliquei para ela que seria melhor se eu me afastasse para sempre. Bloqueei ela em todas minhas redes sociais, toda vez que via ela saia imediatamente do campo de visão dela, pois me dava crise de ansiedade. Evitava todos lugares achando que ela estaria ali. Não existia mais tranquilidade, ela aparecia nos meus sonhos, pesadelos. Eu realmente me perdi. Nunca mais vou conseguir falar com ela, perdi a chance de fazer essa garota incrível feliz. Obviamente a culpa de tudo isso é minha. Não tive maturidade para lidar e deu no que deu.
Atualmente eu lido com isso de uma maneira objetiva, que é: aprendizado. A vontade de morrer sempre vai existir, afinal, eu ainda amo essa garota. Nunca vou superar totalmente essa experiência devido a maneira que aconteceu. Eu me isolei socialmente por quase 12 meses, cheguei a excluir diversos amigos de longa data apenas por que eles namoravam. Apaguei familia de todas redes sociais, tudo me fazia lembrar de como eu era um miserável solitário que tinha falhado na única chance de conquistar a mulher da minha vida.
A única razão que eu estou escrevendo tudo isso, é por que eu preciso tirar isso de dentro de mim. Se eu realmente quero viver e tenho amor a mim mesmo, eu tenho que seguir em frente e ser resistente. Isso foi apenas um aprendizado, dos mais difíceis de toda minha vida. Eu questionava diariamente o por que de tudo isso ter acontecido. Eu nunca mais vou ser o mesmo, essa lição me mostrou muita coisa, uma delas é que eu tenho uma batalha constante com o meu eu interior. Nosso auto controle define quem somos, se você não em auto controle, possivelmente você vai se colocar em situações que podem mudar você e sua vida para sempre, eu espero que de maneira positiva.
Eu ainda tenho muito tempo pela frente para transformar o saldo dessa história em positivo. Mas o que eu queria mesmo era estar com ela.
Saudades de você, n.
TLDR;
Me iludi com uma colega de trabalho que era muito parecida comigo, fingi que estava preparado para uma relação superficial mas me apaixonei e acabei me perdendo dentro de mim mesmo. Entrei em depressão e me isolei socialmente por quase um ano, suicídio era mais aliviante do que pensar em um futuro positivo. A existência era dolorosa e pesada. Hoje eu sei que isso foi um aprendizado, daqueles fudidos que não é para a gente esquecer. Vou levar isso pro resto da vida, espero que com o tempo transforme o resultado em algo positivo.
submitted by koyaanisqatsi_guy to desabafos [link] [comments]


2017.12.28 17:57 brucewaynedosuburbio Oi, Reddit. Hoje me pagaram R$ 2 mil para stalkear e descobrir tudo sobre uma pessoa. Segue meu relato de como fiz isso :)

EDIT MAIS IMPORTANTE: não me desafiem :)
EDIT IMPORTANTE: galera, comecei a receber várias mensagens de pessoas interessadas e pedindo ajudaa para encontrar amigos e amores do passado. Eu não sou profissional nisso e fiz isso como hobby, não depositem suas fichas em mim não, rs.
E outra: vou viajar agora no Ano Novo e ficar um tempo fora. Então não devo responder mais nada por aqui por um tempo. Quando voltar, vejo mensagem por mensagem e se posso ajudar ou não.
Voltando ao post original
Eu trabalho com marketing digital e sempre fui bom em caçar pessoas. Fazia isso no trabalho direito a ponto de se tornar um hobby. Brotou um cliente novo? Eu usava meus recursos para descobrir tudo o que podia sobre ele: endereço, estado civil, mídias sociais, processos, relacionamentos e por aí vai.
Isso me fez descobrir coisas interessantes. Como uma pessoa que entrevistamos para o trabalho era um bolsominion expulso da Polícia Militar acusado de assassinato (surpreendentemente absolvido, apesar de tudo apontar contra ele e seus colegas e ter até matéria de jornal sobre isso). Que o novo namorado de uma colega de trabalho frequentava um fórum de acompanhantes e tinha um perfil fake para manter contato com as primas. Que uma funcionária daqui abriu uma empresa no nome do marido e estava usando informações privilegiadas nossas para concorrer conosco em pequenas licitações.
Minha fama acabou crescendo um pouquinho até chegar em um amigo de um colega de trabalho. A missão que ele me passou? Encontrar um amor dele do segundo grau. Achei meio obsessivo, mas o cara me disse que só queria saber como ela estava, como eles haviam perdido completamente o contato por terem se formado ainda nos anos 90, sem os benefícios da internet e tal. Ele tentou contratar uma firma de detetives, mas os caras não descobriram nada com as informações que ele passou. E ele ainda morreu uma grana boa com eles.
Ele veio falar comigo e pensei, por que não? Como nunca tinha feito isso na vida, ofereci receber APENAS se descobrisse alguma coisa, apesar de geralmente rolar um adiantamento nesses casos. Segue como fiz.
Disclaimer importante: nada aqui é garantia de que vocês terão algum resultado seguindo essas dicas. Algumas pessoas têm uma pegada digital ínfima por conta da idade ou da natureza de seus afazeres profissionais/acadêmicos.
Informações que recebi: primeiro nome, um dos sobrenomes, bairro onde a pessoa morava e supostamente ainda morava, uma foto dessa pessoa no fim dos anos 2000 em uma reunião de ex-alunos dessa escola. Ele também sabia que a pessoa em questão fazia aniversário em maio. Ele desconfiava que ela havia passado para algum curso de Letras de faculdade pública do Rio de Janeiro ainda no fim dos anos 90.
Primeira fonte: o Facebook: perguntei ao cara se ele conhecia alguém de confiança que morasse no mesmo bairro que ela. Ele tinha. Essa pessoa me cedeu sua senha e login no Facebook temporariamente para ajudar na busca. A combinação de nome + sobrenome que ele tinha não dava resultado algum. Provavelmente ela usava outro sobrenome.
Aqui eu tinha duas alternativas: a mais correta, que era pegar esses dois nomes que ele tinha e consultar o registro de aprovados no curso de letras nos anos que ele indicou (1998/1999) ou visitar a antiga escola dela. Seria o método mais fácil para descobrir o nome completo dela, mas também me tomaria tempo e gasto de ficar indo fisicamente nas universidades e na escola para consultar esses registros. Eu não queria tirar a bunda da cadeira, então foi na força bruta.
Eu chutei algumas dezenas de sobrenomes. Comecei calculando o numero de perfis que acessei numa única manhã e parei de contar quanto já estava na casa dos 200. Acho que estava na casa dos 300 quando encontrei pela foto.
Páginas curtidas, fotos curtidas pela pessoa: vamos chamar a pessoa de Karen. Karen tinha um Facebook bem monótono. Parcialmente fechado, com menos de 200 amigos e pouquíssima atividade. Isso é um empecilho fodido, mas vamos lá: com a user ID dela, você consegue checar as fotos que ela curtiu a partir do link https://www.facebook.com/search/INSERIR_NÚMERO_DA_ID_AQUI/photos-liked . Também acompanhei as curtidas dela.
Assim, descobri que ela era espírita e seguia as páginas de alguns centros espíritas. Nos comentários de fotos dela - as poucas abertas - vi pessoas mencionando encontrá-la no tal centro espírita, mas sem mencionar o nome dele. Chequei as fanpages de todos os centros e revirei as fotos dos eventos até descobrir que não só ela era membro assídua de um deles, mas também era médium de um deles. Consegui até para ele os horários em que ela atendia no centro.
Pelas páginas curtidas, também descobri um bocado sobre ela: que ela tinha um filho, que ela era espírita e de esquerda, que ela fora abandonada pelo marido. que seguia várias páginas de concurseiros, que gostava de ler literatura hot, que aparentemente sofria de depressão.
Nosso amigo Google: sabendo o primeiro nome dela, o sobrenome que esse cliente lembrava e o que ela usava no Facebook, juntei os três para fazer algumas combinações de pesquisa no Google. Sempre usando aspas e tentando fazer diferentes buscas.
"Karen" "Santos" "Amoedo"
"Karen dos Santos" "Amoedo"
"Karen Amoedo" "Dos santos"
Como eu sabia o ano aproximado em que ela nasceu e o suposto mês, jogava a data junto também com um dia aleatório: "13/05/198X".
Não demorou muito para rolar o bingo. Karen dos Santos Souza Amoedo, nascida em 24/05/198X. A informação veio na lista de aprovados de um concurso público de alguns anos atrás.
A partir daí, foi uma chuva de resultados. Descobri as exonerações e contratações dela em diferentes cargos federais e estaduais por conta dos Diários Oficiais, que ela foi assistente administrativa em uma faculdade daqui por alguns anos, passou em outro concurso e migrou para outra instituição.
A partir dos editais de cada concurso e o LoveMondays, identifiquei também o salário estimado que ela ganhava em cada um deles sem grandes dificuldades.
O Google retorna muita coisa boa. Registros em cartório, processos, empresas no seu nome, uma caralhada de coisa. Numa dessas buscas, encontrei o perfil dela no Youtube, que era aberto e tinha várias informações de coisas que ela gostava: hobbies, canais sobre depressão e espiritismo, plano de estudos para concursos públicos e por aí vai.
CPF é seu amigo
Hoje, é muito fácil no Brasil você consultar informações de pessoas por CPF em sites como o CC Fácil. Seu próximo passo então é descobrir o CPF da pessoa em questão.
Aqui é muito 8 ou 80. Muita gente tem o CPF largado pela internet por milhões de razões: alguma citação em ação judicial, diário oficial, burrice, uns bancos cadastrais que se encontram por aí. O meu, por exemplo, não está disponível em lugar algum.
No caso dessa pessoa em questão, jogar o "Karen dos Santos Souza Amoedo" (lembrando que o nome é fictício :) ) rendeu algumas dezenas de resultados e, num deles, havia o CPF da pessoa em questão. Fui lá eu no CC Fácil fazer a consulta.
Tem duas coisas SUPER importantes sobre o CCFácil:
O resultado? O endereço de casado dela, o atual endereço, o celular, o telefone fixo, alguns detalhes sobre a vida financeira dela.
A interpretação das informações: só nessa brincadeira aí já estava terminado o serviço, mas decidi ir mais a fundo e ver o que mais conseguia descobrir. Muita coisa é subjetiva e fruto de algumas migalhas de informação que a gente precisa interpretar, é quase como contar uma história mesmo.
Eu consegui acertar o perfil básico dela quase que por inteiro. A conclusão que cheguei foi que Karen casou-se com 20 e poucos anos, teve um filho e se separou em algum momento. Não consegui descobrir o nome do cônjuge, mas acho que poderia ter ido mais longe se recorresse aos cartórios da região. A depressão veio depois da separação, aparentemente com o filho ainda pequeno (hoje adolescente).
Pela descrição que ele me deu, ela parecia pouquíssimo religiosa nos tempos de escola. Concluí que a religião foi a forma que ela encontrou de enfrentar a depressão. Ela jamais exerceu a profissão pela qual se formou, se limitando a fazer vários concursos públicos para assistente administrativo, sempre mirando bem baixo. O salário mais alto da carreira dela foi R$ 2700~R$3100, já com as gratificações inclusas, pelo que consegui achar.
Ela conseguiu manter o peso após a gravidez, pelas fotos que encontrei. Mas a separação e a possível depressão fizeram ela engordar bastante. Ela também seguia várias páginas de comida orgânica e dietas saudáveis, mas não parecia estar fazendo muito efeito.
O que mais consegui?: liguei para a entidade pública onde ela trabalhava me identificando como funcionário dos Correios. Queria confirmar o endereço dela e a unidade daquela repartição onde ela trabalhava, já que era uma instituição bem grande. Falei que tinha uma encomenda no nome dela como endereço errado e que seria devolvido ao remetente, mas que aquele era o único telefone de contato. Nego se desdobrou e conseguiu me passar exatamente onde ela trabalhava e o ramal dela. Essa instituição tem várias unidades diferentes espalhadas pela cidade.
Queria confirmar o endereço que havia descoberto pelo CPF, mas também quis testar a ingenuidade dela. Dei outro endereço próximo no bairro em que ela mora, dei o nome do remetente como uma loja de apostilas de concursos públicos (com base nos interesses dela que escavei). Ela acreditou na hora e me passou o endereço certo, confirmando o segundo endereço que recebi na consulta da CC Fácil. Talvez o primeiro fosse dos tempos de casada.
Além disso tudo, com uma foto taggeada de uma amiga, descobri a escola onde o filho dela estuda. E que ele é meio geek/otaku (imagina se o cara tá no sub, hehe).
Acertei tudo? Da minha interpretação, só errei o espiritismo como válvula de escape para a depressão após o fim do casamento. Na verdade, o espiritismo foi a resposta que ela encontrou para a morte do pai há alguns anos.
Por que estou postando isso aqui?
Várias razões:
Sim, é meio creepy. Bem creepy, na verdade. Mas eu fiquei satisfeito com o resultado e espero que os dois se deem bem. E que ele não seja um psicopata ou mate ela, senão vou ficar com uma dor na consciência fodida. Mas pelo menos ganhei R$ 2 mil por basicamente um dia de trabalho :)
Vai funcionar comigo?
Aí vai um depende gigantesco, como eu disse lá em cima. Eu tenho uma vida bem ativa nas redes sociais e me recrimino por isso. É bem fácil saber bastante sobre mim e descobrir coisa sobre a minha vida. Mas a minha esposa, por exemplo, tem uma pegada digital mínima. Trabalha na iniciativa privada, em uma empresa pequena, não tem empresas no seu nome, não faz concursos públicos, não tem uma profissão que coloque o nome dela na internet repetidamente, não é chegada às redes sociais.
Se meu alvo em questão fosse a minha esposa, provavelmente eu não conseguiria porra nenhuma. Minha dica? Se vocês têm algo comprometedor e querem esconder, ou até simplesmente querem proteger sua privacidade, comecem a buscar essas informações sobre vocês disponíveis por aí e apaguem elas. Se você quer encontrar alguém, é só ser perseverante. A internet é um mar de informação.
submitted by brucewaynedosuburbio to brasil [link] [comments]


2017.09.25 21:45 botafora01 Sinto que a minha vida já está traçada

Desde já peço desculpas pela muralha e pelo throw away
OK, desde o Ensino Médio eu sofria com algo que eu imagino 90% do Reddit sofreu: não conseguia pegar sequer resfriado. Era extremamente zoado pela sala toda por isso (meus amigos até hoje dizem que eu sou o único da turma que nenhuma mulher chegou), cheguei até a apanhar por isso. Só fui perder meu BV no meu ano de calouro na faculdade e a minha virgindade quando fui num bordel. Eu ficava triste com isso, mas também estava esperançoso: afinal, era um adolescente, estava entrando na faculdade, e todos sempre me louvavam por, segundo eles, eu ser muito inteligente. A menina que eu gostava na época, e que até hoje é uma amiga (e que eu passei a maior vergonha da minha vida, ao me declarar pelo fucking MSN), vivia brincando dizendo "O nerd de hoje é o cara rico de amanhã". Boas memórias.
Chegou 2013, e eu entrei na faculdade. Não fui maravilhosamente bem no ENEM, mas consegui uma bolsa integral em Administração em uma bela universidade. Escolhi Adm por pensar que o mercado estava bom e por ser noturna, o que me permitiria trabalhar. Nesse período, perdi meu BV e fiquei com outra menina uma vez, num espaço de 9 meses. Pra mim, isso era o ápice, eu era o deus da conquista, mesmo que meus novos amigos me zoassem de "pega ninguém" do mesmo jeito. Nessa época, eu baixei o Tinder e conheci o meu primeiro namorico, vamos chamar de Ana. Ana morava a 3h30 de viagem, então era praticamente um namoro à distância. Ficamos algumas vezes, 3 meses depois começamos a namorar e, depois disso, ela passou o mês seguinte dando desculpas para eu não ir lá. Chegou fevereiro, veio o carnaval, e ela disse que estava passando mal. Foi para o hospital e detectaram leucemia. Óbvio que eu pirei, queria ir pro hospital dela de todo jeito, mas ela nunca deixava, dizia que os pais me viriam, iria arrumar encrenca, ela iria ver um momento que estivesse sozinha. Se passaram 5 meses nesse tormento, hora ela dizia que estava boa, hora dizia que estava mal, quimio e afins, até que meus amigos de sala fizeram uma intervenção comigo, mostrando que não havia nada em rede social nenhuma dela a respeito de câncer, mostrando que ela estava postando normalmente sobre coisas cotidianas e que era a maior retardadice do mundo eu não ter ido nenhuma vez ver ela. Eu fiquei meio balançado, até porque meus pais concordavam com este ponto de vista, mas fiquei meio irregular com ela. Pouco mais de um mês depois disso, ela disse que tinha tido alta, tinha encontrado um ex, tinha ficado com ele e queria terminar. Não lamentei muito, até porque isso ocorreu em um espaço de uma semana, no máximo. Terminei e, desde então, ouvi dela duas vezes na vida. Passou.
Vale mencionar que, nesse meio tempo, a minha vida em casa havia melhorado demais: durante meu período de Ensino Médio, minha adolescência se resumia a passar finais de semana com minha mãe em bares, vendo ela entrar quase em coma alcoolico com as amigas e outros finais de semana na casa do meu pai, vendo ele ficar bêbado e chorar no meu ombro sobre ele ser um fracassado que não conseguiu sequer manter um casamento. Quando eu terminei, minha mãe já estava mais centrada (como está agora), saindo ocasionalmente e socialmente, e meu pai parou de beber após enfartar e voltou a ser o cara extremamente trabalhador que eu sempre admirei. No fim do meu primeiro ano de faculdade, eu passei a estagiar em um instituto federal. Ao mesmo tempo do término que eu disse acima, eu fui chamado para um concurso temporário, em outro órgão público, bem mais perto de casa.
Poucos meses após eu terminar com a Ana, entrou em cena a pessoa que eu, de fato, considero como a única que eu namorei. Vamos chamar ela aqui de Beatriz. Beatriz me chamou no Facebook, para brincar sobre uma postagem que eu havia feito (já havíamos tido pequeno contato ainda no colégio), e daí começamos a conversar. Dois meses depois, ficamos e, 5 meses depois, começamos a namorar. Ela perdeu a virgindade comigo e, na prática, eu também perdi com ela (transei com prostitutas umas 4 vezes antes. Fiz exames, por precaução, e não deram nenhum reagente). Eu aprendi demais a me aceitar com ela, nós tínhamos a mesma personalidade, ela era a primeira pessoa que não só não me julgava por meus interesses, como me incentivava a seguir eles. Não me cobrava nada, eu não cobrava nada dela, mas conversávamos de forma quase ininterrupta das 7 até meia noite. Com ela, no entanto, eu descobri algo que já havia visto antes nos bordeis: não sei o que me causa, mas com certeza eu tenho ejaculação precoce. Fui em um urologista, que me disse que era algo psicológico, que eu só precisava "me desligar". Tentei os exercícios que o próprio Reddit indica, mas nunca funcionava. Usei camisinha anestésica 2 vezes: uma vez foi uma maravilha, na outra estourou e eu traumatizei. Sempre me sentia extremamente culpado e furioso comigo mesmo após cada fim de penetração, mas o que atenuava era a presença dela, que sempre me dizia que não ligava, que eu conseguia deixar ela no céu somente com as preliminares, que não ligaria de passar por isso por não sei quanto tempo. Tudo que eu me julgava errado, ela me mostrava que não ligava. Eu me sentia num porto seguro com ela, e isso me impulsionava na faculdade: eu imaginava que iria me formar em um emprego na iniciativa privada, sem "data de validade" como meu emprego temporário, e que, 1 ou 2 anos após isso, estaria casado com ela. O único motivo de discussão que tínhamos era que ela tinha total ojeriza de tornar público: não podia postar nada com ela no Facebook, não podia atualizar status de relacionamento, não podia ir conhecer os pais dela, que "iriam proibir completamente". Mesmo os amigos eu só vi 2 vezes (uma outra vez eu não pude ir por motivos profissionais). Eu sempre entendi que isso era um receio dela, então, mesmo um pouco frustrado, eu aceitava. No que eu terminei minha monografia, estava preocupado com a questão do mercado, mas nada demais. Até que veio o dezembro, 1 ano e 4 meses após começarmos a ficar.
Eu estava na faculdade, pegando os convites de formatura, quando ela mandou o tradicional "precisamos conversar". Resolvemos por texto mesmo: ela disse que gostava de outra pessoa, e que se sentia culpada namorando comigo com interesse em outro. Aceitei, triste, e demos um tempo. 2 dias depois, um amigo me manda uma foto no perfil de um rapaz, que era o mesmo que ela gostava: ambos deitados, ela de top e ele sem camisa, e uma descrição bem...insinuante. Óbvio que eu pirei, liguei para ela, tivemos uma baita discussão, mas, depois disso, esfriou. Acabamos nos vendo, e ficando de novo. Ela terminou com o rapaz, mas ainda jurava de pés juntos que aquela foto era uma coincidência, que ela não havia me traído, que jamais faria isso, que era íntegra. E ficamos uns bons 3 meses indo e voltando até que, em abril, ela me mandou um testamento contando tudo: numa segunda, ela estava na casa de uma amiga, com este rapaz e o cara que a amiga estava pegando. A amiga e o peguete dela começaram a dar uns amassos no local e, segundo ela, ela não conseguiu "resistir" e montou no cara. Uma traição espetacular, que até hoje eu uso como humor auto depreciativo. Fiquei em choque por um tempo, mas, contra os conselhos de todos, perdoei ela e voltamos a namorar. Mas não era a mesma coisa. Ainda era maravilhoso por um aspecto, mas, por outro, ela estava insegura com o relacionamento (dizia que se sentia culpada por ter "estragado tudo por um impulso") e eu estava inseguro com tudo, precisava de validação dela pra tudo, principalmente no que tangia sexo. Eu já era inseguro sexualmente antes, agora era 3x mais, então eu basicamente a induzi a me contar toda a experiência sexual dela com ele, até eu me sentir menos perdedor. No entanto, eu estava começando a me recuperar em junho, estava me reencontrando, entendendo que estava apertando ela desnecessariamente (uma amiga teve essa conversa esclarecedora comigo). Então, tanto como solidificação como um pedido de desculpas, eu planejei uma viagem para nós, no dia que ficamos pela primeira vez, que cairia num sábado. Disse para ela os planos, ela ficou elétrica, empolgada, começou a me mandar links do local, brincar com meus planejamentos e afins...e, na semana seguinte, pediu para terminar. Disse que nunca esteve certa sobre nós termos voltado, que ela ainda me amava, que ainda sentia tesão comigo, mas que não se sentia pronta para um relacionamento sério, e "não queria me magoar". Aceitei, até mantive o contato, pq, nesse meio tempo, ela virou a minha melhor amiga. Mas o mesmo amigo da vez anterior me mandou um print de uma conversa dela com a irmã dele, dizendo que tinha terminado por estar afim de outro cara, e eu reconheci o sujeito: era um cara que ela falava horrores bem dele, "ah, fulano fez isso, fulano fez aquilo, me ajudou com x, um cara foda, faz não sei o que". Não sei se ela me traiu, mas tal conversa era de 1 dia e meio após termos terminado, e ela já havia ficado com tal cara. Não sei se ela me traiu de novo, mas a confrontei (não falei do meu amigo, obviamente, disse que a vi na rua) e ela manteve que não me traiu, mas que, dessa vez, poderia ficar com quem quisesse pq "fez a coisa certa". Eu disse que não conseguiria conversar com ela enquanto ainda tivesse sentimentos, ela disse que entendia, mas que queria saber de mim, que eu ainda era "o melhor amigo" dela.
Isso faz um mês e meio. Eu não consigo deixar de me sentir mal. Eu podia ter feito tanta coisa melhor, mas não fiz. Ela me traiu, possivelmente duas vezes, e tudo que eu consigo fazer é me culpar. Eu só não a chamei ainda pq imagino ela ficando com esse cara, que é melhor que eu em tudo: mais bonito, com uma barba farta de lenhador, com uma carreira já estabelecida, carro na garagem, mora sozinho e afins. O que me leva ao lado profissional: a sala da faculdade se reuniu para um churrasco há 3 semanas, estávamos conversando sobre empregos e eu concluí algo: apesar de que eu (e eu sei quão arrogante isso soa) ter feito que metade da sala ganhasse um diploma, eu sou o único dali sem um emprego minimamente fixo e tenho um salário que é o menor de todos, com vantagem. Todos falam que eu vou ganhar 3k, 4k logo, mas eu já cansei de tomar portadas de empresas. Gasto com passagem, gastei com um terno novo, gravata, e tudo que eu consegui foram muito obrigados, mas uma parcela da minha sala que literalmente não consegue entender que 50% e 0,5 são a mesma coisa (eu tive que ensinar manualmente regra de 3 simples e cálculo com números decimais quando estudamos Matemática Financeira) estão em empregos bons na iniciativa privada, comprando casas e carros. E, de todos ali, só uma me arrumou entrevista na empresa dela (que eu não consegui, principalmente por dita empresa estar num processo de fusão). Quatro conversam ocasionalmente, e o resto só entra em contato pedindo para que eu faça para eles provas de inglês de processos seletivos ou provas da faculdade (para os que ainda não se formaram).
Eu estou fazendo Contabilidade agora, vendo se consigo recomeçar, mas estou extremamente desiludido. Não sei o meu problema, mas o que eu imaginava quando entrei na faculdade não aconteceu. Eu sou um total fracassado no mercado de trabalho, e dificilmente vou conquistar algo além de pular de trabalho em trabalho de escritório, para tirar 2 salários e soltar rojão de alegria por não estar desempregado. Na verdade, eu já imaginava algo nessa linha desde o último semestre, mas, além da esperança mínima, eu carregava que iria ter uma família. Alguém me aceitava, alguém me amava. Hoje, eu vejo que nem isso. Nesse mês e meio pós-término, eu percebi como meu stock está horrorosamente baixo. Ouvi diretamente de uma estranha (no Tinder, vale dizer) como eu sou "feio, com cabelo estranho e roupas deprimentes". A maior parte dos meus amigos disse que eu vou achar alguém, mas só uma amiga me apresentou para alguém (Spoiler: eu quis levar pra amizade pq esta pessoa demonstrou 0 interesse romântico em mim, mas temos muitas afinidades de gostos. Não quero que alguém legal se perca só por não querer abrir as pernas pra mim em qualquer futuro).
Então, qual a conclusão? Para relacionamentos, eu sou a tempestade perfeita: meus gostos não são nada pop, meu estilo de roupa desagrada geral, minha voz é deprimente, eu sou lerdo, distraído, amo entrar em rants gigantes quando me empolgo (vide este texto) e, mesmo que alguma garota um dia resolva passar por isso tudo, o prêmio dela será ter de viver com sexo oral recheado por 30s de penetração, num dia bom. Nenhuma mulher no mundo quer se relacionar com um homem que precise fazê-la ter um orgasmo com masturbação pq não aguenta chegar a 1min de penetração. Ou seja, eu até posso tropeçar em alguma peguete (sim, essa é a palavra, tropeçar. Um incidente do acaso, como foi com a minha ex), mas nenhuma jamais chegará a ser de longo prazo. Dificilmente eu terei uma família. E, sem uma família, não há nada para contrabalancear o fato de que eu sou um fiasco profissional. O "menino gênio" do colégio, o "cara que vai ganhar 7000 daqui 3 anos" da faculdade nada mais era que uma pessoa com um par de neurônios no meio de um grupo de pessoas com bases educacionais mais fracas que a minha e, principalmente, sem interesse algum em estudar. Numa sala focada, eu teria de me esforçar para estar no meio do pelotão. Eu sou mediano intelectualmente e, profissionalmente, sou um lixo que não conseguiu fazer networking na faculdade e, hoje, irá ter de viver de escritório em escritório, sem nenhum breakthrough.
Minha vida parece estar desenhada para ser a definição de um fiasco, de um total e completo desperdício de oxigênio. Mas eu tenho uma missão: cuidar dos meus pais. Ambos dependem demais de mim psicologicamente, ambos me amam mais do que qualquer outra coisa. Sem a minha presença aqui, a vida dos dois colapsaria. Sinto que eu só vim ao mundo para ser o pilar da vida de ambos. Então, eu tenho que ir empurrando a minha vida enquanto ambos estão vivos, tentando ao máximo não embaraçar eles mais. Decidi que vou viver a vida no limite nesse meio tempo: finalmente comecei a fazer academia (minha postura sempre foi torta e, nos últimos 2 meses, eu ganhei peso. Quero eliminar essa pança antes que ela vire um problema), fui ao Maracanã mês passado ver a ida da Copa do Brasil (sou de MG), devo receber uma indenização boa quando sair daqui e estou planejando um mês de curso de inglês na Europa (meu inglês é bom, mas não é perfeito e isso sempre me incomodou horrores, sem falar que conhecer a Europa é O sonho que eu tenho de vida). Será o meu maior highlight, e a única loucura que eu me permiti fazer. Quando voltar, vou fazer o que gosto e, mais importante, vou cuidar dos meus pais, de tudo que eles precisarem de mim.
Não sei o que o futuro reserva pra mim, mas, pensando com lógica, eu devo chegar nos meus 35/40 anos quando ambos meus pais falecerem. Quando isso acontecer, serei um solteiro entrando na meia idade, possivelmente com pouca experiência sexual que não envolva garotas de programa, num emprego pouco satisfatório e sem nenhum amor que tenha sido recíproco e que não acabe na mulher se cansando de um cara patético e percebendo que praticamente qualquer coisa é melhor que eu. Será covardia, alguns sentirão tristeza, mas será temporário, todos irão superar, e haverá um pouco mais de oxigênio no mundo.
A minha mente ainda tenta, em alguns momentos, achar alguns cenários de ilusão, de que algum milagre irá acontecer, mas não irá. Eu sei que não. Profissionalmente eu fracassei. Academicamente eu fracassei. E, amorosamente, eu também fracassei. Vi que não basta achar alguém que aguente a minha personalidade, ela não irá suportar alguém que trata preliminares como Evento Principal, e eu irei morrer com esta condição.
Por mais paradoxal que seja, pensando assim eu estou aprendendo a abraçar o que eu gosto. Eu gosto de ler. Eu gosto de sair para comer e voltar para casa. Eu gosto de esportes. Eu gosto de escrever. Eu gosto de viajar. Não vou mudar o que eu gosto pelos outros, até porque será inútil, resolver um sintoma não cura a doença, e não há remédios o bastante para curar todos os sintomas dessa doença chamada eu. Fico feliz pelos meus pais existirem, pq, se não fosse por eles, eu teria sido um fiasco absoluto em vida. Fico feliz pelo meu último namoro, pq eu nunca me senti mais feliz do que numa tarde de sábado, quando ela disse "te amo" pouco antes de cochilar no meu peito. Eu fui feliz com o amor, e, por causa dela, eu aprendi que todo relacionamento que eu entrar, obrigatoriamente, terá um fim unilateral. Eu vou ser feliz com meus outros desejos, concluir meus hobbies, fazer o que eu gosto, e cuidar de quem me ama incondicionalmente, até o fim deles. Dali, serei eu que terei meu livramento.
Eu precisava contar isso pra alguém, mas não quero que tratem isso como um pedido de ajuda, pq não é. Meu real objetivo de vida sempre foi ter uma família minha, ter um filho em uma casa estruturada e passar meu conhecimento adiante. Eu já sei que, por questões psicológicas e físicas, isso jamais acontecerá. Quando meus pais se forem, eu literalmente não terei mais o que fazer aqui e, se tudo der certo, eu terei realizado ao menos uma parcela boa dos meus outros sonhos. Eu estou tranquilo quanto a isso. Talvez ainda sinta, de novo, a dor de ver alguém me trocando por outra pessoa melhor, mas agora eu sei que isso acontecerá. Doerá menos, eu espero. E, se nem isso eu conseguir, bem...dois salários por mês dá para pagar por sexo.
De novo, desculpem pelo texto gigante.
tl;dr: Todos confiavam em mim, todos achavam que meu futuro seria brilhante. Meu futuro será medíocre, patético e, ao menos, tem uma data para acabar
submitted by botafora01 to desabafos [link] [comments]


Edmazia - Vou dizer que sim_2012 - YouTube ¡ 48H COMIENDO como mi SIM ! Quero dançar meu amor, sim. A valsa dos namorados, contigo~ Não importa o ano mais sim o amor que temos por caminhão ... Free internet Data Sim 100% - Get Unlimited Internet for ... Pabllo Vittar - Amor de Que (Áudio Oficial) - YouTube Quem ama desiste sim. (Citação) New Free internet - Ideas Free internet at home 2019 Meu amor me chame que te digo SIM [Versos e Poemas] para ... WITH MODEM GET FREE INTERNET DATA MB ANY SIM CARD OR ...

Your Smartphone's SIM Card Size: Standard, Micro or Nano?

  1. Edmazia - Vou dizer que sim_2012 - YouTube
  2. ¡ 48H COMIENDO como mi SIM !
  3. Quero dançar meu amor, sim. A valsa dos namorados, contigo~
  4. Não importa o ano mais sim o amor que temos por caminhão ...
  5. Free internet Data Sim 100% - Get Unlimited Internet for ...
  6. Pabllo Vittar - Amor de Que (Áudio Oficial) - YouTube
  7. Quem ama desiste sim. (Citação)
  8. New Free internet - Ideas Free internet at home 2019
  9. Meu amor me chame que te digo SIM [Versos e Poemas] para ...
  10. WITH MODEM GET FREE INTERNET DATA MB ANY SIM CARD OR ...

Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Áudio oficial da música 'Amor de Que' da Pabllo Vittar. Escute o EP '111 1' da Pabllo Vittar na sua plataforma digital preferida: https://SMB.lnk.to/PV111 As... 50+ videos Play all Mix - Quero dançar meu amor, sim. A valsa dos namorados, contigo~ YouTube Canção dos Namorados (El Vale de las Mariposas) - Duration: 2:39. Free internet Data Sim 100% - Get Unlimited Internet for Free 2019 - Duration: 7:32. Easy Electric 2,021,607 views. 7:32. Para todos los simmers que esperabais verme sufrir, hoy os enseño cómo he estado comiendo como mi sim, al ponerlo en libre albedrío, durante 48 horas. Lo pasé realmente mal. Asi que dadle amor ... Quem ama desiste sim. (Citação) Lais Oliveira ... EU TIVE QUE DEIXAR O AMOR DA MINHA VIDA. - Duration: 4:06. Brenda Abreu 201,427 views. 4:06. Tentamos disfarçar que não dói (Citação ... Amor da Minha vida, me chame sempre que precisar. Eu sempre digo sim para você meu verdadeira amor, minha paixão. BAIXE O APLICATIVO TELEMENSAGEM CLUBE E MAN... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. WITH MODEM GET FREE INTERNET DATA MB ANY SIM CARD OR ANDROID PHONE WIFI FOR HOME Hello Everyone! Welcome to my channel. My channel talking about New Free int... Free internet Data Sim 100% - Get Unlimited Internet for Free 2019